Gauchão série A2 – 14 de Julho 3 x 2 Brasil-Pel (Estádio João Martins)

Não tenho uma definição perfeita para o que aconteceu, porém posso resumir da seguinte forma: Brasil sofre o gol, no segundo tempo vira (um milagre!), mas consegue sofrer o empate e o gol da virada – agora do 14. Uma derrota ruim de aceitar. Apesar da atuação que não agradou a ninguém, o Xavante havia conseguido fazer os dois gols perto do fim da partida. Foram 3 pontos perdidos que poderão – espero que não – fazer muita falta.

O 14 marcou o primeiro gol perto dos 20 minutos do primeiro tempo. A atuação Xavante não era das melhores e o gol adversário veio para abater o já abatido time de Pelotas. Apesar disso, o Brasil teve forças para chegar ao empate, este anulado pela arbitragem por impedimento. Na segunda etapa, o treinador Luizinho Vieira colocou Javier, do sub-20, e deu certo. O guri mudou o jogo e o time chegou ao empate com Alex Goiano e à virada com Galego. Torcida comemorava no radinho, na arquibancada… quando o 14 empatou.

Vai à pulga que partiu, de boa. A vitória não durou nem dois minutos, quiçá um minuto! COMO ISSO OCORRE? Numa segundona, baralho! Fez o gol? Agora começa o processo “terminou a partida, seu juíz”. Dá BICO na bola, tira ela do estádio. Faz cera, substituição, chama o adversário para a falta, mas não toma o gol de empate! “Pelo amor dos meus filhinhos”, Silvio Luiz diria.

O gol de empate do 14 saiu da cabeça do “GIGANTE” Luis Paulo. Perto do fim do jogo, outra decepção: sofrer o gol aos 46′. Mais uma lição que o Brasil, clube centenário, ainda não aprendeu. Se havíamos perdido a chance de vencer e já estávamos irritados, perder esse pontinho fora de casa foi de desligar o radinho e jogá-lo longe. Enfim, futebol é futebol e devemos aceitar a competência do adversário e a nossa “falta” de CANCHA para jogar partidas da segundona – nós temos muita cancha nessa competição, infelizmente, mas parece que não. Nem disso tiramos vantagem!

Fim de jogo em Livramento: 14 de Julho 3, Brasil 2.

Com o resultado, o Xavante caiu para a terceira posição da chave 1. O próximo compromisso será contra o São Paulo-RG, no estádio Bento Freitas, na próxima segunda-feira (2), às 20h30min. Será um jogo pegado e difícil, ingredientes indispensáveis a um clássico da zona sul.

FICHA:

14 de Julho: Yai; Gamela (Chip), Léo Korte, Léo Paulista e Juliano; Alexandre, Vando, Eduardo e Daniel (Luis); Enzo (Michel) e Luis Paulo. Técnico: Julio Fuentes.

Brasil: Fabiano; Wender, Uillian Nicoletti, Tiago Saletti e Galego; Rodrigo Dias, Dione (Guilherme Placca), Leandro Ezquerra (Javier) e Alex Goiano (Marquinhos); Willian Koslowsky e Jabá. Técnico: Luizinho Vieira.

Gols: 14 de Julho – Daniel (20′ do primeiro tempo ), Luis Paulo e Michel (32′ e 46′ do segundo tempo, respectivamente); Brasil – Alex Goiano e Galego (27′ e 31′ da segunda etapa, respectivamente).

Cartões Amarelos: Gamela e Leo Paulista (14 de Julho); Javier e Wender (Brasil).

Cartões Vermelhos: Léo Korte (14 de Julho); Willian Kozlowsky (Brasil).

Arbitragem: Peterson Luiz Regert, auxiliado por Luiz Euclides Castiglione e Ilson Marcus Soares.

“Um Xavante com receio do futuro na segundona“,

Pedro Henrique Costa Krüger

Publicado em 14 de Julho, Brasil de Pelotas, Divisão de Acesso 2012. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *