Para tantas cores, quatro retinas

1 Pouco antes das 20h da última quarta, Veranópolis e Lajeadense entraram em campo no FARINÃO, mas desta vez sem o tradicional foguetório receptivo. Perfiladas, as duas equipes adentraram juntas e sob aplausos da torcida reuniram-se no círculo central em forma de homenagem as vítimas de Santa Maria.

Separados por um campo: no lado Pentacolor da arquibancada estava o cancheiro Matheus Primieri e, do lado Frukeño, o cancheiro Guilherme Daroit. Leia abaixo tudo o que nós vimos – ou não – desta peleja que terminou em 1 x 1.

Jogando em casa e vindo de derrota vencer era obrigação do Pentacolor, independente de adversário, e por isso o time veranense iniciou o jogo com uma postura digna de quem tinha que ganhar. Pressionando a saída de bola, trocando passes no campo adversário, alçando bolas na área e rematando em direção a baliza freqüentemente o VEC dominou o primeiro tempo, mas não foi suficiente para sacudir as redes.

598911_508643375847454_1135423708_n

Já o Lajeadense, na maior parte do jogo, repetiu o quadro de AMARGURA demonstrado nas duas primeiras partidas. Do início do jogo até por volta dos 10 minutos do segundo tempo, o meio-campo celeste novamente não funcionou, dando total espaço ao escrete PENTACOLOR – principalmente LÊ, que passava como queria por todo mundo – e, pior, criando quase nada. Em todos esses quase 60 minutos de futebol, a única chance criada pelo alviazul surgiu de uma triangulação de cabeça após uma cobrança de escanteio, que resultou em um gol anulado por impedimento (que morreremos sem saber se a marcação foi acertada) de Jandson. Houve, também, uma tentativa de contra-ataque dois-contra-um, que acabou sendo desperdiçada após escorregada do mesmo Jandson ao dar o PASSE FATAL que provavelmente resultaria em gol de Rafael Aidar.

Postado como sempre em um 4-2-3-1, mas desta vez com Valdo e Juca iniciando entre os onze iniciais o VEC meteu duas bolas na trave (Valdo e Lê) e abusou de perder gols. Em certos momentos do primeiro tempo o Veranópolis chegou a ter posse de bola BARCELÔNICA (fonte: eu mesmo instituto de estatística) o que acabava realçando as dificuldades já mostradas em outros jogos como a incrível capacidade de ERRAR o último passe e as recorrentes SONECAS da dupla de zaga.

Na segunda parte os FLANCOS frukeños finalmente funcionaram, com os dois laterais de graça MÁRCIO (Gabriel e Goiano) mostrando alguma capacidade de vencer os adversários na corrida e, no ataque, volta e meia se ASSANHANDO pra área do VEC. Mereceram destaque também os dois atacantes, que mataram no peito a baixa do artilheiro do clube em 2013, MAYCON EL DIABLO BAMBERG, que deixou o Vale do Taquari para encher o cu de grana nas bandas das Arábias.

Apesar da evolução do Lajeadense quem abriu o placar foi o time serrano com o goleador e fã de Angus Young, LÊ. Em jogada que parecia que não ia dar em nada, o atacante recebeu um belo passe – sem querer – de Valdo e invadiu a área adversária pela esquerda chutando forte por baixo das pernas de Eduardo Martini. Festa na terra da velhice!

Após o gol da esquadra que causa problemas a Previdência Social, Flávio Campos ouviu aos apelos do MUNDO e colocou Rudiero em campo, no lugar de um desaparecido meia Léo Franco. E, em poucos minutos, o MESSI DE RONDINHA mostrou, novamente, que não pode, JAMAIS, ser reserva, dando outra vida à meia-cancha celeste e repetindo as boas atuações que já havia realizado nas duas primeiras rodadas. Num golpe meio de SORTE, logo após a substituição surgiu o gol de empate celeste. Em cruzamento pra área em cobrança de falta, a bola PERERECOU e sobrou para o volante Ramon Monteiro, que de cara pra goleira conseguiu chutar em direção à LINHA LATERAL. Pra sorte dele e de todos nós, no meio do caminho estava outro volante, Reinaldo, que interceptou a pelota e a mandou pras redes.

14559124

Com o empate, que DESNORTEOU o Veranópolis, e a segurança trazida pelo ingresso de Rudiero, que além de jogar muito bem ainda fez com que os outros dois volantes citados no lance do gol se achassem em campo, o Lajeadense passou a AMASSAR o Pentacolor, na primeira aparição de um verdadeiro bom futebol dos lados celestes no campeonato. De boas atuações até aqui, NEGO JANDSON, sempre combativo e vencendo todas as disputas de cabeça após os milhares de BALÕES RUMO AO NADA vindos da defesa, teve duas chances claríssimas de gol: na primeira, entrou livre após o zagueiro Fred ser driblado pelo QUIQUE DA BOLA, tentou encobrir o goleiro com um toquinho, mas acabou encobrindo também a baliza; na segunda, entrou novamente cara a cara com o arqueiro e mandou a BUCHA, alta e com endereço certo, brilhantemente defendida por João Ricardo (nem nome de goleiro isso é).

Outras chances também foram criadas dos pés do meia Rennan Oliveira, que mandou PATADAS de bola rolando e em cobrança de falta que passaram POLEGADAS acima ou ao lado da goleira.

Perto do fim com a entrada de Júlio Maranhão como PONTA ESQUERDA o VEC ainda retomou o domínio da partida, encurralando o Lajeadense em seu campo e obrigando Flávio Campos a colocar um terceiro zagueiro em campo, mudando para a sensata tática 5-3-2.  O que, no fim das contas, deu certo, garantindo o pontinho fora-de-casa  que, diferentemente do empate trazido do Jaconi, deixa um clima de ESPERANÇA pela visível evolução do time demonstrada no segundo tempo no FARINÃO após a entrada de Rudiero.

313815_508533775858414_334622745_n

Pontinho este que não serviu ao Veranópolis. Em campeonato de tiro curto como é o Costelão vencer em casa é dever e agora o Pentacolor terá que buscar fora os pontos perdidos na humilde residência.

Ficha técnica

VEC 1 (Lê) x 1(Reinaldo) Lajeadense

Veranópolis: João Ricardo; Ednei, Fred, Jonas e Juca; Escobar (Saulo), Márcio Reis, Eduardinho (Leandro Diniz) e Juninho (Maranhão); Lê.

Lajeadense: Eduardo Martini; Márcio Gabriel, Micael, Gabriel e Márcio Goiano; Reinaldo, Ramon, Léo  (Rudiero) e Rennan; Aidar (Josimar) e Jandson.

Guilherme Daroit e Matheus Galli Primieri

Publicado em Gauchão 2013, Lajeadense, Veranópolis com as tags , , , , , , , , , , . ligação permanente.

Um comentário em Para tantas cores, quatro retinas

  1. Gordinho Renan Giotta diz:

    Venho acompanhando os textos do vec aqui, muito bom ótimo trabalho!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *