A retomada Grená na série C

A retomada da Série C para o Caxias misturou sentimentos antagônicos na torcida grená. Após a paralisação de 30 dias devido à Copa das Confederações, a liderança do grupo e o acréscimo de importantes reforços encheram de esperança as arquibancadas do Centenário.

Logo de cara, como se fosse um batismo de fogo do retorno às atividades, o enfrentamento contra o Guarani de Campinas, um dos clubes de maior tradição dessa edição da terceirona nacional. O discurso de respeito ao adversário retratava a sabedoria de quem já ganhou a divisão máxima desse mesmo campeonato, em 1978 (curiosamente o mesmo ano em que um dos maiores Caxias de todos os tempos foi sensação pelo país, no mesmo campeonato). Pelo lado gaúcho, a retórica era clara – manter os 100% de aproveitamento.

O retrato da partida seguiu fiel ao script. O Guarani manteve o FERROLHO em frente a área sem pudores, aplicou a força quando necessário e cuidadosamente se aventurava no ataque. Já o Caxias, ciente da obrigação com as ações ofensivas, se jogou no ataque. Explorando as jogadas laterais e cruzamentos, a pressão inicial apenas assustava o goleiro bugrino.

As chances foram aparecendo. Charles Chad, de cabeça, quase anotou aos 12 minutos. Fora isso, o que de melhor aconteceu na primeira etapa (para o Caxias) foi a expulsão de Rossini, aos 41 minutos. A vantagem numérica realçou a tônica do jogo e proporcionou duas boas chegadas do Caxias, uma com Zé Mario, que poderia ter caprichado um pouquinho mais no chute e outra com Chad, obrigando Juliano, goleiro do Guarani, a operar o milagre. Fim de primeiro tempo, aplausos da torcida.

O segundo tempo trouxe da casamata um velho conhecido da massa grená. Wrangler, o maestro do vice-campeonato gaúcho de 2012, regressava após uma passagem pelo Grêmio apagada pelas lesões. E ele não decepcionou.

O jogo, que já havia se tornado um “ataque contra defesa” após a expulsão no Guarani, se transformou em um severo bombardeio pra cima do gol de Juliano. Wrangler, aos 19 minutos, carimbou a trave em um belo chute colocado de fora da área. Minutos depois, uma cabeçada de Jean, chute de Zambi e cabeçada de Charles Chad foram literalmente salvas por Juliano, um dos melhores da partida. A essa altura o empate que já era heróico, foi elevado a categoria de vitória pelo time visitante. Tiago, zagueiro grená, quase marcou ao ganhar da defesa bugrina e mandar a esquerda do gol.

No lance final, Trípodi, promessa das categorias de base do Boca Jr., mandou a bola na trave com um lindo voleio. Apesar do excelente volume de jogo, a bola não entrou, fim de jogo, um ponto para cada lado e dois sentimentos no Centenário: a consciência dos dois pontos perdidos em casa e a certeza de estar no caminho correto.  

O resultado manteve a liderança isolada com o Caxias, enquanto o Guarani passou a ocupar a quarta colocação do grupo B, com 5 pontos. O próximo jogo do Caxias, domingo, contra o Mogi Mirim em casa, tem importância estratégica: A vitória mantém a liderança isolada e afasta um concorrente direto – o Mogi divide a vice liderança do grupo com o Macaé, ambos com 6 pontos – e encaminha uma viagem tranquila para a partida contra o CRAC, pela quinta rodada.

Para a partida de domingo que vem o técnico Picolli tem sua principal dúvida com Wrangler e Zé Mário. Apesar do bom futebol do ZÉ, a substituição e boa resposta em campo de Wrangler não podem ser ignoradas. Eu, particularmente, aposto na mesma formação e na mesma modificação: Zé Mário até o intervalo, Wrangler no segundo tempo.

Fora de campo, seguem as tratativas do Caxias com a Caixa. O patrocínio está vinculado a certidão negativa do clube (na prática é a negociação e manutenção de pagamentos de dívidas) e isso deve levar ainda, no mínimo, um mês. Um procedimento padrão e necessário, então não adianta espernear. De qualquer maneira, ao que tudo indica, existe algo reservado pro Caxias nesse ano. Vai que (dessa vez) dá? 

Abraço!

Tiago Zilli.

As fotos são da Daniela Xu, da Agência RBS.

Publicado em Caxias, Série C com as tags , , , , , , . ligação permanente.

6 Respostas a A retomada Grená na série C

  1. Luciano Silveira (@Falko83) diz:

    Caro Tiago Zilli: o nome correto do “velho conhecido” é WANGLER, sem o “r”.

  2. Grená diz:

    No caminho certo. Sem falar em acesso e sim, em ganhar o próximo jogo! AVANTE GRANATA!

  3. Gustavo diz:

    Fazia tempo que não via no Centenário massacre igual pela série C, maior talvez só aqueles 5 a 1 no Brasil de Pelotas, mas aí as bolas entraram.

  4. Zilli diz:

    Haha puta merda, sempre achei que fosse Wrangler.

  5. dornelles diz:

    alguém sabe como anda o lucas silva? ele entra nos jogos? pareceu bom jogador ano passado, mas parece q se perdeu…

  6. Felipe diz:

    Bom jogo do Caxias. Agora que poderemos ver a verdadeira qualidade do Picoli como treinador. Porque ele agora tem opções para mudar o time, e é nessa hora que se vê o trabalho de um técnico. Quando o grupo é limitadíssimo como no primeiro semestre sobram desculpas, agora o que tem que sobrar é futebol.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *