Nem todos ressuscitam na Páscoa (ou A briga contra o rebaixamento)

Decorridas 14 prévias rodadas do nosso querido GAUCHÃO 2012, chegamos aos instantes derradeiros. Na rabeira da tabela, não há tempo para mais nada. Chega o momento em que torcedores Rio Grande afora – caneta, papel e calculadora na mão – emulam Tristão Garcia e perdem-se na viagem dos números, tentando prever um futuro saudável para seus respectivos clubes. Pois o Toda Cancha poupa você, amigo torcedor, de tamanha amargura. Uma vez envolvidos emocionalmente, tomamos aos dores, respiramos fundo e fizemos o trabalho sujo. Abaixo, traçamos as chances de Canoas, Ypiranga e Avenida para este domingo de Páscoa, quando apenas um permanecerá na primeira divisão. Outros dois viverão as glórias e aflições da não menos querida SEGUNDONA.

Canoas e Ypiranga, no BREU. Foto: Rodrigo Maitan.

Avenida:

O time ousadoyalegre do eternamente FACEIRO Gilmar Iser, recém-retornado à elite gaúcha, fez um Gauchão, digamos, muito ruim. Mesmo assim, chega à última rodada quase salvo, graças a vitórias contra os reservas do Inter e os reservas do Caxias, em dois jogos que desequilibraram tecnicamente a luta contra o rebaixamento. Fora esses jogos, o Periquito somou apenas uma vitória, empatando inclusive contra os seus dois adversários diretos contra o rebaixamento. Mais ou menos o que também acontece com o Cerâmica, esse sim já salvo, que também entraria com chances de rebaixamento caso não tivesse enfrentado o time sub-11 do Inter no Beira-Rio. Porém, nada no regulamento proíbe essas aberrações nas escalações, e nem deveria proibir, mesmo.

Como escapa? Vitória simples sobre o Veranópolis. Se empatar ou perder, torce para que Ypiranga e Canoas não ganhem seus jogos. E depois deve torcer para que o Canoas, já classificado, e talvez também o Canário erechinense, caso vença o Lajeadense, não sejam campeões gaúchos, o que lhes salvaria da degola e empurraria o Periquito de volta à Segundona. Na prática, dificilmente cairá.

Ypiranga:

Desde 2009 na primeira divisão, o time de Erechim colecionou uma série de boas campanhas nos últimos três anos. Quis o destino, ou a mera racionalidade das coisas, que o primeiro campeonato após o fim da parceria YPIRANGA-BARÃO (colégio particular de Erechim, então presidido pelo falecido porém eterno Valério Schillo) culminasse com a derrocada canarinho na elite do futebol gaúcho.

A trajetória pode ser dividida em dois momentos muito distintos: antes e pós Leocir Dall´Astra. No primeiro turno, o time foi comandado pelo esquizofrênico Karmino Colombini e pelo enérgico Joel Costa. Foram três empates, cinco derrotas e NENHUMA vitória.

Para a Taça Farroupilha, Leocir chegou credenciado como melhor técnico do último Gauchão. O Ypiranga melhorou e somou duas vitórias, dois empates e duas derrotas. Mas o homem da casamata não é nenhum milagreiro. O grupo, com no máximo uma ou outra exceção -Anderson Santos e Vizzoto, por exemplo – , é muito fraco. Se escapar da segunda divisão, o técnico ganha automaticamente um lugar nas paredes do corredor que leva às cadeiras do Colosso da Lagoa, espaço reservado para placas comemorativas.

Como escapa? Vitória sobre o Lajeadense, somada a, no máximo, um empate do Avenida. Caso obtenha classificação para as quartas com um empate, precisa ser campeão do turno para manter-se na primeira divisão – hipótese absurda.

Canoas:

O time que sequer sabemos como nomear merece cair. Foi o pior da Taça Piratini. Conquistou apenas 1 ponto, em 24 disputados. Sua média de público é tão ridícula quanto sua participação no campeonato. Mas, no segundo turno, com vitórias sobre São Luiz – maior ressuscitador – e Santa Cruz, garantiu classificação para a próxima fase e se aproximou dos adversários na luta contra o rebaixamento.

Apesar disso, dificilmente terá êxito – amém! -, já que precisa de dois resultados paralelos.

Como escapa? Já está classificado para as quartas. Pode ser campeão da Taça Farroupilha e não ser rebaixado, mesmo com a pior campanha. Mas, para escapar dessa necessidade, tem que vencer o São José e torcer por tropeços de Ypiranga e Avenida.

Os jogos (todos às 16h do Domingo de Páscoa):

–  Lajeadense x Ypiranga (Estádio Alviazul)

– Avenida x Veranópolis (Estádio dos Eucaliptos)

– Canoas x São José (Complexo Esportivo da Ulbra)

Luiz Eduardo Kochhann, com colaboração de Guilherme Daroit

Publicado em Gauchão 2012, Ypiranga. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *