Visão ousada e alegre sobre o futebol gaúcho

Era uma tarde de sábado quando conheci o belo Estádio do Vale, em Novo Hamburgo. Levado por um dos melhores guias – o LENDÁRIO Moleque Laser (Maurício Klaser), notável entusiasta do Nóia nas redes sociais -, conheci a CANCHA do time anilado na minha breve passagem pelo Rio Grande do Sul. Queria comprar uma camiseta, um chaveiro, essas coisas que levamos como recordação, mas a lojinha estava fechada. E a placa de “volto logo” permaneceu na fechadura o tempo inteiro.

No entanto, demos sorte e chegamos no meio de um jogo sub-20 entre Novo Hamburgo e Igrejinha. A partida já estava na sua metade e o clima estava tenso. Aparentemente o time da casa seria eliminado caso não vencesse e o jogo permanecia sem gols. Distraído com o clima do estádio, onde crianças jogavam bola, famílias confraternizavam e BELAS GAÚCHAS assistiam à partida nas arquibancas, perdi o LANCE CHAVE do jogo, quando um hamburguense faz uma falta feia em um jogador do Igrejinha, que parte pra cima. Quando olho a porrada já está comendo solta. E não é o famoso empurra empurra clássico do futebol. É soco na cara e chute no saco.

Na confusão o juiz expulsou o atleta do Nóia que fez a falta e em vez de expulsar o atleta “número três” do Igrejinha, que causou a confusão posterior, expulsou o “número três” do Novo Hamburgo, que ficou com DOIS a menos em campo. A torcida, indignada – incluindo o Laser, que via a partida ao meu lado -, xingava o árbitro e o bandeira, perguntando se ele não sabia diferençar azul e branco (cor do time adversário).

Mesmo com dois a menos do lado anilado o jogo continuou equilibrado e não mudou muita coisa. O zero a zero permanceu até o fim e os jogadores saíram cabisbaixos com a eliminação. Também fomos embora e ainda tive tempo de tirar uma foto na frente da bandeira do Nóia com o belo pôr-do-sol gaúcho ao fundo. Posso dizer que tive a experiência de VIVENCIAR o futebol gaúcho por uma tarde, futebol esse que é muitas vezes considerado o contrário do que pratica o meu time de coração, o Santos F.C, mas que é uma das INSTITUIÇÕES gaúchas, portanto merece ser visto e vivenciado.

Ciro Hamen é santista e pode ser encontrado
no seu blog de poemas http://www.memoriasdomarpreto.blogspot.com ou no
twitter @cirohamen

Publicado em Além-Torres, Gauchão Sub-20, Novo Hamburgo. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *