Quarenta e Cinco Minutos de Loucura vs. O Jogo Pela Dignidade

DSC05900A Baixada Melancólica em Santa Maria foi palco, na tarde do último sábado, de uma partida pautada na LOUCURA. Um Farroupilha desacreditado e cabisbaixo envolto numa crise financeira e estrutural chega de longa viagem momentos antes da partida direto para o gramado e abre um IMPROVÁVEL 2×0. Mas tudo muda drasticamente na segunda etapa quando o Internacional, com chances de classificação, protagoniza uma reação ENSANDECIDA para delírio dos seus torcedores…

Uma Virada que Contraria a Lógica

O relógio marcava algo perto das quatro e meia da tarde em Santa Maria. O árbitro Edegar da Silva Frick apontava para o céu e encerrava a primeira etapa de um jogo atípico. Atípico porque o Inter-SM, que lutava para se classificar e jogava dentro de seus domínios, no Estádio Presidente Vargas, perdia por 2×0 para um Farroupilha aparentemente desinteressado e sem nenhuma ambição no primeiro turno. Quem viu o colorado deixar o campo rapidamente rumo aos vestiários aparentando abatimento e parecendo ter acusado o golpe, certamente não poderia prever o que se sucedeu nos quarenta e cinco minutos seguintes. E, embora quase tudo na rodada tenha sido previsível, o que aconteceu na Boca do Monte nesse sábado não foi.

E tanto não foi que essa história poderia ser contada numa ordem que não obedece à cronologia natural. Como de fato não será. Atentemo-nos aos fatos mais interessantes, que mexeram com os brios do torcedor alvirrubro. O cenário era o seguinte: o Inter-SM voltava para o gramado do Presidente Vargas com o marcador apontando dois a zero para o adversário das bandas do sul. Os placares paralelos não ajudavam o colorado. Em Pelotas, o Brasil derrotava o Panambi por um a zero. Em Vacaria, o Glória balançara por duas vezes a rede do Santo Ângelo que, pelas informações que chegavam pelo rádio, mal chegavam ao gol adversário.

A missão, portanto, seria mais do que inglória. Não parecia possível que um dos times fosse deixar escapar a vitória e, mais incrível ainda, uma virada do Inter-SM, principalmente levando em consideração a primeira etapa feita pelo time de Badico. Mas o colorado voltou diferente para o gramado. Não apenas na escalação, quando João Leandro deu lugar ao estreante Paulinho, mas na postura. O Inter-SM passou a atacar o Fantasma, que tanto havia assustado na primeira etapa. Utilizando-se principalmente do lateral Douglas Tuchê como válvula de escape, o alvirrubro passou a dominar o jogo e a enfileirar chances perdidas, colocando inclusive bola na trave do goleiro Fabiano.

DSC05846

O primeiro gol, que de nada adiantaria se não viesse acompanhado de no mínimo outros três, parecia questão de tempo. Quando Arpini chutou de perna esquerda aos 29 minutos, Wesley estava no meio da área para pegar o rebote e dar início ao improvável. A partir daí, o time abafou o Farroupilha dentro do próprio campo. Numa sequência de bate-rebate dentro da área, o goleiro Fabiano derrubou Paulinho na área. O cartão vermelho apresentado ao goleiro veio com uma dose extra de euforia: o técnico Luizinho Vieira já havia feito as três substituições, e quem vestiu o fardamento do arqueiro foi o zagueiro Carlão, que só pulou para a foto. O também zagueiro Valença bateu alto e forte no canto direito, deslocando completamente o goleiro improvisado.

No final do jogo, na base do abafa, o Inter-SM se atirou ao ataque buscando o gol da vitória. Àquela altura, já era inútil. Todo o estádio já sabia que as vitórias dos rivais estavam consolidadas. O Inter-SM estava eliminado do primeiro turno da Divisão de Acesso. Mas os jogadores – muitos sequer sabiam e, se soubessem, pareciam não se importar – seguiam pressionando, até que Paulinho cabeceou sem precisar subir para vencer um Carlão sem vocação para estar ali, e que sequer ameaçou ir na bola. Fim de jogo e o Inter-SM não avançou, mas deixou o campo sob aplausos da torcida no Presidente Vargas.

Se retrocedermos mais no tempo e voltarmos à ordem cronológica, veremos o primeiro tempo de nervosismo do Inter-SM. Veremos também os gols marcados por Roger Bastos e Alex Goiano, para o Farroupilha. Veremos ainda o árbitro e o bandeira deixarem seguir um lance altamente duvidoso (para dizer o mínimo) no segundo gol do Fantasma, onde toda a torcida pediu que o auxiliar marcasse impedimento. Veremos também um time apático, que contrastou com uma equipe que, na segunda etapa, incendiou o jogo e mostrou indignação na derrota.

DSC05833

Veríamos, inclusive, o atraso para o início da partida por quase quinze minutos, quando não havia ambulância no estádio e, convenientemente, o jogo começou depois das outras duas partidas que interessavam ao Inter-SM. De nada adiantou. Esse foi apenas mais um detalhe numa tarde de loucuras. Mas acompanharíamos (apenas pelo rádio), fatos já esperados, que não ousaram contrariar a lógica: ainda muito cedo, Brasil e Glória consolidaram seus resultados, quando em Santa Maria ainda estava tudo na perfeita normalidade. Com tanta insensatez, ficou a sensação de que ainda cabia uma dose a mais de loucura na tarde do Inter-SM.

O Drama Fantasma

Uma partida pela dignidade. Assim foi o jogo do Farroupilha no último sábado em Santa Maria, frente ao Internacional. A falta de recursos reserva aos profissionais um sem número de dificuldades para executarem suas funções, ofertando-lhes condições quase amadoras. A dois dias da viagem, alguns atletas que residiam numa casa alugada pelo clube foram despejados por atraso no pagamento, tendo que pernoitar nos improvisados alojamentos do Nicolau Fico. Mas era só a ponta do iceberg das adversidades fantasmas. Não bastasse o atraso nos salários, a viagem de 3 horas e meia até a terra da Boca do Monte foi iniciada na manhã do mesmo dia do embate, com direito a um almoço para os jogadores além das 12h30, pouco mais de uma hora e meia antes de entrarem em campo. Como cereja no bolo das atribulações no Fragata, o zagueiro Claiton e o atacante Thiago Boiadeiro esquecem o documento de identidade e ficam impedidos de serem escalados, deixando o tricolor com jogadores a menos no banco de reservas.

Apesar do pesado fardo, os jogadores e a comissão técnica capitaneada por Luizinho Vieira merecem CONGRATULAÇÕES! Deram uma aula de dignidade e profissionalismo. Tiraram determinação SABE-SE LÁ DE ONDE e brindaram os seus torcedores – que acompanhavam as raras pitadas de informações pelo rádio durante a transmissão do jogo do Brasil – com uma bela atuação na primeira etapa. Os meias Roger Bastos e Alex Goiano marcaram os gols que deram origem a um SURREAL 2×0 fora de casa.

309969_533696810005342_1001899187_n

Na etapa complementar, os problemas EXTRA entraram em campo, além do efeito claro da PUTIADA do Badico no vestiário adversário. Não é pra menos. 3 horas e meia de estrada direto pro gramado é DESUMANO. Infelizmente, o time não conseguiu suportar a pressão INCRÍVEL e cedeu a virada. Se a vitória viesse, os atletas do Farroupilha teriam protagonizado o maior ATO DE HEROÍSMO recente da história do futebol. Mas estão de parabéns independentemente do resultado. A falada PARTIDA PELA DIGNIDADE foi vencida e de GOLEADA.

Na manhã desta segunda foi confirmado o que já era esperado: Luizinho Vieira não é mais técnico do Farroupilha. Junto com ele se vai toda a comissão técnica. Há a possibilidade de dispensas também no grupo de jogadores e até de abandono do segundo turno, por falta de recursos. É necessário reconhecer que os que estão na diretoria parecem ter as melhores das intenções e são mais vítimas do que vilões na história. Estão de mãos atadas numa realidade de falta de investimentos e pouco rendimento de bilheteria. Em todo o caso, os 10 pontos conquistados no primeiro turno dão uma margem razoável contra o rebaixamento. Faltariam mais 7 para o agora SONHO da permanência na Divisão Intermediária do futebol gaúcho. E que em 2014, o Farroupilha consiga estruturar-se melhor para fazer justiça à sua história, uma das mais belas do estado. Caso não consiga evitar a TRAGÉDIA, o clube corre o risco de encerrar as atividades por tempo indeterminado. Seria uma lástima histórica.

Ficha Técnica

Inter-SM: Jair; Douglas Tuchê, Henrique, Valença e Ito (Wesley); Rossi, Ronaldinho, Marco Antônio, Josias (Altieri) e Arpini; João Leandro (Paulinho).Técnico: Badico.

Farroupilha: Fabiano, Paulo Santos, Wagner Rincón, Uillian Nicoletti e Juca; Carlão, Rafael Pelezinho, Javier e Alex Goiano; Roger e Anderson Catatau. Técnico: Luizinho Vieira.

Arbitragem: Edegar da Silva Frich, auxiliado por Cristiano Ivan Eckert e Nicolas Fernando das Almas

Gols: Wesley, Valença e Paulinho (Inter-SM); Roger e Alex Goiano (Farroupilha).

Cartões Amarelos: Paulinho e Douglas Tuchê (Inter-SM); Javier, Uillian Nicoletti e Fabiano (Farroupilha).

Cartão Vermelho: Fabiano (Farroupilha).

Hora e data: 04/05/2013 – 15h30

Local: Estádio Presidente Vargas

As fotos são de Nicholas Lyra, exceto a última que foi retirada do Facebook Oficial do Inter-SM

A Ficha Técnica é do Radar Esportivo de Santa Maria.

 

Ainda na esperança por gols em Pelotas ou Vacaria e na teimosa expectativa de não presenciar a morte de seu clube, respectivamente,

Nicholas Lyra e Marcos Ceron Gonçalves

Publicado em Divisão de Acesso 2013, Farroupilha, Inter SM, Série A2 2013 com as tags , , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *