O Xavante vence o primeiro jogo das oitavas com gol de “prata da casa”

Jogando em Porto Alegre, a delegação Xavante foi ao estádio Estrelão para enfrentar o Cruzeiro. Engana-se quem pensa que os jogadores estariam sozinhos. Segundo os radialistas pelotenses, 400 guerreiros Xavantes compareceram e empurraram os que estavam dentro do gramado.

Válida pela primeira partida das oitavas de final da Copa Hélio Dourado, o Xavante tentaria trazer para Pelotas um resultado que desse alguma vantagem. Melhor do que encomenda, a equipe rubro-negra jogou bem e conquistou uma importante vitória.

Num vento À LA KATRINA as equipes duelavam. O jogo era equilibrado, mas os índios Xavantes detinham o maior controle da partida. O Leão da Montanha, por sua vez, era o dono da casa e não iria deixar aquela indiada de vermelho tomar conta de tudo. O zagueiro rubro-negro Cirilo, no entanto, tratou de apresentar a tribo aos donos da casa. Aos 35 do primeiro tempo, subiu mais do que todo mundo e cabeceou, mas a pelota foi para fora. Em seguida, o pequeno e ágil Alex Amado fez bela jogada e quase marca.

Os times foram aos vestiários no intervalo da partida. A torcida Xavante, no entanto, foi ao “mercadinho”. Segundo torcedores rubro-negros, houve a comercialização de bebida alcóolica no Estrelão. A bebida acabou no intervalo. Porém, os torcedores puderam ir ao mercado mais próximo comprar mais e regressar à arquibancada. Que luxo.

Na volta do intervalo, os índios voltaram melhor e mais agressivos. Logo aos 10 minutos, o zagueiro Cirilo, que é formado na base do Grêmio Esportivo Brasil, testou a pelota, que morreu no fundo das redes. Festa da indiada que lotou o seu espaço na arquibancada. 1 a 0, Brasil.

Com o gol adverso, o Leão da Montanha precisou partir para a agressão. Paulo Sérgio, do Cruzeiro, por volta dos 20 minutos da segunda etapa, exigiu grande defesa de Luiz Muller. O Brasil decidiu esperar o adversário e contra-atacá-lo sempre que fosse possível. O Cruzeiro continuou em cima com Welder. O índio se defendia. A vitória não poderia escapar!

Márcio Jonatan entrou na partida no lugar de Alex Amado. O guri, descansado, incomodou a zaga adversária. Teve a chance de liquidar o duelo em três boas oportunidades, mas apenas o gol de Cirilo, desta vez, bastou. Vitória Xavante na capital gaúcha e festa dos índios na arquibancada.

Foi a paixão movendo montanhas. Pior ao Leão.

Engana-se, no entanto, quem pensa que tudo está resolvido. No próximo domingo, dia 21, na Baixada, há o segundo confronto pelas oitavas de final. O empate basta ao Xavante, mas ainda restam 90 minutos de muita briga. Que a tribo se mobilize, pois o Leão da Montanha jogará pela sobrevivência.

As fotos são de Carlos Insaurriaga e da XASC (Xavantes de Santa Catarina).

FICHA

Cruzeiro: Fábio; Cláudio, Rogério, Léo Carioca e Tatto (Rodrigo Vareta); Reinaldo, Faísca (Adilson), Helton e Bruno; Paulo Sérgio e Maxwall (Welder). Técnico: Beto Campos.

Brasil: Luiz Muller; Wender, Jonas, Cirilo e Edu Silva (Tiago Saletti); Leandro Leite, Washington, Moisés e Marcos Paraná (Alexandre); Marcos Denner e Alex Amado (Márcio Jonatan). Técnico: Rogério Zimmermann.

Gol: Cirilo (Brasil).

Cartões amarelos: Cirilo, Edu Silva e Washington (Brasil); Cláudio (Cruzeiro).

Arbitragem: Márcio Coruja, auxiliado por Alexandre Kleinich e Paulo Ricardo Conceição.

“Salve o Brasil, o campeão do bem-querer”,

Pedro Henrique Costa Krüger

Publicado em Brasil de Pelotas, Copa RS 2012, Cruzeiro com as tags , , , , , , , . ligação permanente.

7 Respostas a O Xavante vence o primeiro jogo das oitavas com gol de “prata da casa”

  1. “Os times foram aos vestiários no intervalo da partida. A torcida Xavante, no entanto, foi ao “mercadinho”. Segundo torcedores rubro-negros, houve a comercialização de bebida alcóolica no Estrelão. A bebida acabou no intervalo. Porém, os torcedores puderam ir ao mercado mais próximo comprar mais e regressar à arquibancada. Que luxo.”

    MELHOR ESTÁDIO DO MUNDO FIFA. Que pode ter tido sua última partida oficial, já que o Cruzeiro está de mudança para sua (mais uma) “arena”…

  2. Fleck diz:

    Ahhh capaz que tinha alcool na torcida visitante? Se eu soubesse…

    Fui no jogo, como porto-alegrense e morador da Protásio Alves que nunca tinha pisado no Estrelão, sabendo da possibilidade de ser o último jogo do estádio, criei vergonha na cara e fui pra cancha…

    Após pegar o onibus com 2 Xavantes e ver a forte movimentação rubro-negra fora do estádio, pensei em ir na torcida visitante, mas como sou muito branco e tava um solzinho relativamente forte, fui na torcida local que tinha setor coberto… Muito afudê o jogo…

  3. Bah, eu sou um dos que nunca fui e, agora provavelmente, nunca terá ido ao Estrelão ver um jogo :/

  4. pedrohckruger diz:

    #2

    Massa o relato, Fleck. Estás convidado a visitar o Bento Freitas :)

    Abs.

  5. Fleck diz:

    #4

    Valeu… Bento Freitas com certeza é um dos 100 estádios que eu tenho que visitar antes de morrer, de preferencia em um BraPel…

  6. Cirilo avança para o panteão dos autores de feitos inolvidáveis do futebol gaúcho ao assinalar aquele que foi, e será, o último gol testemunhado no Estrelão.
    Abraço xavante a todos. Não pensei que havia tanto insano quanto a gente, irmãos, amantes das singelezas da vida. Abração!

  7. Pingback: Verás que um filho teu não foge à luta | Toda Cancha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *