Uma luz no fim do túnel – que não seja o trem vindo na direção contrária

Gilmar Iser deixa o Noia pela SEXTA vez. Foto: Bruno Colombo/ECNHEl PETROLERO Denis, anilado de quatro costados, leitor do Toda Cancha e que estava no Estádio do Vale, traz seu relato sobre Noia e São José, partida disputada ontem no SAPATÃO (não confundir com a churrascaria – ótima – do Roselândia).

Evolução do time. É nisso que a torcida anilada está se apegando para não entrar em paraNóia logo na segunda rodada do Gauchão, após a derrota de 2 a 0 contra o Zequinha no Estádio do Vale. Em relação ao primeiro jogo contra o VEC, aonde o Nóia apresentou um domínio nos primeiros 20 minutos de jogo, o apagão dessa vez também ocorreu a partir dos 20 minutos, porém do segundo tempo. Até aí, o Anilado do Vale apresentou um bom toque de bola, consistência na marcação e criação de oportunidades. Faltou colocar a bola pra dentro.

As quatro alterações promovidas pelo técnico Gilmar Iser para o início do jogo surtiram efeito. Logo aos 10 minutos de jogo, após cobrança de escanteio, o zagueiro Baggio cabeceou como manda a cartilha: a bola beijou o chão, fugiu do alcance do arqueiro Carlos Vitor, porém uma terceira trave enterrada no meio do gol tirou a bola de cima da linha. Aos 15 minutos, Macaíba deixou o marcador pra trás numa jogada pela ponta esquerda, serviu Giuliano na entrada da área que, de primeira, deu uma rosca tirando tinta da trave. O goleiro Gott não foi exigido e o primeiro tempo acabou sem muitas emoções.

Na segunda etapa, o Nóia voltou com Vinicius no lugar do multirodado Marcio “Rã”, que já tinha levado cartão amarelo logo com um minuto de jogo. O furacão anil partiu pra cima. Em 5 minutos Macaíba perdeu duas chances de balançar as redes. Na primeira delas, limpou da entrada da área e chutou longe do gol. Na segunda, após cruzamento de Carlinhos, errou a cabeceada da pequena área. Aos 12 minutos, Giuliano acertou uma bomba da intermediária que fez entortar o travessão adversário. Mas a pressão terminou por aí.

A partir dos 15 minutos, o Zequinha entrou na partida e começou a testar o goleiro Gott com chutes de fora da área. Aos 23 minutos, num enrosco na área anilada, o lateral Carlos Eduardo dominou a bola no peito, mas a única pessoa que viu uma mão na bola foi a bandeira auxiliar. Pênalti para o Zequinha, revolta anilada, chute forte no meio do gol. Cléber Oliveira abre o placar.

Três minutos depois, Gott protagoniza milagre após vacilo da zaga. O anilado não se achava mais em campo e, no único suspiro de reação, o juiz não assinalou pênalti a favor do Novo Hamburgo após Guilherme levar um meia-lua-pra-frente-Y no meio do nariz. Em seguida, num contra-ataque e em outra falha grotesca do zagueiro Baggio (pior da partida), o Zequinha sacramentou a vitória com gol do Lucas Gaúcho. O Zequinha deixou de empilhar mais gols e voltar para Porto Alegre com um saldo que não caberia em dois vagões do Trensurb.

Fim de jogo, revolta dos torcedores, que foram para a frente do vestiário protestar contra a direção, contra o time, contra o presidente, contra a PM que não deixa ficar na grade. Mas após três aspirinas AS, cabeça no travesseiro e emoção contida, percebo um Novo Hamburgo em evolução. O time cria, usa as laterais dos campos, tem troca de passes, cria oportunidades. Não é hora de derrubar técnico. O que houve foram problemas com um ou dois jogadores que viraram Zumbis depois dos gols sofridos, prejudicando a equipe como um todo. Gilmar tem conhecimento para corrigir ou tirar esse pessoal, e já buscar o início de uma reação contra o Juventude, consolidando-a contra o Inter B no decorrer da próxima semana.

Nota da redação: pouco antes desse texto ir ao ar, Gilmar Iser foi demitido do comando anilado, junto com o vice de futebol Raul Hartmann. Itamar KOJAK Schulle deve assumir (ui).

Especialmente ao Toda Cancha, diretamente da Vila Marte,
Dênis Giesch Utzig

Publicado em Gauchão 2013, Novo Hamburgo, São José com as tags , , , , , , . ligação permanente.

3 Respostas a Uma luz no fim do túnel – que não seja o trem vindo na direção contrária

  1. Daroit diz:

    MAS JÁ?

    E assim acaba a carreira de Gilmar Iser no futebol profissional. Pode desistir que já era.
    E, de qualquer forma, acho que o Itamar não é muito melhor, não. Só Macaíba pode salvar.

  2. Gilmar seguindo os passos de Leandro Machado e sumindo no mundo do futebol, outrora tidos como possíveis treinadores que romperiam as fronteiras do Rio Grande…

  3. Vítor Dias diz:

    Leandro Machado que afundou o Coelho em 2007 pro MÓDULO DOIS. Belo rompimento de fronteiras…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *