Taça Farroupilha – Grêmio 5×0 Novo Hamburgo (Estádio Olímpico)

Destruindo um semestre em 90 minutos

Times do Interior sofrerem goleadas da Dupla Gre-Nal é algo normal ao longo da história do futebol gaúcho. Seja pela discrepância financeira, técnica ou física, sobretudo em confrontos em Porto Alegre, os maiores clubes do Estado acabavam atropelando os menores. Contudo, desde que se iniciou a re-estruturação do futebol brasileiro em 2003, essas goleadas tem se tornado raras. Triunfos dos pequenos passaram a ocorrer com mais frequência, embora ainda não sejam tendência.

Até André Lima marcou. Seria a primeira humilhação da tarde. Foto: Edu Andrade/GFBPA

A derrota do Noia para o Grêmio ontem, portanto, não foi a primeira de sua história, mas uma das mais vergonhosas de sua história centenária, iniciada por funcionários da fábrica de calçados Adams, ainda quando a cidade de Novo Hamburgo pertencia a São Leopoldo. Como disse o jornalista, e torcedor da Portuguesa, Flávio Gomes, ‘Torcedor aceita tudo: perna-de-pau, jogador grosso, erros, frangos, gols perdidos. Mas jogador que não corre, não‘. Alguns ditos jogadores de futebol do Anilado sequer deveriam pegar o ônibus de volta para o Estádio de Vale. Que fossem para a Rodoviária de Porto Alegre ou ao Aeroporto Salgado Filho e SUMISSEM do Rio Grande do Sul.

A lentidão do primeiro tempo poderia ser creditada ao forte calor incidente e ao excesso de cautela do time visitante. Ora, ao contrário do que pensam os neófitos catastrofistas crentes do ‘Aquecimento Global Antropogênico’, há décadas, quiçá séculos, faz um calorão bagual nas tardes de Verão de Porto Alegre e Novo Hamburgo. Portanto, todos os BUGRES sabiam, de sobressalto, o que enfrentariam. E fisiologistas, preparadores físicos, nutricionistas e PAPAGAIOS DE PIRATAS sabem como se proteger do calor. Usa-se absorvente, toma-se 5 litros de água, veste-se camisa branca. Qualquer coisa. Não é desculpa.

O excesso de cautela é outra explicação furada. Os melhores jogos de time pequenos contra grandes foram respeitando, sim, a Dupla Gre-Nal, mas não se CAGANDO. Mostraram ambição em fazer um CRIMEZINHO, não ficaram feito codornas bêbadas em seu campo de defesa esperando algum milagre. O Noia entrou em campo sem alternativa alguma para atacar o Grêmio. Conseguiu a proeza de ser o segundo time a não fazer um mísero gol na zaga tricolor em 2012.

É inadmissível que Pedro Silva seja titular do Noia. Um atleta profissional – repetirei: PROFISSIONAL – não pode passar o campeonato inteiro GORDO. Não é estar ‘fora de forma’ ou ‘ligeiramente sobrepeso’. É estar GORDO. PESADO. PATÉTICO. Embolsa cerca de 30 mil dilmas mensais para fazer o trabalho de um cone na lateral-direita do campo. Discute com treinador, colegas de time, torcedores, arbitragem. Por ter PASSADO por grandes times do futebol brasileiro, acha que está num patamar acima dos demais. Escala-se no ‘carteiraço’, enquanto que Chicão, Márcio Hahn ou mesmo o jovem Iury seriam mais efetivos.

Mendes é outro que se escala apenas no nome e nos vencimentos. Ainda que tenha feitos gols importantes no mata-mata, pouco agregou ao time nos demais jogos. Chegou ao Anilado graças à escassez de homens de frente no elenco. Marcelo Soares vinha de um semestre fraco, Paulinho Macaíba fora artilheiro da Copinha mas o nível está abaixo do Gauchão e JUBA não era cotado para sequer esquentar o banco. No entanto, com muita dedicação, Juba é o artilheiro do campeonato, enquanto que o rico camisa 9 se movimenta com a agilidade de uma preguiça gigante anciã.

O segundo tempo foi simplesmente patético. Nos bastidores fala-se que o grupo rachou de vez no intervalo. E ao ver alguns jogadores CAMINHANDO no gramado do Olímpico, essa suspeita aumenta. O goleiro e capitão Eduardo Martini parecia ter desistido das jogadas, Chicão teve uma atuação lamentável, Pedrinho entrou mais perdido que mulher de bigode em curso de Nutrição, André Paulino não viu a cor da bola. Além dos SACRIPANTAS acima citados.

Jogadores como Juba, Luis Henrique e Márcio Hahn não mereciam ver seu time do coração – não um amor de nascença, mas um amor que se construiu junto com suas carreiras – padecer da forma que padeceu ontem. Pusilânime. Patético. Vergonhoso. Vexatório. Ridículo. Um adjetivo para cada gol sofrido. Uma derrota acachapante que enterra as pretensões do clube anilado em conseguir a vaga à Série D e até sonhar com o inédito título gaudério.

Algumas perguntas ficam:

– Quem é o dono do vestiário? Ou quem são os donos?

– Onde estão os jovens Iury, Dimas e Diego Testa, que teriam oportunidades no time titular segundo o presidente Carlos Duarte?

– Cadê o padrão de jogo da Taça Piratini?

– Por que não escalar jogadores de movimentação contra uma zaga lenta (Gilberto Silva e Werley)?

– Cadê o resultado de uma semana de trabalho, senhor Itamar Schülle?

– Por que ainda insistir em medalhões somente interessados em embolsas salários altos e discutir premiações?

– Sonhar com título do Gauchão e terminar disputando a Copinha: até quando?

GAUCHÃO 2012
Taça Farroupilha – Chave 2
Grêmio: Victor; Gabriel (Pará), Gilberto Silva, Werley e Julio Cesar; Fernando, Souza (Marquinhos), Léo Gago e Marco Antônio; Kleber e André Lima (Bertoglio). Téc.: Vanderlei Luxemburgo
Novo Hamburgo: Eduardo Martini; Pedro Silva (Paulinho Macaíba), Alexandre, André Paulino e Luis Henrique (Pedrinho); Zaquel, Márcio Hahn (Dimitri), Chicão e Clayton; Juba e Mendes. Téc.: Itamar Schülle
Gols: Grêmio: André Lima (6min/1ºT), Kleber (8min/2ºT), Souza (23min/2ºT), Fernando (38min/2ºT) e Bertoglio (42min/2ºT)

Querendo dar surra de relho em quase todos jogadores,
Zezinho

Publicado em Gauchão 2012, Novo Hamburgo com as tags , , , . ligação permanente.

7 Respostas a Taça Farroupilha – Grêmio 5×0 Novo Hamburgo (Estádio Olímpico)

  1. Achei que este ano o Noia ia MUDAR DE VEZ, mas continuou sendo o mesmo time de COSTELÕES passados, grandes pretenções, mas não chega a lugar algum.

    E que o Pedro Silva tenha PROBLEMAS CARDÍACOS por causa da quantidade de GORDURA que ele possui. No jogo contra o Cruzeiro esse BICHO ficou discutindo com a torcida pq tavam vaiando (tavam vaiando um cara do Cruzeiro, não ele, burro demais)

  2. daroit diz:

    Contratar estrelinhas semi-aposentada sempre dá nisso, infelizmente. Pedro Silva brigou com o SANTOS e com o CORINTHIANS uns quatro anos mais novo, imagina agora se achando o dono da bagaça. É foda.

  3. Denis diz:

    Presenciei ao vivo e a cores esse vexame… O primeiro tempo se resumiu a duas finalizações, e o segundo tempo foi jogo de um time só… Apenas 2 ou 3 correndo pelo time não dá certo.
    Ou engrena novamente aquele futebol do primeiro turno contra o Pelotas, ou teremos que torcer para Veranópolis, São José e os demais que nos ultrapassarão desistam da vaga pra série D…

  4. will diz:

    Eu via mas não acreditava no que estava vendo…a única coisa que senti naquele jogo foi VERGONHA…nunca saí do jogo antes do fim, mas ontem foi a 1ª vez….Saí depois do quarto gol. Alguns segundos depois, já fora do estádio… o 5º… VERGONHA TOTAL….

  5. Denis diz:

    Jogadores não correm em campo, não mostram “pegada”, e tudo se resolve demitindo o técnico…

  6. Marcelo Alves diz:

    Tche, foi escancarado que o grupo entregou o jogo…ta loko, estes alguns jogadores MANCHARAM a HISTORIA CENTENARIA DESTE CLUBE…lamentavel…

  7. Pingback: Qual o mérito da entrega? | Toda Cancha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *