Oca de vidro

Gol heroico aos 50′ do 2T, um dos poucos motivos para sorrir do torcedor. Foto: Jornal Folha do Mate.

Orçamento de um milhão de reais e folha salarial de 68 mil mensais. A temporada de 2012 aparentava ser promissora para o Guarani. De presidente novo e um vice de futebol conhecido e reverenciado na cidade, citado por muitos, como o maior jogador da história do Rubro-Negro, Eliomar Marcón. O homem havia jogado as duas últimas temporadas DE GRAÇA, como se não bastasse havia sido o destaque do time. Foram firmadas parcerias com empresários. Pensava-se grande na Capital do Chimarrão.

O acesso não era utópico como fora em 2010 e 2011. Desembarcaram bons nomes em Venâncio Aires. Tais como, Vitor Hugo, artilheiro do Costelão em 2007, Julián Gambetta, um meia cujos vídeos impressionaram e de quem esperavam que fosse O CARA desse time, o meia-atacante Arpini, o beque Fernando Presente, o volante Carlos Alberto e o ala Michel, além do retorno de jogadores queridos pela comunidade venancio-airense, Éder Lazzari, Endrigo e Japa. Ao todo, eram 19 contratados e 11 crias no elenco.

Time de 2012, sonho do acesso ficou só no papel. Foto: Blog do Juares.

O que vimos foi uma desorganização gerencial no clube. Um mês antes do início da Segundona, houve um entrevero entre parte da diretoria com o ÍDOLO e então diretor Eliomar. Com isso, o ex-jogador acabou se desligando do clube, por divergências com a diretoria.

Ao decorrer das campereadas, notou-se a fragilidade defensiva e emocional da equipe. Tornando as eficientes flechadas rubro-negras insuficientes contra as armas de equipes superiores. Aliadas a falta de sequência e entrosamento, pois o rebuliço era grande, com tantas expulsões, lesões, dispensas e contratações no plantel e mudanças no comando.

Finalizado o primeiro turno da Divisão de Acesso o Índio Mateiro estava ISOLADO na lanterna, algo que ninguém imaginava no início do ano. Apesar de bons momentos, como a vitória no Bento Freitas, o rebaixamento foi consumado com duas rodadas de antecedência.

Após ser rebaixado, o Índio encarregou-se de aprontar, levou para Série B do ano que vem o Leão da Fronteira em FACEIROS 7 x 6 e na derradeira rodada, eliminou o Riopardense na peleia regional, por SONOROS 6 x 3, encerrando com o melhor ataque e pior defesa do certame.

A direção ainda procurou pelo em ovo em outros clubes para tentar uma VERGONHOSA permanência no tapetão. Sem êxito, o Guara chegou ao escalão mais baixo da hierarquia profissional bagual.

O futuro aos guris pertence?!?

A esperança fica com a gurizada. O histórico é bom, dos canteiros rubro-negros saíram Luisinho Netto, Eliomar, Bolívar, e o técnico da seleção Mano Menezes. Além de campanhas de destaque nos estaduais inferiores, como os vices de juniores de 1996 e 2004.

Piazada do projeto Indiozinho do Futuro, o sopro de esperança Rubro-Negro. Foto: site da Rádio Venâncio Aires.

Atualmente, a equipe sub-19 vem fazendo uma boa campanha na primeira fase da Copinha da categoria. Classificou-se para a segunda fase, batendo Nóia, Xavante e empatando com o Caxias. Isso sem contar o projeto Indiozinho do Futuro que já soma 300 crianças.

Semelhante à situação dos indígenas do Rio Grande do Sul, o Guarani sobrevive com ajuda de poucos e em situação de completa INDIFERENÇA do povo.

Voltaremos!

Régis Nazzi.

Publicado em Copa FGF Sub-19, Divisão de Acesso 2012, Gauchão 2013, Guarani-VA com as tags , , , , , , , , , . ligação permanente.

3 Respostas a Oca de vidro

  1. Fernando PRESENTE. Um zagueiro com esse nome nunca poderá errar na frente de um atacante…

  2. Vou a Venâncio Aires com certa frequência (3 ou 4 vezes por ano) e sempre dou um jeito de passar em frente ao Edmundo Feix para ver se está rolando alguma partida, juvenil que seja. Mas, infelizmente, não tenho tido essa sorte ultimamente.
    Outrora pude acompanhar o time de 90 (campeão ou vice(?) da segundona), o time de 91 (invicto e líder por muitas rodadas do Gauchão), e até o time de juniores vice-campeão Gaúcho comandado pelo Mano Menezes… acho que em 93, minha memória me trai.
    Hoje, para mim, é muito triste ver a situação atual do Guarani.

  3. Régis diz:

    Foi vice em 90, do São Luiz se não me engano, e vice dos juniores de 96. Esse time de 93 que tu citas era o do Luisinho Netto, Eliomar e que tinha o Fernando Becker da RBS de zagueiro, outro bom time.

    É triste mesmo a situação do Guara, mas com investimentos na base, uma administração séria e, sobretudo APOIO da comunidade, a situação é plenamente reversível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *