O Gaúcho jamais morre

Foto: Kleiton Vasconcellos - Jornal Diário da Manhã - PF

Definitivamente, o domínio dos especuladores imobiliários leva às sombras, sem a menor consideração com o passado, por meio do poder irredutível de suas retroescavadeiras, pedaços de terrenos que já serviram de palco para grandes momentos do futebol gaúcho. Depois do fim do estádio Florestal, contado às lagrimas por Guilherme Daroit, chegou a vez do agonizante estádio Wolmar Salton, em Passo Fundo.

No final desta semana, emaranhada em dívidas trabalhistas, a direção do Sport Club Gaúcho entrou em acordo com a justiça para vender a sua antiga cancha, em desuso desde 2007, ano em que o time foi rebaixado para a segunda divisão. Na época, o patrimônio físico do clube foi posto a leilão, pois não cumpriu acordo com a família de um menino que, quase quinze anos antes, ficou tetraplégico após um acidente nas piscinas do Wolmar Santon. O tombamento do estádio pela prefeitura evitou a venda do espaço para uma rede de supermercados.

Agora, um acordo com os credores do clube – são mais de 60 – foi alinhavado. Dessa forma, o objetivo é realizar os pagamentos e limpar o nome da instituição. O que sobrar, deve ser investido na construção de um novo estádio. As propostas serão recebidas pelo poder Judiciário até o dia 30 de junho. Se o valor, entretanto, não cobrir as dívidas negociadas, “nenhum credor será quitado e provavelmente o SC Gaúcho feche”, nas palavras do presidente Gilmar Rosso.

A situação leva, portanto, a um dilema estarrecedor: ou vende a sua casa, ou, de uma vez por todas, leva, de arrasto, aos escombros, o que ainda resta do clube.

Com 94 anos completados no mês passado, o SC Gaúcho deve participar da segundona 2012, no segundo semestre. O grupo 1 ainda conta com Aimoré, Nova Prata, Igrejinha, Cachoeira, Atlético de Carazinho e Garibaldi. A formação do time profissional está sendo feita pela observação de atletas em peneiras. Os jogos serão mandados no Vermelhão da Serra.

Só resta esperar que o grito dos torcedores, reverberando nos muros em ruínas do Wolmar Salton, seja um presságio verdadeiro: “O GAÚCHO JAMAIS MORRE”.

Luiz Eduardo Kochhann

Publicado em Gaúcho de Passo Fundo com as tags , . ligação permanente.

7 Respostas a O Gaúcho jamais morre

  1. Cara, o que dizer… é um misto de incompetência de dirigentes, descaso da federação com o interior e desinteresse das comunidades que, ao melhor estilo lavagem cerebral, passaram a ssofrer de um daltonismo que só vê pela frente azul ou vermelho.

    Essa receita está acabando com os clubes do interior, independente de pertencerem a comunidades pujantes ou já combalisdas pela história. Mas parece que é o que a maioria quer. Ou ao menos o que já não desperta qualquer sentimento dessa maioria.

  2. Maurício Klaser diz:

    E no lugar provavelmente serão erguidos prédios para a classe média COPULAR

  3. Balejos diz:

    Que coisa lamentável!
    Apartamentos de 30m² por todo lado, precarização da moradia, alto custo, especulação. E nem tudo tem um lado bom. Um estádio de futebol é parte viva da cidade, um lugar de memórias, talvez, para muitos, as maiores de uma vida inteira, enfim, é onde o concreto está repleto de sentido. O resto são arenas multi-uso que talvez venham a ser palco para novos homens e velhos leões. Há alguma regressão moral nisso.

  4. Maurício Klaser diz:

    Triste passar na frente de onde era o Santa Rosa, não tem mais NADA no local, apenas as goleiros e os muros.

    Pelo jeito algum especulador tá esperando aquele terreno VALER MUITO, que a bola EXPLORA e fique apenas o VAZIO e as histórias que ali aconteceram

    Um dia venceremos

  5. Sancho diz:

    Concordo com todos. Infelizmente, merecem esse destino aqueles que sequer se darão conta que perderam.

    A eles, meus pêsames.

  6. marcelohk diz:

    Uma história de vida , de um clube que me criou no futebol aonde joguei muita bola desde guri, passando por esse momento é muito triste , vitima de advogados e especulação .

    Que Passo Fundo veja isso e a história do maior clube de todos ( pra mim ) não acabe assim e quando eu puder banco o time e transformo num chelsea

  7. Pingback: Guia Segunda Divisão Gaúcha 2012 (Série B) – Parte I | Toda Cancha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *