Após derrota no jogo de ida, Xavante aguarda a última batalha

Final da Copa Hélio Dourado. Para o duelo, cerca de trezentos índios Xavantes saíram da tribo rumo a Caxias do Sul. Enquanto isso, a Papada aguardava ansiosa pela PELEIA. Já no Jaconi, os índios que compareceram faziam o seu barulho para levar aos jogadores toda a motivação do mundo. O time Xavante pisou no gramado com tinta da cor vermelha e negra no rosto, prontos para a guerra.

O ímpeto gerou um golpe logo no início. A torcida da casa ainda entrava no estádio quando Marcos Paraná faz belo lançamento e o índio goleador Marcio Jonatan lança uma FLECHADA à queima-roupa. Golaço e 1 a 0 no placar. Os índios nas arquibancadas comemoravam com os arcos na mão. O Brasil era melhor e parecia não temer o adversário. Perdeu grande chance num contra-ataque feroz, mas Marcio Jonatan pegou muito mal na bola. No fim do primeiro tempo, a reação da Papada: Zulu – sempre ele! – recebe um cruzamento de cabeça e desvia para o gol. 1 a 1. O placar ainda era bom aos Xavantes, mas algo dizia que as coisas poderiam piorar…

No segundo tempo, Rogério Zimmermann começou a recuar o time. O tempo ia passando e o Juve crescia em campo. No rubro-negro, saiu atacante, entrou zagueiro. No lado verde – a turma da Kombi da esperança –, entrava atacantes. O jogo foi ficando dramático. O único ataque Xavante de perigo foi com o baixinho Alex Amado. Após receber bom passe, fuzilou; mas a pelota carimbou a trave e por pouco o Xavante não chegou ao segundo gol.  Depois disso, mais nada houve. Só dava ataque contra defesa, Papos contra Xavantes. Os índios, por sua vez, não estão munidos de escudos e após tantas AGRESSÕES, o golpe final. Após cruzamento, Maurício testa a pelota sem chances para Luiz Muller. 2 a 1, e festa no Jaconi. O Brasil, sentindo o PERIGO, fez de tudo para não levar o terceiro – e provavelmente mortal – gol. No fim, os Xavantes sentiram ALÍVIO ao escutar o apito final.

A batalha final acontece neste domingo no estádio Bento Freitas, que certamente estará ABARROTADO. Há fila nos arredores do estádio. Portanto, atenção Xavantes:

A guerra se aproxima!

Torcida Xavante, na saída do estádio, é recepcionada pela cavalaria

Segundo torcedores, a Brigada Militar agiu de forma violenta sem qualquer motivo para isso. No vídeo abaixo dá para se ter uma ideia do que aconteceu, principalmente na parte final da filmagem. Tirem suas próprias conclusões.

FICHA

Juventude: Fernando, Ramiro, Bressan, Rafael Pereira e Alex Telles; Fabrício, Nem (Maurício), Jardel e Francisco Alex; Rodrigo Dantas (Dede) e Zulu. Técnico: Lisca.

Brasil: Luiz Muller, Wender, Jonas, Fabiano Eller e Edu Silva; Cirilo, Leandro Leite, Alexandre (Éder Silva) e Marcos Paraná (Anderson Ataíde); Alex Amado e Márcio Jonatan (Tiago Saletti). Técnico: Rogério Zimmermann.

Gols: Zulu e Maurício (Juventude); Marcio Jonatan (Brasil).

Cartões amarelos: Wender (Brasil).

Arbitragem: Anderson Daronco, auxiliado por Marcelo Barison e Rafael da Silva Alves.

“À espera da batalha final”,

Pedro Henrique Costa Krüger

Publicado em Brasil de Pelotas, Copa RS 2012, Juventude com as tags , , , , , . ligação permanente.

4 Respostas a Após derrota no jogo de ida, Xavante aguarda a última batalha

  1. Giaretta diz:

    Lamentável a ação da política…

  2. Lucas diz:

    todo mundo sabe como é a policia,mas que quebraram o banheiro dos visitantes quebraram …

  3. Lucas diz:

    principalmente a policia de caxias que é uma das piores que tem

  4. pedrohckruger diz:

    # 2

    Sim, Lucas. Conversei com o grande Franco e com o Pedro Torres, ambos Papos, e eles me relataram isso. Minha parte final do texto retrata o que aconteceu com a BM. Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *