Ta rindo do que?

Perambulando por sites da mídia bovina, dou de cara com uma entrevista do nosso excelentíssimo senhor Francisco Noveletto para a Zero Hora. Por lá o presidente da FGF afirma que está “rindo à toa devido às contratações”. Obviamente se trata da dupla Gre-Nal, únicos dois times a receberem a devida atenção da Federação Gaúcha. Digo isso porque os clubes do interior não estão contratando com motivos para risadas e felicidade.

O grande problema encontrado pelos times do interior – que os impedem de rir à toa – são os orçamentos pequenos, as finanças rasas e a falta de divulgação por parte da mídia. Sim, exatamente isso que escrevi: a mídia gaúcha tem uma parcela de culpa na falta de “alegria” dos clubes fora do eixo Gre-Nal. Isso por uma questão simples: sem visualização, sem mídia, não há patrocínio, não há investimento no clube de Erechim, não há marca da empresa na camisa do time de Ijuí ou Pelotas. Mesmo com o apoio de pequenas torcidas fieis, com sócios pagando mensalidade em dia, ainda são poucos os recursos para manter o futebol gaúcho em alto nível.

A solução pra falta de atenção aos clubes do interior é bastante simples e, em tempos de Globo Esporte integral para o Rio Grande do Sul, fácil de realizar. Que tal dedicar alguns blocos do programa para comentários acerca dos demais clubes do Sul? Que tal trocar a matéria sobre o jogador gremista que faz chapinha nos cabelos para o Avenida que no site da FGF aparece como um Caxias B? Poderia haver um debate sobre a lamentável presença do Canoas na elite do futebol gaúcho, que no mesmo site citado anteriormente ainda aparece como Universidade. É fato que isso não vai ocorrer tão cedo, simplesmente porque os times do interior não rendem o que a mídia global quer, que são torcedores alienados simplesmente para alcançar mais pontos de audiência.

Algum estagiário deveria ser demitido.

Mas lá está ele, rindo de algo que ele mesmo sabe que não existe. Passando o Gauchão os clubes fora do eixo voltam às batalhas diárias para manter as portas abertas, voltam a procurar qualquer mercado de esquina que aceite pagar alguns trocados em troca de um espaço restante no sovaco da camiseta. É hora de olharem com mais zelo para os times que fazem parte do futebol gaúcho. É hora de olhar a última campanha do Cruzeiro e saber colocar isso na mídia pra que todos saibam que foi feito um bom trabalho, saber quem fez esse trabalho, como ele foi feito. É hora de saber como o Novo Hamburgo tem se reforçado com nomes mais famosos, de saber como os times que vieram de Série B estão se preparando, é hora de mostrar pra todo o Rio Grande do Sul que uma derrota da dupla para um time do interior pode não ser apenas por falhas de Grêmio e Inter. Já passou da hora de dedicar mais atenção aos que realmente precisam do apoio diário da Federação.

Em suma, não é hora de dar risadas, senhor Noveletto.

Toco y me voy,
Douglas Beretta

Publicado em FGF, Gauchão 2012. ligação permanente.

0 Respostas a Ta rindo do que?

  1. daroit diz:

    noveletto é um bundão

  2. daroit diz:

    o pior é que ele fala essa merda sem nenhum lastro na realidade e a mídia embarca, porque é tão ignorante que nem consegue perceber que não faz sentido. que época lamentável pra se viver futebol no RS.

  3. Assim que eu me livrar da final pendente na faculdade – abra$$o, Greve -, procurarei reavivar um debate que tive com Daroit e Brum, brevemente, ano passado quanto à construção de um novo calendário para ressuscitar o futebol interiorano no RS e no Brasil.

    A melhor forma de colocar o plano em prática é, claro, adentrando a CAVALO a FGF e a RBS e cravar uma imagem do Brizola por esses pagos latifundiários e cegos por voluntariedade

  4. Pior que o EXCELENTÍSSIMO Senhor Noveletto ainda fez os clubes gastarem o dinheiro das cotas de TV (que já são menores esse ano para o interior) na formação de times, se seguir com esse “””””pensamento”””””, o fim da linha é logo ali

  5. beretta diz:

    Comentário do Zezinho é sensacional. Dava pra criar uma liga entre times do interior, do Uruguai e Argentina. Mas daí é pedir demais.

  6. Uma liga forte do interior já seria uma boa, ao invés do TROCA-TODO-ANO-DE-NOMEÃO

    Outra coisa, times como o Nóia vivem do dinheiro de um cara que tá afim de investir sem retorno algum, uma hora ele desiste, ai já viu

  7. Felipe ("o catarina", pra quem lê o Impedimento) diz:

    Evidentemente meu estado não tem uma dupla Gre-Nal, que ganha títulos nacionais e internacionais, mas não se pode reclamar do equilíbrio de forças e da força dos times do interior por aqui. O Criciúma, por exemplo, tem os maiores títulos do estado (Copa BR e Série B) e o Joinville já ganhou 12 estaduais e a Série C (título importante, no nosso caso). Todo ano o campeonato começa sem a gente saber quem pode ser campeão.

    Mas isso, claro, é resultado da economia do estado, que não está concentrada na Capital (um polo turístico, mas não industrial), mas em diversos polos espalhados (principalmente Joinville no norte, Criciúma no Sul, Blumenau no Vale e Chapecó no Oeste). Se fosse esperar pela FCF, estariam todos mortos de fome, inclusive Avaí e Figueirense.

    Baita o blogue de vocês, guris. Muito respeito pelo interior do RS, recheado de clubes tradicionais e sem clubes de prefeitura/empresário/aventureiro.

  8. beretta diz:

    Catarina, em Santa Catarina como funciona a Globo local? Focam só em Figueirense e Avaí também ou é bem dividido?

  9. Outra coisa que NÃO É MOTIVO DE RISO é a campanha dos times gaúchos na divisões inferiores nacionais, quem foi o ÚLTIMO DESTAQUE??? O futebol de SC tá ANOS LUZ na frente do nosso nessas divisões

  10. Beretta, não apenas uma liga envolvendo os times platinos. Formentar várias ligas estaduais Brasil afora, como a Copa da Amazônia (http://globoesporte.globo.com/am/noticia/2011/12/esquecidos-clubes-da-regiao-norte-querem-lancar-copa-da-amazonia.html) e a Copa do Nordeste (http://globoesporte.globo.com/ce/noticia/2011/12/cbf-confirma-retorno-da-copa-do-nordeste-em-2013.html).

    Algo que movimente as rivalidades regionais, os investidores pequenos, as comunidades, as escolinhas de futebol, que junte esporte-educação-integração social.

    Aqui no Paraná, a Segundona é tomada por times de empresários e a Primeirona tem visto vários times tradicionais fecharem as portas ou jogarem por apenas três meses – não há sequer uma copa regional no segundo semestre

  11. Marcelo Alves diz:

    Sabe que o Jose Eduardo falou coisas muito importantes…veja o exemplo do Parana…que tambem matou seus clubes de tradicao no interior…como o grande Londrina, o antigo Cascavel, tinhamos o Matsubara….e outros…., pior ainda aqui no Rio Grande, clubes como Brasil e Pelotas largados…nem a midia mais fala deles…da tal torcida Xavante….e a dupla CaJu, morreu na presidencia de Noveletto…, ainda que o meu Noia tambem sobrevive gracas a um empresario que gosta do clube e ainda esta a fim de investir…e quando ele enjoar ???, teriamos sim que ter uma liga forte no interior, daqui a pouco juntando o RS com SC e Parana, idem a COPA DO NORDESTE…mas deixando de fora os grandes…. mas o grande problema e quem iria bancar isto…..o grupo RBS nao esta nem ai para o interior…

  12. Marcelo Alves diz:

    Realmente e uma pena, pois lembro de Gauchoes com estadios lotados para ver NOIA X INTER de Santa Maria, Noia x Esportivo….Brapel de casa cheia, CaJU pegando fogo…grande jogos contra o Sao Paulo de Rio Grande….e aos poucos nossos clubes do interior vao morrendo…e triste isto ….

    Realmente, SC passou a frente do RS, la a federacao respeita todos…de forma igual….

  13. Felipe (o catarina) diz:

    Beretta, Avaí e Figueirense têm mais atenção da RBS sim. Nos últimos anos (1997/98 pra cá, por aí), depois da onda do Criciúma nos anos 1990, sempre foi “um pouco mais” (nada como dupla Gre-Nal, p. ex.), mas ano passado foi exagerado. De 18 rodadas da primeira fase, em 16 o jogo programado pra ser transmitido era de Avaí ou Figueirense fora de casa. Ou seja, transmitido para o público de Florianópolis, já que aqui não há torcidas estaduais – cada time tem torcida na sua região. Os únicos dois jogos que fugiam a essa regra eram Criciúma x Joinville e Joinville x Criciúma.

    Como o Avaí fez uma campanha ridícula no primeiro turno, lembro que numa das rodadas finais do turno a RBS deixou de passar um jogo do Avaí pra passar Metropolitano x Chapecoense (a Chapecoense disputava o título do turno com o Criciúma). Mas então foram 15 jogos de Avaí-Figueirense em 18 rodadas. É muito pro nosso padrão. Nunca tinha sido tão grande a disparidade. E 2012 acho que vai ser igual.

    O que a RBS vai argumentar é que Avaí e Figueirense dão mais audiência por serem os clubes catarinenses de maior torcida, que os anunciantes têm mais interesse em Florianópolis por ter a maior população (não a cidade em si – Joinville tem mais habitantes -, mas a região metropolitana, de longe a maior do Estado), essas coisas. Mas sabemos o quanto isso é ruim para o equilíbrio de forças.

  14. Felipe (o catarina) diz:

    ah, esqueci de comentar que entre 2007 e 2009 foi a Record que transmitiu o estadual e era bem dividido. Os chamados “4 grandes” (Avaí, Criciúma, Figueirense e Joinville) eram os que mais apareciam, mas de vez em quando rolava um joguinho da Chapecoense (a “quinta força”) também. Mas os clubes preferiram a RBS (rolou até briga judicial pra quebrar o contrato com a Record). Aí, não adianta chorar.

  15. Marcelo Alves diz:

    Pior, este tipo de coisa ou seja….do gauchao um dia ser mais REGIONAL….e nao apenas CAPITAL….apenas ira ocorrer caso outra emissao de TV compre os direitos…e nao o lixo da RBS….

  16. beretta diz:

    A RBS poderia usar a TV COM pra passar vários jogos de times do interior, era só ajustar a progamação. Nem na COPA RS (que muda de nome todo ano) os clubes do interior recebem destaque: a RBS prefere transmitir um jogo do time B da dupla Gre-Nal.

    Lamentável mesmo, mas já estamos recebendo bastante apoio, inclusive de funcionários de clubes. Isso é o que mais importa pra gente.

  17. No final do ano passado, fiz um esboço mal feito quanto à uma hipótese de mudança no calendário do futebol gaúcho e brasileiro: http://www.cartanamanga.blogspot.com/2011/11/que-venha-2013.html

    Procurarei desenvolver algo como o ‘Fútbol para todos’, da Argentina. Com compromisso entre as diversas redes televisivas , desde as TVEs – procurando patrocínio para não ter apenas dinheiro público – até às grandes redes do País – Globo, Band, Record e SBT; Sportv, FOX e ESPN.

    Uma das ideias é vincular a transmissão da Série A às demais divisões do Brasileirão. Se uma emissora quiser comprar os direitos da Série A, terá que comprar das Série B, C e D também – nessa utopia, haveria valores diferentes para cada divisão, mas todos os clubes receberiam o mesmo valor dentro de cada série (ou 50% igual e 50% relativo à sua perfomance no ano anterior)

  18. Muda só o estado. Em Minas Gerais a situação dos clubes do interior é complicada justamente pelo descaso da FMF e da mídia. Mas o mais interessante, é que são esses mesmos abandonados do interior que salvam muitas vezes a “reputação” do futebol mineiro. Em 2011, os queridões Atlético, Cruzeiro e América (em menor escala) só passaram vexame. Enquanto o BOA Esporte fez uma campanha primorosa na B. O Ipatinga subiu da C pra B e o Tupi foi campeão da Série D! Informações de Juiz de Fora me deram conta que o Tupi não pagou um salário acima de 8 mil reais na D, justamente pq ñ tinha ajuda nenhuma, somente dos patrocinadores que restaram do Mineiro. Ou seja, o orçamento caiu. Mas enquanto Tupi e Ipatinga se mantiveram, e o BOA (aí é outro caso pq é clube empresa) sobreviveram no 2º semestre, Caldense, Democrata, Uberaba e vários outros fecharam as portas. Por apenas um motivo:

    No 2º semestre temos em MG uma ridícula e patética “Taça Minas Gerais”, onde a FMF suou pra achar 6 times pra participarem. BOA e Ipatinga colocaram times reserva pra disputar a competição, pra dar quorum. O Itaúna disputou com time de juniores. A tal “Taça MG” não tem 1 ajuda da FMF. Não tem sequer um alivio por parte da mesma nas altas taxas de arbitragem. A FMF não move uma palha pra conseguir um material pros clubes. Ela só quer lucro. E aí clubes como o Guarani de Divinópolis, o Nacional (times da elite do futebol mineiro) tiveram prejuízo, pois literalmente pagavam pra jogar. Teve jogo do Guarani que deu 4 mil reais de prejuízo. A competição não é interessante? Pq em BH tem gente que nem sabe que ela existe!!! A mídia de BH não sabe da existência da tal Taça Minas Gerais (que por absurdo, dá vaga ao campeão na Copa do Brasil e não na Série D). Não vi sequer 1 relato no Globo Esporte regional. Na rádio Itatiaia. Em lugar algum.

    O campeonato poderia mto bem ser transmitido, pelas outras TVs de MG: Alterosa (SBT) e Rede Minas. Mas a FMF sequer oferece essa opção aos clubes. Oferece uma negociação junto as TVs. Eu achava a FMF e o sr. Schettino, a mais patética federação e o mais ridículo presidente, mas estou vendo que no Brasil todo é assim.

    Querem matar o futebol do interior. Querem matar os clubes pequenos. Querem transformar o Brasil em um lugar onde 2 clubes dominam o futebol e o resto que chupe dedo.
    Parabéns pelo relato. E ao invés de sentir alívio de achar que não é só aqui em MG que é assim, fico ainda mais revoltado com a situação. Pois o movimento contra os pequenos é no país todo…

    Abraço

  19. Diego diz:

    Noveletto vem afundando o futebol do interior. Enquanto São Paulo tem 5 times na série B, Santa Catarina e Minas com 3, já o RS não tem nenhum! Na série C o caxias há tempo e o Juventude só cai… Sem contar os times de Pelotas.

  20. O Noveletto só se aproveita da fase atual da Dupla Gre-Nal, a única ajuda que ele dá ao interior é pelo menos um jogo contra um desses dois na sua casa, assim tendo casa cheia, mas os outros jogos seguem com poucos atrativos para ter bons públicos

  21. Bah, Alexandre, muito boa tua explanação sobre a situação em Minas. No Rio Grande e no Paraná comentou-se muito sobre a superioridade dos times mineiros nas séries inferiores em relação aos paranaenses e gaúchos, e agora que tu falaste, vemos como isso é fruto de muito abnegação, pois se dependessem da mídia e da FMF, estaria mortos.

    Em 2003, a Federação Paranaense criou a Copa Sesquicentenário, em homenagem aos 150 da Emancipação Política do Estado do Paraná. A competição foi disputada por uma infinidade de times profissionais, semi-amadores e amadores, de todas as regiões do Estado. Ao melhor estilo FA Cup, mesmo. Mas, curiosamente, a final foi Atletiba, com vitória do Furacão por 2×1 – ambos jogaram com seus times B.

    Posteriormente se criou a Copa Paraná, que teve diversas formas de disputa. Já contou com os times das principais divisões, com times das Série A e B mas sem os times da Capital, com apenas times da Série A, com apenas times do Interior e da Série A. Assim como a Copa RS, um dos objetivos era dar vagas à Copa do Brasil e às Séries C e/ou D. No entanto, o descaso da FPF e da mídia matou a competição. A edição de 2009 foi abortada e, desde então, não a tivemos mais.

    Para melhorar, a FPF ressuscitou a deficitária 3ª divisão. E não obstante, dividiu assim o calendário do futebol no RICHÃO:

    – Jan-Mai = 1ª Divisão
    – Jun-Ago = 2ª Divisão
    – Set-Nov = 3ª Divisão

    É normal que levas de jogadores de um mesmo time da Primeirona disputem por um mesmo time da Segundona e, posteriormente, da Terceirona. E a cada ‘transferência’, empresários e FPF ganham uns pinhões por fora. Além disso, times que disputam a Segundona precisam manter ativos time Sub-19 – senão, eliminação e rebaixamento.

    ***

    Na Primeirona, depois de chegarmos a não termos transmissão de algumas edições durante a década passada, a FPF tem exigido um laudo pra lá de estranho de cada estádio por parte do Corpo de Bombeiros. Em 2010, impediu o Engenheiro Beltrão de jogar em seu estádio e o clube teve que jogar em Paranavaí, distante 130 km.

    Resultado: borderôs deficitários, média patética de torcedores e rebaixamento.

    Antes disso, a vítima foi o União Bandeirantes

  22. Quando o Noveletto anunciou a criação da Copa RS, em 2004, eu aplaudi. Era uma forma rentável de manter os clubes do Interior em atividade.

    De cara, o nome pegou. Copa RS tinha seu apreço publicitário – o gosto do gaúcho por ‘copas’ e a sigla do Estado no nome. No entanto, nosso grande presidente logo conseguiu minar a ideia. O pretexto foi ‘excelente’:

    – As pessoas podem confundir o ‘RS’ da Copa RS com o RS, de Alvorada.

    Para não criar essa BAITA confusão – todo ano confundo o Campeonato Gaúcho com o Gaúcho de Passo Fundo e a Copa América com o América de Cáli -, ele correu atrás de patrocinadores. Logo, a Copa RS virou Copa LG/Colombo; no ano seguinte, Copa BIG/Brasil Telecom; em 2006, Copa FGF.

    A partir de 2007, resolveu-se homenagear ilustres falecidos: Paulo Rogério Amoretty (07), Lupi Martins (08), Arthur Dallegrave (09), Ênio Costamilan (10) e Laci Ughini (11). O que nos leva à uma situação um tanto macabra: quem morrerá esse ano para ser homenageado no segundo semestre?

    ***

    A cobertura por parte da mídia da Capital é patética. Desinformação completa. Nas fases finais, quando a TV Com começa a transmitir alguns jogos, dá vontade de se enforcar num pé de ACELGA aos ouvir os comentários dos BALUARTES da crônica esportiva bovina – eventualmente escrevendo textos quanto a pseudo-orgasmos fatais.

    ***

    Ah, sim, RS, de Alvorada, hoje é Pedrabranca. Talvez possamos ter de volta a Copa RS

  23. Alexandre diz:

    José Eduardo

    Aqui em MG o calendário tb é dividido assim:

    JAN – MAI – Mineiro Módulo I (onde 12 times jogam, 4 se classificam pra ver se Atlético ou Cruzeiro vão ser campeões).

    FEV – JUN – Mineiro Módulo 2 (Um campeonato interessantíssimo. Muito disputado, rivalidades regionais a flor da pele, temos jogos como Mamoré x URT – os 2 times de Patos de Minas, Uberlândia x Araxá, esse ano teremos Social x Ipatinga, o campeonato é muito bom mesmo!)

    E no segundo semestre, a “Segunda Divisão” que é a terceira e que esse ano teve jogos como Social x Valério, que deram mais público que jogos do América na 1ª divisão do CB e a ridícula Taça Minas Gerais.

    Cara, eu não sei por que cargas d’água não dá pra juntar o Módulo 2 com a “Segunda” e os times restantes do Módulo I e fazer um puta campeonato no 2º semestre. Com, transmissão da Alterosa domingo de manhã, da Rede Minas no sábado a tarde. Com ajuda da FMF. Os campeões vão pra Série D, pra Copa do Brasil, pra onde quiserem, mas não… após o final dos Módulos 1 e 2 os demais times também fecham as portas e só abrem no próximo janeiro. E acontece o que vc falou, os mesmos jogadores vão jogar a “Segunda” ou a pífia “Taça MG” (que sinceramente se for como foi em 2011, acho q ñ dura mais). A administração Schettino aqui é pífia, ridícula e está aos poucos matando o futebol mineiro. É por isso que quando o Tupi ganha heróicamente uma Série D, isso tem que ser extremamente valorizado. Por que os caras não tem ajuda nenhuma. Mas o que acontece? Eles vão a sede da FMF presentear o ilustre presidente com uma camisa do time…
    O que mais me enoja no futebol é isso, é a política. Quando foi publicado o sr. Schettino com uma camisa do Tupi após o título, contatos meus em Juiz de Fora ficaram indignados! Mas isso acontece pq eles sabem que se ñ tiverem essa política, podem ser destroçados num próximo campeonato. Um errinho de arbitragem aqui, outro ali…

    Mas a situação da mídia aqui, creio que é um pouquinho pior. Aí, Inter e Grêmio ainda disputam a copa do interior. Amigos meus estiveram em PoA e assistiram um jogo do Inter no Beira Rio, se ñ me engano contra o Cruzeiro, de graça. Aqui, Atlético e Cruzeiro nem sequer olham pro interior. Aí a pergunta: A FMF não poderia falar com os 2 gigantes: Ao invés de armarem parcerias ridículas (o Nacional de Nova Serrana q está na 1ª divisão do Mineiro 2012 é FILIAL do Cruzeiro, assim como o Ipatinga já foi, comissão técnica e jogadores são pagos pelo Cruzeiro, e o Democrata-SL que está na 3ª divisão é a mesma coisa do Atlético) coloquem seus “times B” pra jogarem a Taça MG.

    Estou certo que o que falta é só um pouquinho de boa vontade. Em todo lugar. Futebol não pode ser tão complicado quanto pintam…

  24. Gabriel ( gabriel_imortal) diz:

    O grande problema é que as federeções estaduais são “administradas” por pessoas que não gostam de futebol. Os lucros obtidos por essas entidades deveriam ser investidos em melhorias estruturais e na profissionalização do esporte, porém o que vemos são clubes falidos enquanto o alto escalão das federações anda RINDO Á TOA.
    Aqui no PR saiu o ONAIREVES MOURA do comando da FPF e entrou outro sujeito completamente desqualificado. Sequer temos um regulamento decente no estadual. Ainda por cima colocaram em prática o negócio mais lesivo aos clubes do interior , o tal do SUPERMANDO. Teve um ano em que o Paranavaí, se não me engano, jogou todas as 7 partidas da fase final do campeonato fora de casa, tendo que arcar com viagens, hospedagem e alimentação, sem direito a sequer um jogo sob seus dominíos. Enquanto CAP e COXA jogaram todas as partidas na capital. Enquanto não tivemos mudança severa no comando das federações, estaremos sujeitos a esse e a outros tipos de situações que vemos por aí.

  25. Marcelo Alves diz:

    Em resumo, independente do estado que tenha seus grandes na primeira divisao nacional, o rolo e o mesmo…ou seja, ESTAO QUERENDO MATAR O FUTEBOL DO INTERIOR !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *