Só faltou o quentão

POR DO SOL 3

No Arraia do Vermelhão da Serra teve de tudo que uma boa festa junina necessita. Teve pescaria (mais de 15 impedimentos), teve quadrilha (3 reais num pastel que tinha duas colheres de sopa de carne), teve aquele jogo das argolas (onde os pinos eram os zagueiros do Passo Fundo que não PULARAM EM UMA BOLA NA ÁREA), teve prêmio (pro bom time do Santa Cruz, que surpreendeu e fez uma bela partida), teve casamento (Glauber e Charles Moura que se atropelaram mutuamente e saíram embora juntos) e balões, MEU DEUS, quantos balões.

Batida

A verdade é que estamos em fevereiro não em junho, e até onde eu me informei o campeonato gaúcho é pra ser jogado por 11 JOGADORES, coisa que o Passo Fundo esqueceu pro jogo dessa quarta-feira. Ao contrário da partida contra o Canoas, que só Deus sabe como o Passo Fundo foi, contra o Santa Cruz o jogo era em casa e ainda por cima com transmissão da televisão. Somente 7 entraram em campo, os 4 jogadores do meio campo só conseguiram um torcicolo de tanto olharem pra cima e verem a bola cruzando de um lado pro outro (menos NEGO CLAITON, que com sua genética privilegiada não precisava movimentar o pescoço para acompanhar a bola).

O Passo Fundo usava a força de uma Hidrelétrica pra tentar acender uma Lâmpada, mas nem mesmo uma Itaipu salvaria o tricolor do Planalto Médio de um resultado diferente. Desorganizado e indo somente no grito da torcida o Passo Fundo até começou pressionando o Santa Cruz. Na base do chuveirinho de todos os lados e distâncias possíveis os descomandados de Atollinni chegaram ao 1 a 0 com o zagueiro uruguaio MARIO.

Enquanto a torcida comemorava e esperava uma futura calma do time da casa, ocorreu exatamente o contrário, o Santa Cruz agia como o time que estava ganhando e com a bola trabalhada conseguiu o empate ainda no primeiro tempo, cruzamento vindo da direita e Elton, livre só empurrou pro gol para empatar o placar perto do fim da etapa inicial.

Enquanto quem foi ser ASSALTADO na lancheria na compra de algo pra comer ainda estava atordoado procurando a carne do pastel e o lugar onde estava sentado, o Santa Cruz tratou de mostrar quem era o Galo que ia colocar as prendas pra dançar, com calma, bola no chão, com direito inclusive a corta luz e chute chapado no ÂNGULO, GO-LA-ÇO.

E se com 0x0 e com 1×0 o Passo Fundo já parecia desesperado, com a derrota então o desespero foi completo, dizem que Chiquinho entrou no lugar de Claiton no intervalo, mas teve uma presença tão marcante quanto a carne no meu pastel (sim, ainda estou reclamando disso). Na verdade, justiça seja feita, tirando os 15 minutos que Diego Miranda resolveu dar o ar da graça, de resto todos os 6 jogadores que atuaram pelo meio campo tricolor foram meros espectadores.

area vip

Mesmo assim, na base do desespero e graças a mais uma bola parada, João Paulo empatou para o Passo Fundo. O que foi suficiente para levantar a torcida, mas não para acalmar o time, que continuou perdido em campo e sendo dominado pelo Santa Cruz. Escanteio cobrado na área do Passo Fundo e Diego Teles, com um salto pra pulador de fogueira nenhum colocar defeito deu números finais a partida.

Placar final 3×2. O Santa Cruz consegue sua primeira vitória, o Passo Fundo perde um jogo que JAMAIS poderia pensar em empatar, ressuscita um adversário direto na briga pela permanência no COSTELÃO 2014 e assusta a torcida que não faz a menor ideia do que esperar para os próximos jogos. De bonito para a torcida que se fez presente foi visualizar o por do sol no segundo tempo.

por do sol 2

PASSO FUNDO: Bruno Grassi, Jeferson, Mario, Glauber (Bergamin) e Xaro; Janderson (Marcus), Gil, Claiton (Chiquinho) e Diego Miranda; Guto e João Paulo. Técnico: Ricardo Attolini.

SANTA CRUZ: Fernando Vizzotto, João Neto, Teda, Marx Ferraz e Wellington Baroni; Diego Telles, Maurinho, Elton (Felipe) e Cleiton; William Saldanha (Gabriel) e Charles Moura (Brasão). Técnico: Tonho Gil.

GOLS: Mario (PF), aos 35, e Elton (SC), aos 43 minutos do primeiro tempo; Charles Moura (SC), a 30 segundos, João Paulo (PF), aos dois, e Diego Teles (SC), aos 26 minutos do segundo tempo.

ARBITRAGEM: Eleno Todeschini, auxiliado por Marcelo Barison e Alduíno Mocelin.

LOCAL: Estádio Vermelhão da Serra, em Passo Fundo.

Direto da capital do planalto médio, Fred Salomão.

(Todas as fotos são de Guilherme Andrighetto Teixeira)

Publicado em Gauchão 2013, Passo Fundo, Santa Cruz com as tags , , , , , , , , , , , , , , , . ligação permanente.

5 Respostas a Só faltou o quentão

  1. Guilherme Teixeira diz:

    Poderia ter sido pior, pelo menos o pastel não fez mal (talvez pela falta de carne).

  2. VITOR SAYDELLES diz:

    é por esta e, por outras histórias, que sempre defenderei a existência do Campeonato Gaúcho.

  3. Só faltou a PRISÃO, tinham que prender os 2 laterais do Passo Fundo.

  4. “menos NEGO CLAITON, que com sua genética privilegiada não precisava movimentar o pescoço para acompanhar a bola”

    muito boa!

  5. Secorun diz:

    Mas tá tão ruim assim mesmo ?

    Fui no passo da areia domingo passado e tinha ficado com uma impressão boa do time .Passo Fundo jogou bem contra o Zequinha , meteu duas bolas na trave e não merecia perder .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *