Uma tarde nos Eucaliptos: o clássico do centenário Periquito.

Não leia esse texto, apenas veja o filme e chore.

Para uma parcela dos santa-marienses, maio não está no calendário apenas para marcar a passagem do Dia das Mães ou acentuar o furor das noivas na região central. O Riograndense Futebol Clube nasceu em 7 de maio de 1912, ao lado da Viação Férrea da cidade. Quase todos já ouviram o célebre e triste bordão do regime militar: “onde a Arena vai mal, põe um time no campeonato nacional. Onde a Arena vai bem, põe um time também”. Com intenções devidamente reelaboradas e representando um período de interiorização nacional, podemos arriscar “a cada metro de ferrovia, era um clube que surgia”. Em Santa Maria da Boca do Monte, o advento das estradas de ferro trouxe consigo a máquina ferroviária esmeraldina.

Com o passar do tempo os trilhos enferrujaram e os caminhos de ferro foram substituídos pela insana malha rodoviária, largamente propagandeada por Juscelino Kubitschek e seu plano de metas. Os novos rumos do transporte nacional abalaram profundamente a base social que compunha o RFC, mas a alcunha de Periquito não era fruto do acaso e o Riograndense agonizou, tratou das feridas, tomou fôlego e voltou a voar.

Estamos no mês do centenário esmeraldino e nada melhor que um embate contra o Inter-SM, no clássico citadino RIO-NAL, para começar a contar cem anos de história. Disso trata o vídeo Uma Tarde nos Eucaliptos. O Clássico do Centenário Periquito, dirigido por Amarello Rodrigues e Maurício Canterle. A Produção está inscrita no Concurso CINEfoot Centenário 2012, na categoria vídeos em homenagem aos clubes que completam 100 anos em 2012.

Também vale a pena rever o já publicado Um time para poucos, vídeo institucional do América Futebol Clube, outro centenário deste ano.

Por fim, nosso sincero e entusiasmado agradecimento ao @Caio_de_Santi por compartilhar o link do filme.

Com os olhos repletos d’água,

Balejos

Publicado em Divisão de Acesso 2012, Riograndense-SM. ligação permanente.

3 Respostas a Uma tarde nos Eucaliptos: o clássico do centenário Periquito.

  1. Vitor diz:

    lindo filme, ótimo texto

  2. Diogo diz:

    legal o uniforme e o símbolo do rio grandense

  3. Pingback: Ano estratégico e decisivo para o Riograndense | Toda Cancha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *