Um médico e dois monstros

O homem responsável pela criação de dois monstros AMORFOS no interior do Rio Grande bagual. Foto: ECNHAs oitavas-de-final da Copa RS começam no próximo sábado, às 15h30, com 16 clubes Rio Grande afora PELEANDO, em confrontos eliminatórios, em busca de vagas à Série D do DILMÃO, à Copa do Brasil e uma costela gorda. E essa nova fase propiciará um encontro no mínimo inusitado: Lisca, que deixou o Novo Hamburgo para treinar o Juventude, enfrentará seu ex-clube no primeiro mata-mata da competição estadual.

O treinador chegou ao Estádio do Vale em Março, durante a Taça Farroupilha, o 2º turno do BRIZOLÃO. Com uma campanha medíocre, o clube não conseguiu vaga ao mata-mata , à Série D ou o Título do Interior. Em seus 5 jogos na competição, Lisca ficou marcado pelo destempero na casamata e por barrar do time o PUTO-MARAVILHA Clayton, deixando-o na reserva – isso sem contar que também colocou no banco, temporariamente, o ídolo Luis Henrique.

De contrato renovado, o treinador foi responsável pela reformulação do grupo anilado, com o ERRÔNEO respaldo da direção do Noia, acéfala após as saídas de Luizinho Valentim e Sandro Blum. Com isso encheu o grupo de BRUXINHOS, como bem relatamos aqui e avisamos que daria merda.

Na preparação para a Copa RS, o AMONTOADO de Lisca pouco convenceu no empate contra o Independiente (0x0) e nas vitórias contra Sindicato (4×3) e Igrejinha (1×0). O treinador abriu fogo contra a diretoria e, uma semana da estreia, após LOBOTOMIA no Estádio do Vale, deixou seu FRANKSTEIN na Estação Santo Afonso, foi à Rodoviária, comprou uma passagem na Caxiense e se bandeou para a Serra Gaúcha, onde teve a  missão de salvar o Ju na Série D do DILMÃO.

Em Caxias do Sul, Lisca conseguiu, em quatro jogos, uma classificação improvável do Papo à Segunda Fase da competição nacional. No entanto, no primeiro mata-mata, foi EMPALADO pelo Cianorte e deixou o Papo sem divisão.

Agora promove uma limpa no Alfredo Jaconi, com respaldo do departamento de futebol alvi-verde. Desde o fim da Série D, oito jogadores foram dispensados e o treinador é o responsável por formar um time a partir da COLCHA DE RETALHOS que lhe sobrou. Com um misto de atletas sobreviventes e garotos oriundos do time B e das categorias de base, Lisca tentará levar o Ju ao título da Copa RS e à Série D, em situação semelhante à ocorrida ano passado.

O problema será, com seu monstrengo atual, passar pelo monstro que ele deixou maturando no Estádio do Vale e que Paulo Porto tenta consertá-lo a qualquer custo.

O lado anilado

Após terminar a Primeira Fase com a PIOR CAMPANHA DA HISTÓRIA DO CLUBE NA COPA RS, Paulo Porto tenta encaixar seu arremedo de time, com padrão (questionável) de jogo já estabelecido e as fichas depositadas no motorzinho do time, Márcio Hahn, e no homem-gol, Paulinho Macaíba.

Boa parte das NABAS indicadas por Lisca já se debandaram do Estádio do Vale. Diego Marder, Renan, CLAITON VESGO e Márcio sequer alinharam com a camisa anilada oficialmente. Sidivan e Luiz Fernando, em uma partida, mostraram as FERIDAS que eram e passaram no RH. Diogo e Felipe ficaram mais um tempo fornecendo material para ADUBO, mas também foram pastar – e Brock, um dos poucos sobreviventes, está quieto na terceira reserva.

Com Juninho lesionado – segundo Vânius Porto e Eduardo Pires, da Rádio ABC 900 AM, o meia já estaria acertado com o Veranópolis (pior time) -, Paul the Harbor deverá escalar o Noia com André Sangalli; Sebá, André Ribeiro, Lucas e Érick; Zaquel, LABARCA, Márcio Hahn e Luis Carlos; Paulinho Macaíba e Gilmar.

Paulinho Macaíba: o homem-gol pode ser o trunfo necessário para a vitória anilada. Foto: Elenise Martins/ECNHDe vice de futebol (enfim!) novo (Raul Hartmann comandará o vestiário – esperamos que no estilo ‘pé na porta, soco na cara’) e com Everton Cury levando seu bigode METAFÍSICO para a presidência do Conselho Deliberativo, quiçá o Noia, assim, mostre um futebol digno e engraxe os dedos com polenta e vinho.

Será briga de foice no escuro.

O lado alviverde

O Juventude disputou boa parte da Copa RS com o chamado time B (formado por reservas e o piazedo da base), já que o objetivo então era a vaga na terceirona nacional.  Com a CHAPULETADA tomada, o que antes era copinha virou copa do mundo, já que é a primeira das duas chances de voltar a disputar algo em nível nacional no segundo semestre de 2013.

Mas o fato de jogar o torneio com o time principal – ou com o que sobrou deles após as dispensas  – não significou grande coisa. Lisca aproveitou a ENTRESSAFRA e abusou da tentativa e erro para encontrar um novo time titular. Os desempenhos em campo foram sofríveis e logo o pardalino tratou de voltar ao básico, apenas repondo com o que havia em casa os que deixaram o Jaconi.

Claro que, como desgraça pouca é BOBAGEM pros lados do Mato Sartori, até a cagada dos cartões amarelos do Deoclécio aconteceu. Menos mal que o Riopardense foi ainda mais amador, perdeu mais pontos que o Ju (6 contra 4) e o Milan do BOLACHA ETERNO teve campanha ainda mais fraca, deixando o Papo “apenas” atrás de Ypiranga e Caxias B.

Novidade mesmo na equipe é a entrada do atacante Douglas, ex-União Frederiquense, que ganhou a vaga ao lado de Zulu na frente. Assim, o time não deve fugir muito de Fernando; Ramiro, Rafael Pereira, Bressan e Alex Telles; Fabrício, Jardel, Diogo Oliveira e Alan; Douglas e Zulu (time que goleou o Milan por 4 a 0 na última rodada, apenas com a volta de Bressan à zaga).

Na verdade, o que mais tem ganho as manchetes da imprensa caxiense é a limpa que ocorre após a chegada do novo executivo de futebol, Emir Alves da Silva. Entre incompetentes e praticantes do come-e-dorme, a barca passou (e segue passando) forte, levando até mesmo Túlio Cunha Lima, gerente de futebol e irmão do ex-presidente Marcos Cunha Lima, que pouco ou nada vinha fazendo.  Apesar do leite ter secado faz tempo, muita gente segue ou seguia mamando na vaca ESQUÁLIDA. Que o enxugamento prometido por Emir siga forte nesse sentido.

Entre atrasos de salários, boatos de que Lisca estaria zarpando do Jaconi para o Mogi Mirim (SP) e de que a multa de sua rescisão (assumida por ele) com o Noia estaria em atraso (em função do atraso salarial), botando mais lenha ainda no confronto, é assim que o Juventude vai pra cima do Anilado.  Pelo lido até aqui, tá mais pra uma bela briga de bêbados do que pra decisão de título dos pesos pesados. Essa que é a verdade, essa que é a (triste) realidade…

Histórico

Jardel trava Serginho Catarinense: Ju eliminou Noia na Copa RS de 2011. Foto: Bruno Colombo/ECNH

Novo Hamburgo e Juventude já se enfrentaram três vezes na história da Copa RS, sempre em mata-mata. Na primeira edição, em 2004, o confronto também foi nas Oitavas-de-Final. À época o Anilado recém havia sido eliminado da Série C e apostava suas fichas na competição estadual, enquanto que o Ju fazia baita campanha na Série A e jogava a Copinha com o time na B. Após empate em 1×1 no Alfredo Jaconi (Fabinho para Noia e Éder para o Ju), o Anilado segurou o 0x0 no Santa Rosa e avançou na competição – seria eliminado pelo Gaúcho na etapa seguinte.

No ano seguinte, as equipes se encontraram nas semi-finais. O Noia disputava a competição com sua equipe B, já que na Série C peleava pelo acesso; enquanto isso o Ju aparava as arestas para se manter na Série A e CHULEAVA a Copinha. E 2005 não foi o ano anilado à toa: com duas vitórias por 2×1, o BANGUZINHO anil bateu o Papo e rumou à final, sagrando-se campeão ao vencer a Ulbra (pior universidade).

O terceiro embate foi novamente nas semi-finais, ano passado. O Ju havia sido eliminado da Série D e transformara a Copa RS em sua Copa do Mundo particular, para voltar à competição nacional. Por sua vez, o Noia tinha a melhor campanha do torneio e, além da vaga, queria o título em seu centenário. Na considerada ‘final antecipada’, o Papo tocou 3×0 logo no jogo de ida, com show do Rei ZULU. Na volta, o Noia até venceu de virada, 2×1, mas foi o alvi-verde quem avançou à final e levou o caneco ao bater o Lajeadense.

Porém, o embate em mata-mata mais conhecido não foi pela Copa RS, mas pela Semi-Final da Taça Piratini no Gauchão desse ano. Em jogo emocionante, o Noia bateu o Juventude por 3×2, com o gol heroico marcado por Paulinho Macaíba aos 46 minutos da etapa complementar. O torcedor anilado sonha com que o NEGRO GATO repita o feito.  A papada reza para o time não ficar hipnotizado pelo balão do goleiro adversário no final do jogo…

Paulinho Macaíba marca aos 46' do 2T e o Noia elimina o Ju no Gauchão. Foto: Bruno Colombo/ECNH

Cada qual jogando uma pedra na cabeça de Lisca,
Zezinho e Franco Garibaldi 

Publicado em Copa FGF 2012, Copa RS 2012, Juventude, Novo Hamburgo com as tags , , , , , , , , , , . ligação permanente.

2 Respostas a Um médico e dois monstros

  1. Vítor Dias diz:

    Outra família Cunha Lima fazendo coronelismo por aí? Espero, ao menos, que nenhum deles tenha o histórico de ter atirado em ex-mandatários juventudistas…

  2. Daroit diz:

    “Final antecipada” um caralho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *