A ferro e a fogo!

Na terra de LEONEL DE MOURA BRIZOLA, nada mais adequado do que uma boa peleia para fazer jus a este ÍCONE da nossa terra. Só que Atlético e Aimoré levaram isso ao pé da letra e protagonizaram a maior BATALHA CAMPAL da Segunda Divisão do futebol PAMPEANO. Mas antes de falar sobre o ARRANCA TOCO tão propagado, vamos ao jogo que é o que importa.

O Aimoré veio para LA CANCHA com a proposta de trabalhar a bola e sair para o ataque de modo paulatino, enquanto o Atlético, mordido pela goleada de 7 a 2 que levou na semana passada, foi com coragem para o ataque. O rubro-negro dependia de lampejos de BUIU e CHAVEIRO, mas produzia efetivamente muito pouco, limitando suas investidas a chuveiradas para a área. Em uma dessas, o MOGANGO quicou e obrigou PITOL a espalmar para escanteio. Já o alvi-azul capilé, apesar de estar desfalcado de meio time, jogava com maior profundidade. Com base no toque de bola e nas subidas do lateral Vinícius, o Aimoré assustou duas vezes na primeira etapa. Alex em cobrança de falta e LS9, de voleio, causaram perigo ao gol de Simas.

No restante do primeiro tempo, aquele tradicional jogo pegado de muita vontade e raça. A falta de qualidade da peleja foi resultado também do gramado MUITO RUIM do estádio Paulo Coutinho, posso estar enganado, mas até mesmo as linhas e marcações tinham sido pintadas no mesmo dia do jogo.

Perto do fim dos 45’ iniciais, tivemos um incidente que foi o EMBRIÃO da confusão que ocorreria depois. Uma bola chutada pelo ataque do Aimoré ultrapassou a grade situada atrás do gol defendido pelo Atlético e foi parar nos braços de um integrante da torcida do Índio Capilé. O rapaz não quis devolver rapidamente a bola para o gramado, causando muita irritação nos carazinhenses. Até aí nada de muito anormal, mas foi LAMENTÁVEL ver e ouvir o treinador do rubro-negro, Edegar Soares, convocando a torcida a agredir os seguidores aimoresistas. O clima, que já não era bom desde o início, se agravou e os poucos BRIGADIANOS que lá estavam foram tomar satisfações com os torcedores capilés. Tudo foi resolvido e o jogo foi ao intervalo.

Enquanto a galera se deliciava com o PÃO COM SALSICHÃO servido na copa, fui até o gramado conversar com o pessoal da imprensa que cobria a peleja e senti, perto da entrada do vestiário aimoresista, um cheiro bem forte de tinta. Mais um sinal de que o olho da gateada estava PRETEANDO.

Após passar o primeiro tempo assistindo o jogo no pavilhão, colado à torcida do Galo, mudei de posto e fui para trás da goleira guardada por Pitol, onde estava LA HINCHA CAPILÉ.

O Atlético veio para o tudo ou nada e passou, na base do BUMBA MEU BOI, a pressionar o Índio que só chegava nos contra-golpes. Em um desses, o zagueiro Gustavo afastou o perigo chutando a bola na direção dos fios de um poste da rua lateral do Estádio, fazendo FAGULHAS espocarem no céu. LINDO.

A meu ver, quem mais sentiu a pressão foi o árbitro que passou a perder o controle sobre o jogo, começou a inverter faltas e a se atrapalhar em lances fáceis para ambos os lados. Tudo piorou ainda para o escrete leopoldense, quando Vinícius levou o segundo amarelo e foi expulso. O Atlético veio de vez ao campo ofensivo e se não fosse Pitol, com pelo menos três ótimas intervenções e a falta de pontaria de seus jogadores nas conclusões de fora da área, o BANZÉ estaria formado para o Aimoré.

No mesmo compasso em que a tensão crescia dentro de campo, a animosidade aumentava fora dele. A torcida do Galo foi ficando enfurecida com tudo e com todos, era visível que alguma coisa ruim ocorreria a qualquer momento. Foi quando próximo aos 43’, Lukinhas invadiu a área e foi marcado impedimento. Na sequência do lance, o goleiro Simas quis pegar a bola e sair jogando rapidamente e para tal deu um PATAÇO nas costas do atacante capilé. Os jogadores do Aimoré partiram pra cima, os rubro-negros também e o BOCHINCHO foi instalando. Uma pancadaria gigantesca passou a ocorrer, envolvendo as comissões técnicas, torcedores que chegaram ao campo, teve até GANDULA com BARRA DE FERRO no meio do rolo.

A Polícia não se preparou para o jogo, pelo que ouvi nas arquibancadas, não era esperado o número de cerca de 350 torcedores presentes. No começo da disputa havia apenas TRÊS policiais no local.

Todavia, voltando ao QUEBRA PAU, teve voadora e murro de tudo que foi lado, quatro expulsões e jogo encerrado com o placar de 0 a 0. Após cessarem as agressões dentro de campo, alguns atleticanos tentaram ainda depredar o ônibus que levava a delegação aimoresista. Felizmente, reforços foram convocados e a Brigada Militar pôde controlar a situação. Quem levou a pior foi o goleiro Pitol, que teve de tomar quatro pontos na testa.

Na próxima rodada, o Aimoré recebe a Associação Garibaldi no Cristo Rei. O Atlético Carazinho vai até o Dr. Mario Cini, encarar a Associação Nova Prata.

UM AGRADECIMENTO ESPECIAL ao Luis Fernando Fracasso da Rádio progresso, para Mariana Raimondi do Diário da Manhã e ao TIO PISKA da Rádio Comunitária de Carazinho pela ajuda na cobertura CANCHEIRA. 

Ficha da partida 

Clube Atlético Carazinho 0 x 0 Clube Esportivo Aimoré 

Estádio Paulo Coutinho

ATLÉTICO CARAZINHO (0): 1-Simas; 2-Balaio, 3-Gustavo,4- Rogério e 6-Renan; 5-Magnus, 8-Éder, 11-Chaveiro e 10-Buiu; 7-Roni e 9-Barbosa. Entraram: 13-João Pedro, 16-Jackson e 17-Andrezinho. Técnico: Edegar Soares.

AIMORÉ (0): 20-Marcelo Pitol; 2-Guilherme, 3-Wágner Tiziu, 4-Bruno Sá e 6-Vinicius; 5-Marquinhos, 8-Alex, 10-Odair e 7-Japa; 11-Felipe e 9-Lucas Silva. Entraram: 17-Lukinhas, 15-João Pedro e 18-Tiago Matos. Técnico: Gelson Conte.

Cartões amarelos: Gustavo e Magnus (CAC) .Guilherme, Vinícius, Filipe e João Pedro(CEA).

Cartões vermehlos: Simas e Magnus (CAC). Vinicius, Marcelo Pitol e Japa (CEA)

Todas as fotos são do Luiz Eugênio Gressler.

Sentindo o cheirinho da Taça,

Natan Dalprá Rodrigues.

Publicado em Aimoré, Atlético Carazinho, Segunda Divisão 2012, Terceirona com as tags , , , , , , , , , , , , . ligação permanente.

8 Respostas a A ferro e a fogo!

  1. Daniel diz:

    Não era pro Aimeré estar jogando em Carazinho, era pra estar jogando em porto alegre, contra Inter, Grêmio, Cruzeiro…e por aí vai.

  2. regis beck diz:

    pôxa , tá certo que segundona é isso, mas será que teremos que ir aos estadios do Interior de ARCO E FLECHA ?

    abraços e vamos em frente Civilizados Aimoresistas.

  3. Junior II diz:

    Tá bom, o Atlético tem um jogador chamado Chaveiro, e ELE NÃO É o número 2 que aparece na segunda e na quinta foto do post !!!
    Que altura tem o Chaveiro !!!

  4. Paul diz:

    Sério que o sobrenome do cara é FRACASSO?

  5. Richard diz:

    Mas é bom esse fotógrafo!

  6. Natan Dalprá Rodrigues diz:

    #4

    Sim, Luiz Fernando Fracasso, baita repórter por sinal.

  7. Carlos diz:

    [EDITADO pela administração do blog: Carlos, felizmente, apesar de todo mundo ter seu clube aqui, escrevendo ou lendo o que é publicado no Toda Cancha, existe um mínimo de bom senso nos comentários, bom senso que, por falta de educação, tu acabou passando longe. Esfria a cabeça e concatena algum comentário melhor – ou até mesmo venha escrever sobre o teu clube, o blog é aberto pra todos. Rivalidade é uma coisa. Ofensas, palavreado chulo, são desnecessários e excluídos por aqui. Se prefere este caminho, outros blogs e sites comportam este estilo.]

  8. Pingback: Vítimas da polarização e do esquecimento – parte I | Toda Cancha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *