Série C – Caxias 0 x 4 Macaé/RJ (Estádio Centenário) – O time de Denílsons

Desde o já longínquo mês de maio, o torcedor do Caxias ANSIAVA por esta estreia. Haviam se passado 49 dias desde a bela apresentação diante do Internacional, no Beira-rio, pela final do Gauchão 2012. Haviam passado também 36 dias de atraso do primeiro jogo grená na Série C por conta de imbróglios jurídicos (imbróglios que me nego a comentar aqui – primeiro por que tem muita coisa que não entendo nisso tudo e segundo por que não sou juiz pra julgar algo – espero que todos corram atrás dos seus direitos e que a justiça se faça). Enfim, tempo mais do que suficiente para a ambientação, treino de jogadas e AZEITAMENTO do plantel, que manteve alguma base, aliás.
Porém, a COMBINAÇÃO uniforme novo (o Caxias perde SEMPRE na estreia de uniformes, ainda farei uma pesquisa para abalizar isso), jogo em dia de sol (São Pedro é o SANTO do Juventude, então se o Caxias jogar em Brasilia ou no Pantanal, haverá chuva e frio, e se não tem sente falta) e uma bela campanha no campeonato gaúcho (exceção) AMACIOU a natural desconfiança sobre tudo, característica da torcida grená e que protege-a das decepções.
E o que acontece quando se baixa a guarda? Isso mesmo, um desastre.
Levanta a bola na área… (Foto Paula Pasa/O Caxiense)
Iniciando pontualmente às 19 horas, a aguardada estreia grená não foi de todo mal no início, com algum domínio no meio campo e bolas alçadas na área do Macaé, ainda que sem objetividade. A relativa tranquilidade seguia de acordo com os planos de MAURO OVELHA – um retranqueiro por vocação – que aparentemente não se preocupava com a falta de ATAQUES AGUDOS dos seus comandados. Tudo dentro dos conformes, até uma bola displicentemente perdida no meio campo parar nos pés de ZAMBI, na entrada da área, e morrer no ângulo esquerdo do goleiro Paulo Sérgio, um golaço.
O Caxias sentiu o gol. O domínio do meio campo continuava grená, porém inofensivo, com chegadas infrutíferas. O Macaé, ciente da INOPERÂNCIA do Caxias e seguro com a ótima atuação do goleiro Luiz Henrique, apenas esperou o momento certo para ampliar a vantagem. O momento veio aos 32 minutos, pelos pés de NORTON, decretando de vez a ruína do esquema idealizado por Ovelha, que tentou a alteração de Neguette (que começa no Caxias devendo) por Juba.

...gol do Macaé! (Foto Juan Barbosa/Jornal Pioneiro)

Resumo do primeiro tempo: Caxias com a bola, toca aqui e ali, gol do Macaé. Duas vezes. Sem jogas ensaiadas, sem objetividade. Sem tesão. Com dois gols na conta.
Corre, corre, corre… (Foto Juan Barbosa/Jornal Pioneiro)
A segunda etapa começou como terminou a primeira, muito floreio por parte do Caxias e nada de faturar. Assim como o AMIGÃO da guria gata que sempre fica com todo mundo, menos com ele, o Caxias seguia pressionando de forma irracional e até inocente, pode-se dizer, sem chegar a lugar algum.  Tratava bem a gorduchinha com toquinhos de lá pra cá, de cá pra lá, mas quem faturou ela (novamente) foi ZAMBI, na primeira chegada carioca do segundo tempo. Nesse momento o time do Caxias já tinha assumido a postura BUNDONA e assim foi, até ouvir aplausos pelo quarto gol, assinalado por NORTON aos 39 minutos, e gritos de olé da própria torcida, que assim como o camarada que vê o AMIGÃO levando a gata pro cinema enquanto o bairro todo aparece só pra consumar o ato, tenta abrir os olhos do panaca enquanto é tempo. O Caxias poderia ficar a noite inteira tentando, que daquela maneira, quem iria levar a melhor seria sempre Zambi, Norton e cia.

... gol do Macaé. (Foto Paula Pasa/O Caxiense)

E assim, com um TIME DE DENÍLSONS, que cisca, cisca, toca, corre e só gasta tempo, o Caxias tomou 4 gols em casa na aguardada série C. Só que Ovelha não é Scolari, que colocava Denílson pra gastar a bola quando estava ganhando. Ovelha escalou onze DENÍLSONS pra gastar o tempo enquanto o Macaé resolveu fazer 4 gols em 5 ataques. Vitória merecida e que sirva, pelo menos, de alerta, para deixar de ser bundão. Pra começar a ser OBJETIVO. Ainda dá tempo de faturar o AMOR PLATÔNICO que é a série B, mas se não acordar a tempo, a galera do bairro vai se adiantar e o INGÊNUO Caxias continuará apenas na mão.
Com a derrota, o Caxias é lanterna do grupo B da série C 2012.
 
Caxias 0x4 Macaé
 
Caxias
Paulo Sergio, Michel, Micael, Jean, Neguette (Juba, 35/1º), Umberto, Mateus, Diogo Roque (Paraná no intervalo), Diniz (Juninho, 25/2º), Neilson e Adriano.
Técnico: Mauro Ovelha
 
Macaé
Luis Henrique, Edson, Ramon (Vagner Eugênio, 17/2º), Douglas Assis, Elton, Gedeil, Wagner, Norton, Wallacer, Zambi (Marcus Vinícius, 28/2º), William (Jones, 40/2º).
Técnico: Toninho Andrade

Tentos:
Zambi, aos 23minutos e Norton, aos 32 da primeira etapa; Zambi, aos 24 minutos  e Norton, aos 39 na segunda.
Apitado por Fábio Filipus, do Paraná, que não cometeu nenhuma DISCREPÂNCIA, auxiliado por Neuza Inês Back (SC), que anulou um gol do Caxias (corretamente, pelo que consegui ver lá do outro lado) e Josué Gilberto Lamim (SC).
Cartão amarelo: Zambi (o Caxias tomando 4 gols em casa e NENHUM cartão. Denílsons.)
Estádio Centenário, Caxias do Sul, 1° de julho de 2012.
 
PS I
: estou providenciando um MINI GUIA da série C, com breve histórico das equipes na competição, tabela e alguns números, acredito que esta semana estará disponível.
PS II: Impedcopa sensacional. Pra variar, vacilei e não me inscrevi pra jogar, mas comi e bebi por 10 horas seguidas – venci, afinal. Parabéns a todos.

Abraço,
 
Tiago Zilli
Publicado em Caxias, Série C. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *