Até breve, campeonato nacional

Era esta a situação rubro-negra: precisaria vencer, fazer saldo e ainda torcer por uma derrota do Juventude. Nada deu certo. Dificilmente daria certo. No Paraná, frente ao Arapongas, o Brasil empatou em 0 a 0. O resultado eliminou o time pelotense.

Eu nem quis escutar o jogo. Criei uma teoria de que não escutar daria mais sorte ao Xavante. Nem isso. Entretanto, ao ir conversar com o meu pai sobre a partida percebi que um milagre havia ocorrido. “O Brasil empatou, mas jogou bem”. O elenco não havia conseguido vencer no Paraná nem alçar voo no estádio dos Pássaros, mas jogou bem. Encerrou a sua participação no brasileiro jogando bem.

Jogar bem, no entanto, não é suficiente. O Brasil, após disputar por alguns anos o campeonato brasileiro, está fora do nacional. Essa afirmação quando lida em voz alta faz sangrar os ouvidos. Está claro que o Xavante deu um passo para trás. Espero que seja momentaneamente. Ao ler sobre a partida logo percebi que o Brasil pressionou o time da casa e poderia ter saído com os três pontos. Não seriam suficientes para a classificação, é verdade, mas é um alento.

Torço para que o Brasil tenha se despedido do nacional com um “até breve”. Um “adeus” seria desastroso demais para um clube com um apelo popular tão forte. O futebol do interior precisa resistir e galgar o seu espaço. O Brasil precisa voltar e retomar a luta rumo a um lugar de mais prestígio nacionalmente. Sem esquecer, é claro, do campeonato estadual. Tudo é importante.

Por não ter escutado a partida não darei a minha visão acerca do que ocorreu dentro do gramado. Fiz apenas um pequeno texto no qual coloquei toda a minha esperança apesar dos maus resultados e dos rebaixamentos. Algo de bom tem que estar a caminho.

Nossa (única) saída é conquistar a Copa Hélio Dourado para garantir uma vaga na série D do ano que vem. Depois montar um TIME para subir de escalão e voltar à C. A partir de agora, amigos, os Xavantes lutam pela sobrevivência.

Buscando uma maior motivação, vale a pena ouvir o que diz o nosso eterno ídolo sobre o Brasil e os campeonatos nacionais.

Que voltemos, como neste vídeo, a estar a 180 minutos do acesso à série B. Oremos com fervor.

A foto é de Carlos Insaurriaga.

Com esperança,

Pedro Henrique Costa Krüger

Publicado em Brasil de Pelotas, Série D com as tags , , , . ligação permanente.

8 Respostas a Até breve, campeonato nacional

  1. Maurício Klaser diz:

    Menos um clube tradicional na Série D, parabéns Noveletto

    Presidente da FGF nem ai para lutar junto com o clube da sua federação pela vaga na C, agora isso. Este mesmo presidente que deu a entender que o Brasil pagou o preço por querer JOGAR FUTEBOL após aquela terrível tragédia.

    Somos loucos mesmo pra querer o BEM do futebol do interior, mas antes ser isso, que ser SERENO como o dono da rede de lojas que tem mais vendedores que clientes.

  2. Pingback: O inacreditável aconteceu. E agora? | Toda Cancha

  3. Franco Garibaldi diz:

    Só sendo maluco como nós para lutar pelo interior. Quando nem a federação, que é ungida pelo voto dos presidentes – a maior parte deles do interior – mexe uma palha por seus representados…

    Não custa nada lembrar que, pelo Noveletto, nem série D existiria.

  4. Maurício Klaser diz:

    Noveletto é contra a D Nacional, mas bota TRÊS DIVISÕES no RS, lógica não é o forte dele

  5. Juve na alma diz:

    esse circo que é a FGF que conseguiu o que queria, ter dois clubes apenas no RS
    palhaçada

  6. Régis diz:

    E do jeito que está, logo o Caxias também fica sem divisão também.

    Se eu fosse o Brasil, tentava subir no Gauchão primeiro, para que, com as cotas de TV monte um time forte de verdade.

  7. Zezinho diz:

    Poxa, Pedroca, que triste =/

    Mas, cara, foquem em voltar à Primeirona do Gauchão. É fundamental o convívio entre os grandes para alçar voos mais altos

  8. Murilo diz:

    Ver esse vídeo da quase subida para a série B do nacional me fez muito mal. O grupo no qual jogou Cláudio Millar soube honrar a camisa e encheu o torcedor de esperanças. Mesmo o grupo do ano de rebaixamento no gauchão quase chegou lá, só perdendo a vaga para o até então imbatível América MG.

    Todas as práticas de agora só desgosto trouxeram ao torcedor. E, mesmo fanático, o torcedor xavante é ingênuo, embarcando em ideias megalômanas de dirigentes( campanha dos 10 mil sócios, briga com a CBF nas últimas classificatórias da divisão de acesso). E especialmente excluindo as opiniões discordantes nos blogs do clube.

    O xavante mereceu a desclassificação esse ano. A direção mereceu o rebaixamento por escalação irregular; o torcedor as lideranças que tem. Sem dúvida os únicos que não merecem o lugar onde está o clube estavam naquele ônibus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *