Queimou a gordura

aylon“Tem uma gordura pra queimar, tá SAFO…”. Frase clássica nas prosas futebolísticas.  O Leão do Parque foi ao norte do estado nas duas rodadas anteriores parecendo uma TIRIÇA. Na liderança, porém sem nenhuma fartura. Voltou do planalto médio tal qual um GORDO ROLIÇO, cheio de tecido adiposo para queimar e 9 pontos acompanhados de 100% de aproveitamento. Mas, num domingo de sol, um dia próprio pra comer uma COSTELA 12 horas diretamente de Santa Maria e enriquecer ainda mais a PANÇA rubro-verde, o Inter veio feito um GALGO e fez o sampa  pelear em busca da vitória. Resultado: um empate amargo para os rubro-verdes que estão um pouco mais magros na tabela. Já para os comandados de Badigol, objetivo alcançado.

E é com essa comparação TOSCA que vos introduzo ao que ocorreu na Noiva do Mar.

4 mil ingressos antecipadamente vendidos. Prenúncio de um caldeirão lotado. Tudo bem até aí. Porém, estamos falando do Estádio Aldo Dapuzzo. Os torcedores caturritas hão de concordar comigo: HÁ UMA MACUMBA NA CASA RUBRO-VERDE QUE NOS IMPEDE DE VENCER EM JOGOS COM LOTAÇÃO MÁXIMA. Uma mistura de pressão, com ansiedade e impaciência assola tanto aos jogadores quanto a torcida. Na verdade, o Leão já venceu muitos jogos com as arquibancadas tomadas, mas algumas partidas emblemáticas fazem com que a convicção na MACUMBA seja maior.

dapuzzo

Havia, na casamata adversária, o grande oponente do Sampa para o sarandeio que estava por começar. Badico, o BADIGOL, já foi ídolo no Leão do Parque quando balançava as redes adversárias com o manto rubro-verde. Estava justamente no seu conhecimento sobre futebol, o grande entrave do esquadro verde e vermelho. Sem querer levar sufoco, o Inter veio com a zaga e a meia cancha lotada de atletas. O objetivo era: “não deixaremos o São Paulo jogar, se der, jogamos nós.”

No primeiro tempo o São Paulo teve seus melhores momentos na partida, principalmente quando Aylon, aniversariante do dia, deixava a defesa Santa Mariense perdida com suas arrancadas. Aliás, o camisa 11 foi o melhor em campo. O único que, por alguns momentos, conseguiu furar a barreira do alvi-rubro. Em um  lance, deixou QUATRO marcadores sentados e mandou a gol para defesa de Marcio Kesler.

Outra MACUMBA que certamente assola o Dapuzzão é a escolha dos campos. Quando o Sampa ataca na goleira de fundo no primeiro tempo e ele termina zerado, vem chumbo grosso pela frente. É ZICA!

A segunda parte começou ruim, continuou mal e terminou péssima. Os comandados de Badico vieram dispostos a tentar alguma coisa, já que na primeira etapa pouco fizeram. Neste contexto, surgiu a arma do Inter: Ronaldinho, ELE MESMO, Gramadense. O camisa número meia-dúzia infernizou a defensiva rubro-verde e demonstrou ser a válvula de escape no esquema-ferrolho do alvi-rubro. Apesar de o arqueiro Luciano não ter trabalhado nas investidas do oponente, elas inspiraram temores aos caturritas.

torcidaLa maldición del Dapuzzo. Lotou, complicou.

Lá pelas tantas, um suplente colorado foi chamado para entrar em campo e recebeu a seguinte coordenada do técnico Badico: “entra lá, dá tudo de ti e faz o gol da vitória”. O cidadão resolveu fazer tudo ao contrário e foi pro chuveiro mais cedo quando levou o segundo amarelo. Entre uma lateral invertida, um cartão mal dado e falta de pulso para controlar os ânimos, o juizão parecia mais perdido que filho da %@#$ em dia dos pais – com o perdão da Sra. Mãe-do-juiz, apenas uma força de expressão minha.

A vantagem numérica não adiantou de nada, o São Paulo numa tarde pouco inspirada começou a tentar o chuveirinho na base do “vai que dá certo” e acabou não dando.

A gordura foi levemente TOSTADA e o certame voltou a embolar no grupo 1. Na próxima rodada o rubro-verde tentará manter a liderança contra o PEIXE Riopardense fora de casa, enquanto que o Inter receberá – se os bombeiros deixarem – o Avenida numa espécie de SESSÃO MATINÊ da segundona às 11h de domingo.

FICHA TÉCNICA:

Estádio Aldo Dapuzzo

07 de Abril de 2013

São Paulo (0): Luciano; Teko, Vagner, Rodrigo Ramos (Guilherme Moller), Alexandre Fonseca (Tainã); Carlos Alberto, Emerson Dantas, Fabiano Diniz, Saraiva (Maickel Gaúcho); Aylon e Alê Menezes. Téc.: Rudi Machado

Inter de Santa Maria (0): Marcio Kesler; Carlos Heitor, Betão, Valença, Ronaldo; Rossi, Marco Antônio, Josias (Wesley), Ito; Luis Fernando (Arpini) e João Leandro (Luís Felipe); Téc.: Badico

Arbitragem: Paulo Gutierres, Rodrigo Macedo e Rodrigo Tedesco; Rogério Espilman foi o 4º árbitro.

Cartões Amarelos: Wagner, Carlos Alberto, Émerson Dantas e Aylon (SP); Márcio Kessler, Valença, Ito, Luis Fernando, Marco Antônio, João Leandro e Wesley (I).

Cartões Vermelhos: Wesley(I);

As fotos são de Fabio Dutra/Jornal Agora, Pedro Figueiredo e Jota Finkler.

“Leão do Parque, glória e paixão, reina São Paulo no meu coração”
Matheus Almeida

Publicado em Divisão de Acesso 2013, Inter SM, São Paulo-RG com as tags , , , , . ligação permanente.

Um comentário em Queimou a gordura

  1. Subutzki diz:

    Num dia em que Alê Menezes, ele mesmo, errou o pé da bola dentro da área, não tinha como algo dar certo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *