Copa RS – Brasil-Pel 4 x 0 Inter-SM (Estádio Bento Freitas)

Gustavo Papa trouxe ao Xavante um pouco mais de luz. Foto: Carlos Insaurriaga.

Saí de casa rumo ao estádio Bento Freitas na tarde de ontem (5) na companhia de meu pai e minha namorada. Num Monza Tubarão, rumamos ao nosso segundo lar. A competição desta vez é a “copinha do segundo semestre” e o adversário seria o Internacional de Santa Maria.

Segundo informações do jornal pelotense Diário Popular, o colorado de Santa Maria formou um time de jovens jogadores e a folha salarial é em torno de R$ 10 mil reais. Um adversário –teoricamente – frágil. Além disso, Rogério Zimmermann colocou em campo dez dos onze titulares, poupando apenas o campeão mundial Fabiano Eller. O time da casa deveria, portanto, estrear a competição com uma vitória.

Como eu esperava – e torcia –, o Brasil iniciou o jogo pressionando o adversário. O time de Santa Maria, recuado, se defendia e pretendia contra-atacar e não escondia isso de ninguém. As regras do jogo eram claras a todos os presentes no Bento Freitas. Além disso, seria o dia UNIVERSAL dos pênaltis marcados (e não marcados). Explicação abaixo.

A saga começou quando Gustavo Papa invadiu a área e foi atropelado pelo zagueiro colorado. O juiz sinalizou a infração, mas fora da área. Bizarro. A falta foi cobrada, mas a bola explodiu na barreira. Tempo depois, perto dos 23 minutos, Wender foi derrubado na área. Desta vez o pênalti foi marcado – no estádio, para mim, não foi; porém, em casa, pela TV, considerei que a penalidade foi bem marcada. Tiago Rannow assumiu a responsabilidade e bateu forte no canto direito. 1 a 0, Xavante.

Pouco tempo depois, num cruzamento, Gustavo Papa novamente foi alvo dos zagueiros colorados e teve sua camisa puxada escancaradamente. Mais uma penalidade máxima. Tiago Rannow foi mais uma vez para a cobrança, mas desta vez errou. Mudou o canto, porém chutou alto demais. O Brasil seguiu atacando e no único lance de perigo criado pelo Inter-SM, no final da primeira etapa, Luiz Muller precisou sair nos pés do jogador adversário.

Na segunda etapa o panorama ainda era o mesmo: o Brasil pressionava e o Inter esperava o momento certo para um contra-ataque mortal. Felizmente à torcida Xavante o plano colorado não estava dando certo e quem comandava a partida eram os combatentes fardados de vermelho e preto. Com quase dez minutos de bola rolando, Willian Kozlowski arriscou de fora da área num chute desajeitado, o que fez a bola sobrar para Alex Amado que marcou o segundo gol Xavante. Cerca de dois minutos depois, Gustavo Papa também marcou, mas o tento foi anulado por impedimento – lance, para mim, duvidoso.

Aos 14, Dione foi derrubado após carrinho e nova penalidade máxima foi sinalizada. Gustavo Papa foi para a cobrança e colocou, com tranquilidade, no canto direito. 3 a 0, Xavante. Aos 30, o último prego do caixão. Numa jogada rápida, Tiago Rannow cruzou para a área e Márcio Jonatan, que arrecém havia entrado, desviou de cabeça e marcou. Com o apito final, o Brasil garantiu os primeiros três pontos na Copa Hélio Dourado numa partida tranquila.

Nas arquibancadas, havia o grito de uma torcida satisfeita com a partida e esperançosa quanto ao futuro no campeonato brasileiro. E regressamos, eu, meu pai e minha namorada, felizes com o resultado, para casa ao som de Uriah Heep no Monza Tubarão. Sensacional, senhores.

Avante, Xavante. A maior permanece ao teu lado.

FICHA

Brasil-Pel: Luiz Muller; Tiago Rannow, Jonas, Tiago Saletti e Galego; Leandro Leite, Wender (Moisés), Dione e Willian Koslowski (Marcos Paraná); Alex Amado e Gustavo Papa (Márcio Jonathan). Técnico: Rogério Zimmermann.

Inter-SM: Ismael; Luther, Betão, Gabriel e Vitor; Rafa Marques, Rossi, Junior Santos (Fabinho) e Gabriel Duarte; Fabricio (Nilier) e Gustavo Sapeca (Leandro). Técnico: Betinho.

Gols: Tiago Rannow, Alex Amado, Gustavo Papa e Márcio Jonathan.

Cartões Amarelos: Wender (Brasil-Pel); Luther, Gabriel e Betão (Inter-SM).

Arbitragem: Érico Andrade, auxiliado por Vinicius Palau e Rodrigo Tedesco.

“Avante com todo o esquadrão”,

Pedro Henrique Costa Krüger

Publicado em Brasil de Pelotas, Copa FGF 2012, Inter SM. ligação permanente.

3 Respostas a Copa RS – Brasil-Pel 4 x 0 Inter-SM (Estádio Bento Freitas)

  1. Maurício Klaser diz:

    Foto do Gustavo Papa + Num Monza Tubarão, rumamos ao nosso segundo lar. = não precisamos de mais

  2. Tiago Rannow citado em dois textos no mesmo dia.

    Volta!

  3. pedrohckruger diz:

    #2

    Uma notícia ruim para ti, Zezinho: Tiago Rannow renovou com o Brasil até o segundo semestre de 2013. Junto com ele o goleiro Luiz Muller e o técnico Rogério Zimmermann. E há mais jogadores renovando.

    Ótimas notícias ao Xavante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *