Gauchão Série A2 – SER Panambi 3 x 2 Glória de Vacaria (Estádio João Marimon Júnior)

Cheguei no intervalo da partida após uma prova, liguei o rádio e ouvi as estrondosas entrevistas. Alguns trechos preciosos:

Dr. Itacir, presidente da SER Panambi: “Se aparecerem os pneus do carro dele cortado, já sabem o porquê. […] Precisa de qualidade para apitar”

Dr. Aires, médico da SER Panambi: “Os cara vem lá de Porto Alegre e rouba todo mundo aqui. É uma vergonha!”

Roberto Handte, fisioterapeuta da SER Panambi, expulso da partida: “A federação paga uma grana para os árbitros virem e fazer um fiasco desses”

Bem, este início de semana foi complicado para a SER Panambi. As críticas à equipe aumentaram, tanto que Renato, antes dispensado, foi reintegrado, uma atitude sensata da direção, visto que este atleta fez muita falta na última partida. O Glória, em boa fase e mordido após o último confronto com a verde-e-branca, no qual vencia por 4 a 1 e levou 4 gols em 20 minutos, perdendo por 5 a 4 em uma das partidas mais emocionantes já peleadas nos campos de cima da serra, veio com vontade de vingar-se.

Mas não foi desta vez! Em jogo de superação, a SER Panambi fez o que neste gauchão faz de melhor: viradas históricas sobre o Glória de Vacaria, até então segundo colocado na chave. Peguei o que havia deixado gravado no PC e fiz alguns apontamentos sobre o jogo.

Crônica da partida

A equipe da SER Panambi entrou sem Adão e com Dario, jogador de maior movimentação, que cai muito pelo lado direito, porém sem a presença de área do ex-Grêmio (isso não são méritos e deméritos, apenas constatações). Outra alteração foi a incursão de Renato na meia e Zé Anderson ao lado do centro-avante, correndo pela esquerda. Entretanto, a SER entrou em marcha lenta. O Glória fez seus gols aos 3 e 7 minutos do primeiro tempo. O primeiro gol surgiu com uma cabeçada forte do zagueiro Gil, do Glória. O segundo foi quase igual, Márcio de cabeça.

Parece que os gols sacudiram a SER Panambi, e a equipe passou a jogar bem. Renato avançava com qualidade, criando as melhores oportunidades do jogo, sendo que Du apoiava muito pelo lado direito. A marcação do Glória não conseguia conter nem Renato e nem Zé Anderson que, mais adiantado, apostava na jogada individual para adentrar a área e encontrar Dario, de eficiente movimentação e finalização, tanto pelo alto quanto por baixo. Jonatã ficava recuado a fim de conter algum possível contra-ataque, enquanto Du avançava pela direita e articulava a ligação defesa-ataque, juntamente com o volante Cleberson, atuando mais centralizado.

Após muitas chances, a SER Panambi empata depois de boa jogada de André Tereza – que articulava entre os meias e os volantes – passando para Renato que cruzou para Du finalizar e fazer o seu primeiro gol com a camisa alviverde aos 21 minutos. O restante do primeiro tempo resume-se em ataques constantes da SER Panambi, com ótima troca de passes, e em contenções da defesa trombadora do Glória (e muitas vezes violenta).

O início das polêmicas com a arbitragem ocorreu após lance violento entre Leandro Gaúcho e Ronieli, no qual o jogador da SER sofreu falta não marcada (a única coisa marcada foram as costas do volante da verde-e-branca pelas travas da chuteira adversária). O médico panambiense, Roberto Handte, reclamou rispidamente e foi expulso. No intervalo, os dirigentes criticaram a falta de critério do árbitro, principalmente na aplicação de cartões.

As polêmicas relativas à arbitragem deram novo ânimo a equipe da casa. Os primeiros 25 minutos foram de tentativas de ataque constantes da SER, como sempre com Zé Anderson, assessorado por Renato. Sobrou movimentação, mas faltou finalização. O Glória mostrou pequenas deficiências na zaga, tanto de marcação quanto técnicas. Contudo, a verde-e-branca não conseguiu impor-se tecnicamente e aproveitar estas brechas. Aos 23 minutos Renato consegue incursão na área e cria boa chance. Um minuto depois, Cristiano perde o tempo da bola e desperdiça ótimo lance de Du, em situação de ampla superioridade da SER sobre o time da Vacaria.

Porém, em um momento que a SER Panambi estava melhor, Bebeto Rosa ameaçou sacar Dario, que fazia excelente atuação, muito superior a de Adão nas três partidas anteriores. O que se ouviu foi um estrondoso ‘uuuuuuuuuuuuuu’ das arquibancadas. Intimado pela torcida, o treinador recuou e resolveu manter o atacante. Este episódio comprova que a situação de Bebeto é delicada: ele não possui a confiança necessária para impor sua ideia de jogo. Outra troca feita sob pressão: Jean no lugar de Leandro Gaúcho. Neste momento, Bebeto foi aplaudido.

Os minutos finais continuaram com pressão da SER Panambi sobre o Glória. Aos 39 minutos, Renato concluiu com muita qualidade e o goleiro Aranha fez grande defesa. Após o grande esforço da verde-e-branca, fez-se a justiça. Com belíssima jogada de Dario (ainda bem que ele ficou!), Cleberson empata com conclusão precisa aos 43 minutos. E aos 46, Cleberson faz lance de peleador e passa para Jean (ainda bem que ele entrou!) finalizar e virar o placar. Como notícia ruim, Renato foi expulso por reclamação.

O jogo de hoje provou que é possível classificar-se. O Glória vinha bem, porém aqui em Panambi está ficando rotulado como “freguesia”, sendo que em anos anteriores havia imposto vitórias duras sobre a SER. Hoje, a equipe jogou muito bem, principalmente em termos ofensivos. Zé Anderson, Renato, Dario e Cristiano (o pior dos quatro hoje) formam um ataque veloz e que não tem medo de arrisca, nem que seja de longe, meio envesgado. Contudo, não quero me iludir: há algo faltando. Não vou dizer que falta vontade aos jogadores: a SER se movimenta muito em geral (excetuando alguns atletas, obviamente), e há qualidade no elenco. Há tempo critico os zagueiros da SER, e novamente a bola aérea provou ser o calcanhar de Aquiles da equipe panambiense, com dois gols sofridos quase da mesma maneira. Outro problema constatado é que Bebeto não está conseguindo impor sua vontade ao time, dando seu toque particular. De positivo, Bebeto possui uma qualidade impagável: a humildade. Ele reconheceu a vontade da torcida, que acabou colaborando com a vitória de hoje, e tal virtude poucos profissionais possuem.

Quanto ao episódio ao final da partida anterior, peço licença para colocar o que consta na súmula da partida, vale a pena ler:

“Ao término do jogo o Sr. Aires C. Mello médico da equipe SER Panambi correu em minha direção com a nítida intenção de agredir-me só não conseguindo graças a intervenção da Brigada Militar, mesmo assim cuspiu atingindo-me no peito e disse as seguintes palavras “tu é safado, ladrão, tu tenque apanhar, mau intencionado, filho da puta”. Este senhor foi até o nosso vestiario entrou e pegou algumas frutas que o clube havia disponibilizado e quando a equipe de arbitragem estava saindo de campo jogou bananas e maças, sendo que os cachos de banana não nos atinginram porque esquivamos mas uma maça arremeçada atingiu o peito do arbitro reserva o Sr. Marcelo Cavaleiro.

Confrome o relato do Sr. Brizola soldado da Brigada Militar disse que a pessoa responsavel pelo portao onde estava a ambulancia cujo identificação foi como PICO, este ao termino da partida abriu o portao para que pessoas estranhas entrassem em campo para AGREDIR  a arbitragem.

Conforme o boletim de ocorrencia de número 3021674 onde relata os fatos ocorridos com o meu veiculo de placa IPN 3035 uma Palio adventure que foi danificada, com tres pneus cortados e riscos na lateral direita e capo dianteiro. Informo que ao chegar ao estadio solicitei informação ao funcionario do clube que fazia a segurança no portao cujo nome é ILSON ROCHA DIL de Carteira de identidade de número 1004401319 onde poderia deixar o meu veiculo com segurança o mesmo disse que poderia deixar no CTG Tropeiro Velho, dizendo que deixando o carro naquele local estaria mais seguro. Encaminho junto com a sumula o comprovante do Boletim de Ocorrência [ao qual não tive acesso].

Relato que o Sr. Ilson exerce a função de segurança pelo clube SER PANAMBI  e tambem pelo CTG.

A diferença das taxas de passagem e diaria foram pagas com cheque pela equipe SER SANTO ANGELO. [Fato grave, passível de punição, visto que é compromisso do clube da casa pagar tais despesas]”

Há fotos dos delitos, mas também não consegui acessá-las. Portanto, segundo o árbitro, não foi a torcida que atirou as frutas, e sim os dirigentes. De qualquer forma, espero que não acarrete punição.

Vamos verde-e-branca do Vale!!

Vinícius Fontana

Publicado em Arbitragem, Divisão de Acesso 2012, Glória, Ser Panambi. ligação permanente.

Um comentário em Gauchão Série A2 – SER Panambi 3 x 2 Glória de Vacaria (Estádio João Marimon Júnior)

  1. ronaldo diz:

    o dario ,,chamado pela torcida de tanque este merece ficar aqui no sul, seu futebol agressivo e forte chama atençao ,conheço ele de arquibancada, e vejo a umildade aq na cidade,, aos clubes do sul aqui uma dica,,,segurem ele q ajudara muito.. 05599270753,,este eó o fone dele q peguei pra ele me dar umas camisas q ele fez pras crianças daq

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *