A bravura sob dois prismas

a5

Esses escritos que serão dispostos nas próximas linhas falam acerca de duas equipes que agiram com a mesma característica BAGUAL nessa Divisão de Acesso, mas que por uma série de razões acabaram obtendo situações diferentes nesse certame. Os clubes aos quais nos referimos são duas INSÍGNIAS tradicionais dos pampas: Aimoré e Internacional de Santa Maria.

Comecemos pelos azuis, o time da terra dos ALEMON começou este campeonato de forma muito PÁLIDA. Apesar de uma série de cuidados e de uma preparação tida por todos como diferenciada, o Índio Capilé não passou de um GURIZOTE assustado no primeiro turno.

Jogando uma bolinha MURCHA e perdendo uma série de jogos de virada, sem contar problemas táticos e alguns outros acontecimentos ruins que vocês puderam acompanhar neste BLOGO, o retorno à Segundona estava mais próximo do que qualquer possibilidade de acesso. Com todo esse elenco de negatividades, a canoa indígena parecia que ia afundar. Só que a solução chegou a tempo.

Após a chegada de Bem Hur ENCINA Pereira, os leopoldenses passaram a atuar de forma sólida, com um time definido, confiante e tendo o artilheiro oriental mais efetivo que já se teve notícia na província MERIDIONAL da pátria tupiniquim. O que deu origem a esta reação? A resposta está no título dessa coluna: BRAVURA. Os atletas foram bravos o suficiente para engolir SECO as críticas e mostrarem seu valor da melhor forma possível, dentro do QUADRILÁTERO gramíneo.

Na outra banda, os vermelhos do centro do estado iniciaram o BETO GRILL 2013 enfrentando dificuldades das mais variadas naturezas, que passaram desde as já tradicionais AGÚRIAS financeiras, até as NOVE mil exigências feitas pela FGF para que o colorado pudessem atuar no Estádio Presidente Vargas.

O primeiro turno do GRILLÃO demonstrou um quadro irregular, inseguro e capaz de promover visitas da HINCHA santa-mariense ao cardiologista com relativa e voraz frequência.

E esse time, comandado pelas mãos e pelo CORAÇÃO de Badico, superou esse princípio de trabalho TORTUOSO e com um anseio constante de vencer obteve uma suada, dramática e inesperada por muitos, classificação aos MATAS desse segundo turno. Essa garotada alvirrubra conquistou tudo isso com o que? A resposta está no título dessa coluna: BRAVURA.

Bravura de matar no peito toda essa adversidade que além dos aspectos ludopedianos, está também intrínseca em toda a boca do monte em 2013. Há um clima pesado em toda SM, o motivo nem precisamos citar. Enfim, os rubros chegaram aqui com todo o merecimento.

Na tarde gélida de ontem, que ainda contou com aquele ventinho CRETINO que paira no Monumental do Cristo Rei nessa época do ano, tivemos a peleia decisiva entre aimoresistas e INTERISTAS pelas quartas de final do segundo período do supracitado campeonato, o único possível nessa querência.

a4

E mal os cerca de mil e oitocentos viventes presentas na cancha haviam se acomodado e o SANSEI capilé já mostrou suas credenciais. Após passe de Mikael, o atacante azul de olhos puxados bateu ao lado da baliza.

Contudo na segunda tentativa, Japa não perdoou. Jean Paulo conduziu a querida com carinho e ZELO. Dando passe na diagonal noroeste para o oriental que soltou a canhota e abriu o placar para os capilés.

a3

Três minutos depois, o zagueiro Valença respondeu para os vermelhos. O defensor cobrou falta que exigiu uma grande defesa de Rafael, a redonda ainda beijou o travessão antes de se perder pela linha de fundo. Na sequência desse mesmo lance, o tiro ESQUINADO foi batido e Matão cabeceou de forma traiçoeira, mas o cabeludo da meta espalmou para fora.

Precisando fazer quatro gols para conduzir essa confusão aos pênaltis, os BADICO’S BOYS se projetaram ao ataque. Depois de tentar três vezes, Marco Antônio deu passe no PONTO FUTURO para Altieri. O talismã invadiu a área e só não deixou a sua marca porque foi abafado pelo belo fardamento do guapo leopoldense.

a6

O Aimoré gradativamente voltou a ter o controle do jogo. Aos 37’, em uma trama muito bem armada, a bola se ofereceu como uma ninfeta de olhar LÂNGUIDO para Jean Paulo. O mesmo jovem bateu, Jair espalmou para a frente e no rebote lá estava ELE!

Como dizem na colônia: CHAPA! O avante ainda se deu ao trabalho de driblar o arqueiro com toda a LEVIANDADE possível e fez o seu décimo primeiro tento no torneo. Dois a zero no placar e a vaga às semifinais mais do que assegurada.

No retorno do intervalo, muitos pensaram que o Inter-SM voltaria de forma amena, aí que nos enganamos. Encarnando a alma de seu comandante, os ROJOS jogaram mordendo tal como fosse a final da antiga Copa DALTRO MENEZES.

a1

E tamanha galhardia foi premiada quando, após jogada pela esquerda, a bola chegou até Matão que escorou para o fundo do gol. Um prêmio ao esforço dos colorados que não deixavam de ir em dividida alguma mesmo que dependessem de um ABORTO da natureza para se classificar.

O alviazul cansou e ficou postado na intermediária defensiva, trabalhando a MORANGA e saindo apenas nos contragolpes. Sem força efetiva do time centrista e com o Índio se poupando para as próximas partidas, o jogo teve seu placar inalterado.

a2

Celebração alviazul de uma ponta, que agora projeta outro confronto difícil. O adversário do time de MENGÁLVIO será o Ypiranga. O jogo de 180 minutos começa a ser realizado a partir das 20 horas da próxima quarta-feira no Colosso da Lagoa. 360 minutos de artimanhas do esporte bretão separam o Índio Capilé de voltar ao Grupo Especial depois de 19 anos ausente.

Aquele pequeno grupo de torcedores santa-marienses, que se fez presente nas bancadas das arquibancadas leopoldenses, aplaudiu de pé o esforço e a toda a dedicação do colorado. Badico fez questão de salientar o valor de seus APOIADORES e do grupo de atletas. Justíssimo.

Ficha técnica:

Jogo: Aimoré 2 x 1 Internacional-SM – Quartas de final do 2º Turno da Divisão de Acesso 2013.

Local: Estádio Monumental do Cristo Rei- São Leopoldo/RS.

Arbitragem: Luis Teixeira Rocha, auxiliado por Carlos Selbach e Alexandre Kleinich.

C.E.Aimoré: Rafael; Alex Herber, Jésum, Luis Henrique e Alex; Luanderson, Evandro, João Paulo e Mikael; Japa e Jean Paulo. Entraram: Rodrigo Galvão e Da Silva. Técnico: Bem Hur Pereira.

E.C.Internacional-SM: Jair; Rossi, Valença, Betão e Wesley; Luther, Carlos Heitor, Altieri e Marco Antônio; Luis Fernando e Matão. Entraram: Natan, João Leandro e Vinícius. Técnico: Badico.

Otimismo é meu segundo nome,
Natan Dalprá Rodrigues

(As fotos são do facebook oficial do Aimoré e de Digue Cardoso)

Publicado em Aimoré, Divisão de Acesso 2013, Inter SM, Série A2 2013 com as tags , , , , , , , , , . ligação permanente.

Um comentário em A bravura sob dois prismas

  1. claurio diz:

    Se o Brasil for vice do returno,a terceira vaga ja é dele, por ter sido vice do turno? E se ele for o Campeão quem disputa a terceira vaga, os dois vices de turno, ou o Riograndense que tem a melhor campanha no geral jogara contra o que tiver a melhor campanha entre os dois vices? Esse regulamento é muito confuso!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *