FGF e as mudanças nos estaduais amadores

Há algumas semanas, entrou na pauta do Toda Cancha – acredite, temos uma pauta – a cobertura das competições estaduais das categorias amadoras, sobretudo Copas FGF Sub-19 e Sub-17 e Gauchão Junior e Gauchão Juvenil. Talvez não com o mesmo afinco das competições profissionais, mas com atualização de resultados dos jogos e tabelas de classificações. Afinal, o site da FGF em nada colabora para acompanharmos a gurizada gaudéria pelos pagos afora.

Sendo assim, eu (Zezinho) passei a FUTRICAR atrás de notícias quanto a esses campeonatos, tal como comparações com prélios de anos anteriores, visto que propus a ideia e me prontifiquei em cobrir as ditacujas. No site da FGF me deparei com dois informes convocando arbitrais para definições do Gauchão Junior e Copa FGF Sub-17. No Rio Grande acontece o seguinte: o Estadual Junior é no primeiro semestre e a Copa FGF Sub-19 no segundo – tal como no Gauchão Profissional; no caso do Estadual Juvenil e na Copa FGF Sub-17, invertem-se os semestres.

Ao ler os informes, vi que os mesmos traziam novidades. Entretanto, com uma certa confusão no ar. Tanto no informe da Copa FGF Sub-17 quanto no Gauchão Junior, falava-se em regulamentos iguais aos utilizados nos profissionais: 16 equipes, 2 grupos, 2 turnos. Não ficava claro, contudo, quais seriam essas equipes, quais os critérios adotados e se haveria calendário para todos. No último domingo, os amigos do Peleia FC divulgaram os resultados desse ‘calhamaço’ de informes, tal como uma sugestiva entrevista com o Presidente da FGF, Francisco Noveletto Neto.

Anteriormente regionalizados, como sonhamos que volte a ocorrer nos profissionais, os Estaduais de Juniores e de Juvenis também serão divididos em níveis. Não se sabe ainda se com três divisões segmentadas, três divisões camufladas em duas ou apenas duas divisões, com uma elite e um catadão abaixo. E as equipes amadoras corresponderão às equipes do certame profissional. Confuso? Bueno, dividiremos a mortadela para melhor explicá-la.

Juvenis

A Copa FGF Sub-17 terá pouco efeito prático, além, é claro, do título. A competição que se iniciará dia 31/03 terá 36 clubes de todos os rincões do Estado, divididos em 7 grupos. A função da competição será classificar, por índice técnico, equipes substitutas para clubes que não queiram disputar o Estadual Juvenil. Pela proposta da FGF, o Estadual Juvenil será disputado pelas 16 equipes que disputam o Gauchão Profissional. Daí, caso algum clube não envie time para o certame juvenil, os melhores colocados pela Copa FGF Sub-17 o substituirão.

Dos 16 clubes na Primeira Divisão do Profissional, apenas 9 disputarão a Copa FGF Sub-17. Se a tendência se repetir para o Estadual, essa competição classificará 7 equipes para o Gauchão Juvenil. As dúvidas que ficas são: o que acontecerá com os demais clubes que não tem quadros profissionais? Eles serão rearranjados numa Segundona ou Terceirona do Estadual Juvenil? E a partir do ano que vem os clubes disputarão apenas uma competição estadual por ano em sua categoria? Haverá um Gauchão Juvenil com níveis segmentados e uma Copa Sub-17 que reúna todos sem distinção?

Abaixo estão as 36 equipes que disputarão o título da Copa FGF Sub-17 e quem ficará na espreita por uma vaga no Estadual da categoria:

Grupo A: Internacional, São José/PA, Sapucaiense, GEPOL (Osório), Osoriense e Cruzeiro/PA
Grupo B: Grêmio, Santa Cruz, Aimoré, Academia do Morro/PA e Tamoio (Viamão)
Grupo C: Juventude, Novo Hamburgo, Americano/NH, 15 de Novembro/CB e Parobé
Grupo D: Caxias, Garibaldi, Gramadense, Brasil/FA e Encantado
Grupo E: Guarany/BG, Pelotas, Rio Grande, Fragata/PE e Progresso/PE
Grupo F: Flamengo (Alegrete), Rosário,Novo Horizonte/SM, Internacional/SM e Cruzeiro (Santiago)
Grupo G: Passo Fundo, Três Passos, Guarany (Espumoso), PAARC Sport/SA e São Borja

Juniores

O Estadual da categoria começará nesse sábado, dia 17, e contará com 26 equipes divididas em 5 chaves (razoavelmente) regionalizadas. Assim como no caso acima, o Gauchão Junior de 2012 pretende classificar por índice técnico eventuais equipes substitutas para o Gauchão Junior de 2013, que terá a mesma estrutura dos Profissionais – ao menos, em sua elite. Das 16 equipes que disputam o certame profissional, 10 disputarão o Estadual Junior. Logo, 6 vagas, a priore, seriam disputadas por quem não está na elite.

No regulamento não há menções à Copa FGF Sub-19, disputada no 2º semestre. Assim, não se sabe se os demais clubes disputarão algum certame estadual ao longo do ano. A Dupla Gre-Nal disputa a Taça BH e o Brasileirão Sub-20; Lajeadense e a Dupla Ca-Ju fazem aparições eventuais em torneios nacionais. Mas e os demais clubes? Ficarão ao deus dará? E quais são os critérios para clubes gaúchos disputarem a Copa São Paulo de Juniores?

As 26 equipes abaixo disputarão o Gauchão Junior:

Grupo A: Guaíba, Novo Hamburgo, Cruzeiro/PA, Gepol e Internacional
Grupo B: Grêmio, São José/PA, Cerâmica, Osoriense e Aimoré
Grupo C: Juventude, Nova Petrópolis, Igrejinha, Sapiranga e Americano/NH
Grupo D: Caxias, Lajeadense e Guarani/VA, Garibaldi, Brasil-PE e Pelotas
Grupo E: União Frederiquense, Passo Fundo, São Borja, Santo Ângelo e Bagé

Juventude Vice-campeão Gaúcho de Juniores de 1997, com Geufer, Luiz Oscar, Diego, Michel e Luciano Marreta comandados por Mano Menezes: time alvi-verde tem tradição na base gaúcha. Foto: Luiz Oscar/Arquivo Pessoal

A quem interessa mudar?

Um dos argumentos utilizados por Noveletto é o interesse em transmissões televisivas. De acordo com o presidente da entidade, os Estaduais amadores com regulamentos semelhantes ao do Estadual Profissional seriam atrativos para cobertura da mídia, além de permitir garimpar mais facilmente os guris lapidados nas bases Rio Grande afora.

Por outro lado, isso aniquila a probabilidade de um clube que só mantenha categorias amadoras de revelar jogadores para clubes maiores ou ambicionar um título. À medida que as categorias se aproximam dos profissionais, menos clubes mantem departamentos abertos devido aos custos de registro de atletas – a partir dos 16 anos os guris podem assinar um contrato profissional, o que é inviável para clubes pequenos.

Além disso, no Infantil duas ligas organizam Gauchões: a própria FGF e a Suligafi. Se a FGF se importa em padronizar os Estaduais de Juvenis e Juniores, por que não unificar o Estadual Infantil? Pela lógica da entidade, isso é o que deveria ser feito.

Assim como faz nos Profissionais, a FGF parece querer elitizar os Estaduais amadores ao invés de organizá-los, matando por inanição os representantes dos grotões espalhados pelo estado.

Clayton, do Novo Hamburgo, relevado no Gauchão de Juniores de 2011: joias como ele, mas de times pequenos, podem se perder pelo Rio Grande por falta de visibilidade. Foto: Bruno Colombo/ECNH

Ranking

O site Olheiros organiza um ranking das categorias de base dos clubes brasileiros baseado nos resultados dos mesmos nos últimos três anos – os critérios estão muito bem explicados no próprio site. Ao final de 2011, dos 130 clubes brasileiros classificados, 7 eram gaúchos: Internacional (1º), Grêmio (12º), Juventude (20º), Caxias (31º), Igrejinha (54º), Cerâmica (75º) e Garibaldi (92º). Pela atual proposta da FGF, Igrejinha e Garibaldi podem desaparecer do ranking, vítimas da elitização do futebol amador no Rio Grande do Sul.

Com informações do Peleia FC, Olheiros, Final Sports e FGF, e de olho na fumaceira,
Zezinho

Publicado em FGF com as tags , , , , , , . ligação permanente.

5 Respostas a FGF e as mudanças nos estaduais amadores

  1. Boa, Noveletto! Só que ao contrário.

    Em vez de exigir que os clubes que participam da primeira divisão mantenham suas atividades durante todo ano e mantenham categorias de base, estimula cada vez mais os empresários, que são um mal necessário para o futebol, mas não se pode entregar tudo de mão beijada pra eles como está acontecendo.

    Vai, te manda pra CBF e deixa de foder com o interior, cramenha!

  2. Chico Luz diz:

    é simplesmente bizarra essa mudança. Não faz NENHUM SENTIDO, não tem NENHUMA proposta de melhorar o nível ou o desenvolvimento.

    E o televisionamento é uma FALÁCIA, já que apenas as finais são rotineiramente transmitidas.

    Aí o Americano, que sempre joga os Estaduais, corre o risco de fechar as portas por simples CAPRICHO. Não dá.

  3. beretta diz:

    Cara, eu fico tentando entender o que se passa na mente de um cara como o Noveletto e o que passa na cabeça dos clubes que apoiam ele. É muita falta de respeito junta, ta louco.

  4. prsancho diz:

    Eu já nem falo mais. É um Midas ao revés: tudo o que toca vira m&rd@…

    Os campeonatos da categoria principal são lixo; a cada ano, temos menos clubes profissionais e menor representatividade nacional; mas para a Federação está tudo bem.

    O Noveletto quer acabar com o futebol no Estado. Só pode! Nesse caso, só tenho que lhe reconhecer a competência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *