Acabando com o tabu e com o sonho da classificação

3071103_orig

Última rodada da primeira fase da Divisão de Acesso, todos os confrontos no mesmo horário, torcedores e dirigentes com calculadoras na mão, combinando resultados e somando cada gol pra ver se a classificação viria. O Avenida enfrentou o Riopardense fora de casa, ambos os times precisando da vitória e combinação de resultados pra classificação se concretizar. Além da necessidade de vitória, o AVE-RIO vinha também com um tabu pro Periquito, afinal o Alviverde jamais havia vencido o Peixe no CLÁSSICO do Vale do Rio Pardo.

A chuva – que apareceu na sexta – deu uma trégua no sábado e colaborou com os torcedores que iriam ao Amaro Cassep. Ao adentrar o portão, a torcida alviverde já pode perceber o primeiro problema: nada de comemorar gol, pois a ARQUIBANCADA MÓVEL que comporta os visitantes é feita de tábuas soltas, onde cada movimento é um embalo e um risco diferente de cair na areia. Sim, areia.

5102315_orig

O campo, claramente menor que os Eucaliptos, deixava a impressão de que se o goleiro bater forte o tiro de meta, é risco de gol.

PERONHA em movimento e o Avenida abriu o placar logo no início da partida. Após cobrança de falta do baixinho Alexandre, Gavião voou mais alto que a defesa riopardense e, de cabeça, colocou a bola no fundo da rede. Resultado que, combinado com os outros, encheu o torcedor alviverde de esperança, os olhos brilhavam sonhando com a classificação ainda no primeiro turno. Pois naquele momento o Brasil-Far empatava em Camaquã e Panambi e São Paulo perdiam seus jogos. O primeiro tempo não foi muito apreciável, sem grandes emoções além do gol. Por vezes um dos times se arriscava ao ataque, porém sem conseguir a finalização. Restava ouvir o animado torcedor do Peixe gritando enlouquecidamente “vai pagar a conta da padaria!”.

Na volta do vestiário, o PERIQUITO partiu pra cima do PEIXE pensando ser uma águia atrás de alimento. Porém, toda a vontade do time santacruzense esbarrou num pequeno obstáculo: a PÉSSIMA pontaria dos atacantes. Em um festival de gols perdidos, o torcedor AVENIDENSE, com a orelha grudada no radinho, ainda acreditava nos resultados paralelos já que o time “NÃO SE AJUDAVA”. Não fosse suficiente a falta de competência dos atacantes, apenas o bandeirinha não percebeu a falta sobre PODADEIRO dentro da área do Riopardense. Penalidade não marcada e a mãe do bandeirinha sendo lembrada com veemência.

Gavião, que encaixotou a pelota no primeiro tempo, perdeu no mínimo três gols claríssimos no segundo, sem contar na bola cara a cara com o goleiro que Danilo Martins conseguiu a FAÇANHA de bater em cima do arqueiro do Peixe. Contribuindo ainda com o nervosismo alviverde, Pierre, que entrou na fase final da partida, conseguiu uma participação incrível no jogo: em quinze minutos, conseguiu errar um passe, fazer uma falta e ser expulso!

Com a desvantagem numérica, os 15 minutos finais quase mataram o torcedor Periquito do coração. Ainda ouvindo os outros placares, via o PEIXE se lançar ao ataque e engaiolar os visitantes em sua área e… adivinhem quem apareceu? Ele mesmo, o MILAGROSO Vanderlei, que com 5 defesas providenciais, cara a cara com os atacantes, segurou os donos da casa e garantiu a vitória pelo MAGRO 1 x 0.

Para terminar com qualquer esperança, a rádio anunciava o gol do São Paulo, que classificava o time da zona sul e fazia o AVENIDA, junto com o RIOPARDENSE, pensarem no segundo turno, em reforços URGENTES e dispensas também necessárias. O ALVIVERDE ficará com duas semanas de folga FORÇADA e, com isso, nós aqui pro Toda Cancha também, até a estreia no segundo turno contra o RIOGRANDENSE, em Santa Maria.

RIOPARDENSE
Thyago; Kauê (Nenesto), Caio, Cássio e Vinícius; Douglas, Rafael, Bolacha e Paulo Henrique (Alan); Geison (Maurício) e Tiago Matos
Técnico: Sérgio Perini

AVENIDA
Vanderlei; Teda, Rincón, Anderson Seffrin e Marciel; Nunes, Carlos Alberto (Danilo Martins), Luis André e Alexandre; Lucas Podadeiro (Pierre – EXPULSO) e Gavião
Técnico: Hélio Vieira

GOL
AVENIDA: Gavião (8min/1°T)

AMARELOS
AVENIDA: Luiz André, Teda e Marciel
RIOPARDENSE: Rafael e Caio

VERMELHO
AVENIDA: Pierre

ÁRBITRO
André Cieslak, auxiliado por José Inácio de Souza e Alduino Mocelin

LOCAL E DATA
Sábado, dia 4 de maio de 2013, no estádio Amaro Cassep, em Rio Pardo (RS)

 

Ainda indignados com os gols perdidos,

Sabrina Heming e Gustavo Werner

(As imagens são do site oficial do Avenida)

Publicado em Avenida, Riopardense, Série A2 2013 com as tags , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *