Gauchão Série A2 – Passo Fundo 2×1 Panambi (Estádio Vermelhão da Serra)

O duelo da região noroeste entre equipes que almejam ascender à segunda fase da Divisão de Acesso movimentou o Vermelhão da Serra às 20h. O Galo da Serra recebeu a SER Panambi, ambos vindos de resultados negativos – o Passo Fundo perdeu para o Esportivo em Bento Gonçalves (2×1) e a verde-e-branca perdeu em Panambi para o União Frederiquense (1×3). As duas esquadras necessitavam vencer para continuar sonhando com a classificação e afastar quase que definitivamente o risco de rebaixamento. O Passo Fundo soube aproveitar as oportunidades e venceu a equipe do Vale das Borboletas por 2 a 1.

No início do jogo o Passo Fundo avançou sua esquadra ofensiva, encabeçada pelo Túlio Maravilha dos Pampas, Sandro Sotilli (se tem mil gols eu não sei, mas mil jogos com certeza), contra a defesa da SER Panambi. Com bons ataques armados pelos meias Gil e Miranda, caindo respectivamente pelo lado esquerdo e direito de ataque, o Passo Fundo comprovou a deficiência de marcação pelos flancos da equipe do Vale da Borboletas. E aos sete minutos a equipe passo-fundense comprovou outra deficiência da verde-e-branca: a defesa na bola aérea. Gil, camisa 7, recebeu a bola alçada pelo lado esquerdo e finalizou bem para abrir o placar: 1 a 0 para o Galo da Serra.

A SER Panambi inicialmente parece sentir o gol, mas o meia Zé Anderson, que no ano passado defendeu o tricolor passo-fundense, começa a criar boas jogadas pelo lado esquerdo de ataque da verde-e-branca. Aos 15 minutos, após excelente jogada de Zé Anderson, na qual aplicou uma caneta no zagueiro adversário, a SER consegue um escanteio. Em um lance incrível, Adão finaliza a bola alçada, obrigando o goleiro a uma grande defesa. No rebote, João Carlos chuta forte, porém a bola bate duas vezes na trave e sai pela linha de lado.

Com o jogo equilibrado, o treinador Bebeto (que não é AQUELE Bebeto, infelizmente, mas é AQUELE Bebeto Rosa) resolve adiantar o meia Cristiano da SER Panambi, estreante vindo do Santa Cruz. E deu resultado. Aos 43 minutos, após um momento de pressão do Passo Fundo, com boas intervenções do goleiro Daniel, Cristiano, camisa 10, arrisca um chute ruim: pelo lado direito, de perna esquerda, de muito longe, sem muita força… Entretanto, como Leo Gago bem sabe, na falta de criatividade é bom arriscar. E até mesmo o pior chute vira gol se for confrontado com a pior defesa. Devaneios a parte, a SER chegou ao gol de empate com um chute de longe e contando com a falha do goleiro Souza, que jogava bem até então.

No primeiro tempo, em suma, viu-se um jogo equilibrado, no qual os principais astros de ambas equipes, Sotilli e Adão, não atuaram bem. O Galo da Serra tentou atuar mais pelos lados, apostando na defesa frágil da SER, a segunda pior de sua chave, porém com a pouca eficiência de Sotilli poucas conclusões foram efetivadas (o seu companheiro de ataque, Guto, jogou um pouco melhor). A SER Panambi buscou afunilar o jogo, contanto com a habilidade e Zé Anderson e com a boa distribuição de jogo de Cristiano. Adão até tentou ser participativo, contudo, não é um atleta que consegue jogar bem fora da área, sendo que também não teve boa performance.

No segundo tempo, Rafinha entrou na Ser Panambi para mudar um pouco a articulação na volância da verde-e-branca. Ambas equipes começam bem, pressionando. No entanto, a primeira grande oportunidade foi de Jonatã, lateral do time do Vale das Borboletas, que chutou forte de longe, obrigando ao goleiro Souza a fazer uma grande defesa. O Galo da Serra até tentou reagir, porém Sotilli não conseguia fazer mais do que uma simulação de pênalti.

A SER atacava com perigo. Aos 22 minutos, Alisson faz boa jogada e Zé Anderson, grande destaque da partida até então, mandou a bola na trave. Para alterar o paradigma do jogo, o treinador Ricardo Antolini colocou o meia Gil Michel no lugar do lateral Diego. A mudança deu certo, o Passo Fundo passou a  atacar, e em uma bola cruzada o goleiro Daniel da verde-e-branca falhou (ele já havia falhado contra o União Frederiquense no final de semana), sobrando para o artilheiro Sandro Sotilli apenas colocar para dentro, redimindo-se de sua péssima atuação, marcando 2 a 1 no placar.

Com o gol, a SER passou a sofrer com erros de passes e a falta de preparo físico. O treinador Bebeto tirou Jonatã, que fazia boa partida, e colocou o meia Renato, que é bom jogador, mas não teve tempo de mostrar seu futebol. O pior foi a mudança posterior realizada pelo treinador: a saída de Zé Anderson para a entrada de Jean, homem de área mas sem grande movimentação, que em seu primeiro toque na bola perdeu um gol à Deivid. O restante do jogo foi administração pelo Passo Fundo, que segurou a bola até o apito final.

O jogo provou que a SER Panambi possui carências múltiplas em sua zaga. A dupla de defesa não compensa a baixa estatura com impulsão ou posicionamento; ambos não possuem bom tempo de bola, e João Carlos abusa no número de erros individuais, sem falar que o goleiro Daniel não transmite segurança. Se o ataque sofre com a ineficiência de seu centro-avante, que até estreou bem, mas parou de jogar, vale ressaltar que poucas equipes da segundona possuem meias de qualidade como Zé Anderson, Cristiano e Renato, que inexplicavelmente ficou na reserva. Acredito que Bebeto deve rever o posicionamento de seus jogadores, em especial no referente às laterais, que além de pouco ofensivas não cobrem com eficiência as subidas adversárias. Quanto aos erros de defesa, não há muito que o treinador possa fazer, já que a qualidade dos jogadores de zaga é muito baixa.

Já o Passo Fundo mostrou que é uma equipe organizada, no entanto com poucos talentos individuais. Vale ressaltar o equilíbrio da equipe, mas não deve ir muito além com este elenco. Sotilli não jogou bem, mas deixou o seu gol. O grande destaque da equipe é o jogo coletivo, identificando as fraquezas do adversário, no caso jogando pelo lado esquerdo de ataque, o mais vulnerável da SER Panambi. O Vermelhão da Serra continua a ser um reduto quase inviolável: o Passo Fundo ainda não perdeu em seu estádio neste ano pela segundona. Creio que a equipe se classifica, mas deve parar na segunda fase.

De Panambi para o mundo,
Vinicius Fontana

Publicado em Divisão de Acesso 2012, Passo Fundo, Ser Panambi. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *