Costelão 2012 – A Grande Final – II

Paulo Porto, Mauro Ovelha e as férias do Caxias

Tão logo se encerrou a Taça Farroupilha pro Caxias uma noticia caiu como uma bomba de insensatez para muitos, como um exemplo de ingratidão para outros (curiosamente pessoas especialistas em tudo: de uma hora pra outra eram especialistas no dia-a-dia do Caxias, logo após se tornaram especialistas em construção civil de obras para grandes eventos e mais recentemente estavam especialistas em direitos trabalhistas) mas acho que posso falar com um pouco mais de propriedade o que vi a torcida grená sentir e comentar. Falo da saída do técnico Paulo Porto, campeão com méritos da Taça Piratini e da chegada do (já) folclórico Mauro Ovelha.

 

Bom, contrariando a lógica instaurada em outras praças de que aqui “só bate quem erra” e “só é demitido quem ganha” que ficou a partir da opinião dos “especialistas”, a demissão do Paulo Porto começou em dezembro. O contrato apenas para o gauchão já assinalava alguma desconfiança do pessoal do futebol do Caxias. Junte-se isso ao projeto anual do Caxias, que é a Série C, e BINGO!, na primeira oportunidade se voltou ao foco inicial. “Ah, mas o cara merecia uma chance, foi campeão”. Não vou entrar no mérito de merecimentos, mas a questão foi abreviar uma possível troca de técnico na série C. Uma troca no, vá lá, 4° match da C seria fatal pras pretensões grenás. Então, de repente, com um mês de férias, as alterações foram promovidas. Resumindo: Paulo Porto NUNCA saiu pela campanha na Taça Farroupilha, como querem entender alguns. Saiu pela série C. Concordo com o sentimento de que o Porto merecia essa chance de disputar a final, mas entendo plenamente o que foi feito. E da mesma forma que não foi o Paulo Porto que ganhou a Piratini, se o Caxias for campeão gaúcho, o Paulo Porto pode (e deve) se sentir campeão também. Vida que segue, boa sorte ao Paulo e ao Caxias.
FOTO: Jornal Pioneiro

Foto: Jornal Pioneiro.

Para o cargo veio o Ovelha. O mais catarina dos técnicos gaúchos vem respaldado por título catarinense e um nome engraçado. Segundo informações que tenho, a retranca é uma das armas do OVELHÃO, o que penso ser fundamental pra essa possível conquista do gauchão. O Internacional tem um ataque LETAL, e não tomar gols seria uma ótima, hehe. Depois do feito do Chelsea, acho que a METRANCA de criticas aos FERROLHOS no futebol deram um sossego, o que pode deixar o Ovelha feliz da vida com suas convicções. Pra cima deles Ovelhão (mas sem descuidar a retaguarda)!

No mais, nada aconteceu digno de nota nesse mês de hiato no Centenário. Nem amistosos. O ano recomeça em maio.
Dos ingressos da final – achei um preço ok. Não acho barato, mas não acho que o drama se faz necessário. Torcida grená, tá caro? Associe-se. Tu assiste 2 jogos por R$30. Resolvido. Torcida colorada, tá caro? Não ta não. Vai pra Porto (deslocamento, lanches, estacionamentos) + ingresso (ou o valor cheio, que por lá dificilmente é abaixo dos R$60, ou a meia junto com a mensalidade dos planos de sócio) e pense no que pode ser caro ou barato. É o preço da final, que tem valor mínimo estipulado em R$40 pela federación. Sem contar que ouvi boatos de que Noveletto himself teria ligado pro Voges, presidente grená, solicitando o valor de R$80 para os ingressos, afim de valorizar as finais do COSTELÃO™. Vai saber.
 –
Dos gandulas – parece que a FGF vai disponibilizar os gandulas da final. Não me falta mais nada. Espero que arquem com as despesas também. Pedir pros arbritos coibirem verbalmente a gurizada que repõe a bola não basta? Espero que isso evite, pelo menos, o CHÁ DE SUMIÇO que assola algumas redondinhas nos estádios, dependendo dos resultados.

O que nos conta a história

Eu tinha 16 anos em 2000. Tempos férteis pro futebol de Caxias do Sul. A conquista daquele ano era como uma recompensa por uma vida de sacrifícios. Os anos 90 foram especialmente difíceis, mas por alguma razão o Caxias se engrandecia com isso. Acho que foi lapidando o caráter da torcida nas decepções.
O que interessa, nesse momento, foi aquela mágica virada no calendário. O ano 2000. Não nos entregaram os carros voadores, o teletransporte foi um blefe e os Jetsons continuaram apenas um desenho animado retrô-futurista. Mas o que importa isso quando se tem Adão, o primeiro dos homens, o mais simples de todos, de fala mansa própria de quem não conhece os pecados e as pífias limitações humanas, vestindo a camisa 9 que desfilava à 65 anos naquele mesmo terreno?
Tempos da corneta arte, corneta moleque!

Tempos da corneta arte, corneta moleque!

Aquele time era mágico. Sabia que ia ganhar. E sabia disso por não se prender em questões menores. Sabia que podia e que absolutamente nada era mais valioso do que a glória, o reconhecimento. E também por que sabia que existiam milhares de pessoas como eu, que via do outro lado dos alambrados verdadeiros heróis de carne e osso.
Os clássicos contra o Juventude foram o banho de sal grosso grená. Algo especial estava reservado.
Éramos imbatíveis.
Jornais da época.

Jornais da época, pós Ca-Jus.

As dificuldades serão imensas, mas o passado mostra o caminho, e até o momento, there’s only one JAJÁ na história do Gaúchão.

Acreditando no milagre,
Tiago Zilli.
Publicado em Caxias, Gauchão 2012. ligação permanente.

5 Respostas a Costelão 2012 – A Grande Final – II

  1. Marcelo Biazus diz:

    Zilli, mais uma vez, escreveu perfeitamente o que foi na época (2000) e o que é atulamente o sentimento da torcida Grená! Parabéns mais uma vez, meu velho! Temos que acreditar sempre! Não temos mais tempo para cornetas! É essa equipe, são esses caras que vão nos ajudar a entrar prá história de novo. São duas semanas de apoio total e irrestrito. Quem ouvir cornetas esta semana, que mande os mesmos PQP! Que corneteiem esse antro de “sabichões” da imprensa de Porto Alegre, que morram, mas que não venham com as porras das cornetas INFUNDADAS de sempre numa hora tão importante como esta! Este é o espírito! E sabe mais o que? Tô sentindo que algo de muito bom está reservado prá gente. Guardem o pessimismo para quando tiverem 100 anos… Dêem um tempo nestas duas semanas bando de corneteiro olho do **.

  2. Marta Detânico diz:

    Deste show novamente. Este é o espírito que a torcida grená tem que ter: ACREDITAR. Se foi possível chegar a Taça Piratini quando muitos diziam que brigaríamos para não cair, é muito mais possivel erguer outra taça: a de BI CAMPEÃO GAUCHO!

  3. Elias diz:

    Parabéns! Garra e amor a camisa, seremos campeões!!!!

  4. Sensacional a charge de Iotti sobre Adão :P

  5. Ricardogmail.com diz:

    show de bola o texto, eu tinha 13 anos naquele ano e eu gritei eh CAMPEAO no olimpicu, e dessa vez eu vou gritar eh CAMPEAO no beira rio….OS FRACOS NAO SE CRIAM NESSA PAIXAO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *