Para torcer pro Galo se necessita um pouco de loucura

Foto 1 - PRIMEIRO JOGO

Bueno xiruzada, GALO campeão da Copa Centenário! Dois jogos feios, mas lindos ao mesmo tempo. Feios na parte técnica, jogo pegado, chute, balão e carrinho. Lindos pela emoção que proporcionaram tanto aos torcedores alvinegros, quanto aos periquitos.

Capítulo I – Os Eucaliptos

O Galo Carijó chegava como favorito no jogo de ida, fato que já me assustava um pouco. O time do Avenida tinha levado QUATRO do Aimoré e, alguns dias depois, tomou uma roda do Riograndense-SM.

Logo no início do jogo, Léo Maringá, de falta, abriu o placar pro ALVINEGRO. Mas ainda no primeiro tempo, o Avenida empatou e virou a peleia, Alexandre foi quem marcou os dois gols.

Foto 2 - PRIMEIRO JOGO

No Segundo tempo o Avenida ficou com um jogador a menos. Carlos Alberto foi quem conseguiu a façanha de ser expulso. Com um jogador a mais, o jogo era todo do GALO, mas sem Charles, artilheiro Carijó, ficou difícil de empatar. Aos 40 minutos do segundo tempo, batendo água, Anderson Gomes, embaixo dos paus, perdeu a melhor chance de empate pro GALO.

Apesar do BAITA segundo tempo do time do Santa Cruz, a equipe não conseguiu o segundo tento. Sem esquecer e tirar os méritos do goleiro Daniel que fechou o gol do PERIQUITO.

Foto 3 - PRIMEIRO JOGO

No final do jogo a torcida Alviverde pedia o fim da peleia, para comemorar o fim de um jejum de 13 anos sem vencer o Santa Cruz e 29 anos sem vencer o GALO EM CASA.

Capítulo II – Os Plátanos

Tchê, não tem como, que me perdoem os torcedores do Avenida, mas – antes do jogo – o Galo com 63 vitórias e o Avenida 18, por mais que o Santa Cruz esteja mal e o Avenida esteja MUITO bem, a tradição SEMPRE, eu digo SEMPRE falou e, espero, continue falando mais alto. Só pra refrescar um pouco a memória de vocês: no ano passado, o Avenida estreou no TARSÃO com uma vitória sobre o INTERNACIONAL. Já o Galo, tomou 3 x 0 do Cruzeirinho. O AveCruz era a segunda rodada. Final: 2 a 0 pro Galo.

foto 1 - SEGUNDO JOGO

O Carijó já começava o jogo com a obrigação de ganhar. Sem o saldo qualificado, qualquer vitória por parte alvinegra levaria o jogo aos pênaltis. O Avenida precisava de um empate ou, claro, de uma vitória para sair campeão.

Começou a peleia e mesmo jogando fora, o Avenida não se APEQUENOU em frente ao Galo e começou melhor em campo. Aos 12 minutos, Rincón  arriscou de fora e a bola bateu, caprichosamente, no travessão! O Avenida continuou bem no jogo, mas sem criar muitas chances. O Galo como jogava em casa foi pra cima, mas também não levava perigo para o goleiro alviverde, Daniel.

Com 19 minutos o Alvinegro resolveu tacar no fogo bolicho. João Neto cruzou, a zaga do Avenida cortou e no rebote Cleiton deu um balaço pra dentro do arco alviverde.  1 a 0 nós.

Pierre adiantou a bola numa jogada que parecia perdida, mas o xiru conseguiu buscar e cruzar rasteiro para a área carijó, a defesa do Galo dormindo deixou Danilo Martins empurrar pra dentro e marcar o GOLO de empate do periquito.

No clima de AveCruz, o jogador alviverde comemorou o gol imitando uma galinha, na frente da torcida carijó. Pra que!? Estava formado o tumulto. Por sorte, logo terminou o primeiro tempo e os jogadores foram acalmar os ânimos no intervalo.

Começava o segundo tempo e com o jogo em 1 x 1, quem conquistava o titulo era o time dos Eucaliptos. Che, sabe quando começa a dar aquele aperto no coração, o tempo vai passando e tu vê que o teu time não consegue chegar ao gol? Pois é, era falta e falta pro time Alvinegro, mas todas mal batidas. As famosas faltas CONSAGRA ZAGUEIRO, de frente pra área, a bola vem fraca, um doce pra zaga adversária.

Depois de um princípio de BOLOR na linha de fundo, João Neto e Willian Ribeiro foram expulsos. O galo teve um gol anulado, o que levou a torcida Carijó a loucura. Os dois times trocaram quase todos os jogadores.

Aos 21 minutos, que pra mim já pareciam 40, o GALO conseguiu o gol da vitória. Depois da zaga do Avenida afastar, Léo Maringa dominou e  cruzou para Anderson Gomes completar de cabeça e fazer 2 x 1 Santa. Depois do gol o tempo simplesmente parou. Muito sofrimento e pressão do Avenida, mas não adiantou. No apito final de Anderson da Silveira Farias estava encerrado mais um clássico AveCruz.

Gran finale

Foto 3 - SEGUNDO JOGO

Com a igualdade em pontos e saldo nos dois embates, a decisão de que levaria a taça passou aos penais.

Só pra deixar mais emocionante, Baroni perdeu o primeiro pênalti pro Galo.  Além dele, Julinho, guri vindo da base, perdeu também.  Jone e Luiz André perderam para o Avenida. Já nas alternadas, Nunes perdeu o pênalti para o Avenida e Sidrailson (melhor nome FIFA) converteu pra nós levando a torcida alvinegra a loucura. Apesar de ser uma copa meio fajuta, sempre é bom ganhar do co-irmão. A taça ficou nos Plátanos.

foto 2 - SEGUNDO JOGO

Do cancheiro carijó,

João pedro Brum

(As fotos são do Portal Gaz)

Publicado em Amistoso, Avenida, Santa Cruz com as tags , , , , , , , , , . ligação permanente.

3 Respostas a Para torcer pro Galo se necessita um pouco de loucura

  1. Régis diz:

    Sidraílson marcou TREZEGUET já!

    Melhor nome da história. ahuehaehaeh

  2. Vicente diz:

    por que torneios amistosos tem taças gigantescas?

  3. Pedro Torres diz:

    #2
    Haha, essa é boa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *