Há sinais de fumaça por toda parte

baldo

Há sinais de fumaças por toda parte. Ao sul, fumaças vermelhas e negras, quase diabólicas, surgem nos céus. São os índios Xavantes! No Vale dos Sinos, há também sinais espalhados por todos os cantos, mas estes são azuis e brancos. São os Índios Capilés!

A primeira grande batalha foi marcada para o dia 12 de julho, numa sexta-feira, na tribo Xavante, o estádio Bento Freitas. Os índios pelotenses estavam dispostos a DESPACHAR os indígenas rivais que saíram de São Leopoldo em busca do SAQUE dos três pontos.

No entanto, o que se viu no gramado da Baixada foi o time Xavante bem armado e pronto para atacar os Capilés visitantes (e não muito bem-vindos) àquela terra. Os indígenas rubro-negros partiram para a IGNORÂNCIA e foram para cima. Aconteceram dois lances polêmicos. Mão na bola do zagueiro Capilé JÉSUM e gol anulado do EL LOCO Éder Machado por impedimento.

 A PELEJA continuou até que Forster foi derrubado na área. Muita, mas muita reclamação dos azuis, sendo que nem com as imagens da TV, o penal foi dado como o clássico “de concurso.

Na cobrança, Forster converteu. Xavante, 1 a 0. O Brasil continuava em cima empurrado pela massa nas arquibancadas, mas a primeira etapa terminou com apenas um gol. Depois do intervalo, a briga continuou feia e os Capilés voltaram melhor. Atacava e investia golpes SEM TER MEDO DE SER FELIZ no índio da casa. Na melhor dessas TENTEADAS, Mikael exigiu grande defesa de Luiz Muller.

baldo3

Mas os rubro-negros contaram com a sorte de seus ÍNDIOS SUPERIORES e marcaram o segundo, cessando a fúria dos originários de São Léo. Aos 27′, Forster cobrou falta, a pelota desviou e enganou o goleiro Rafael.

 Aliás, Rafael merece um espaço a parte. O guapo de fios esvoaçantes fez grandes defesas, incluindo uma bola rasteira abençoada e chutada por Gustavo PAPA e uma defesa ao estilo Gordon BANKS em cabeceio do serelepe Alex Amado. Na visão desse cancheiro azul, o cabeludo foi o melhor em campo mesmo com a derrota aimoresista.

baldo2

Os índios rubro-negros ficaram enlouquecidos e passaram a ecoar seus cânticos centenários no cimento frio daquela arquibancada. A força MÍSTICA voltou a surgir no terceiro gol. Cleiton chutou a pelota do jeito que dava e colocou no canto direito, sem chances para o arqueiro Capilé. Xavantes 3, Capilés 0.

A grande partida praticamente liquidou com as intenções dos alviazuis de pensarem em título. Tanto que o discurso referente ao jogo que ocorreu ontem, tanto dos jogadores quanto dos dirigentes e da comissão técnica era de vencer o jogo do jeito que desse para oficializar a classificação do Aimoré para o COSTELÃO 2014.

Isso tudo, inclusive, levantou TEORIAS de que o Brasil entregaria o PATÊ para que os Capilés subissem antecipadamente com a terceira vaga. Pois um simples 1 a 0 para o time de São Léo bastaria e não atrapalharia em nada a campanha rubro-negra. No entanto, as teses caíram.

O que se viu no PÂNTANO em que o gramado leopoldense se transformou – se este fosse um mundo justo, não teria havido jogo – foi uma peleja disputada com muita VONTADE de ambos os lados.

O papo de ACERTÃO foi rapidamente esquecido, pois o Brasil vestiu bem a capa de chuva e mostrou suas credenciais. As cerca de 4,5 mil almas que estiveram no Estádio João Corrêa da Silveira são testemunhas OCULARES e ANFÍBIAS da história.

baldo5

Em um jogo em que o que dava para fazer era dar uma ERGUIDINHA e mandar a gorducha para o mais longe possível, Alex Amado entendeu bem o recado e infernizou desde o início a zaga azul y blanca.

Contando com o apoio de muitos Xavantes que se deslocaram até a cidade de Padre Reus, o Brasil se sentiu em casa e dominou o TERREIRO no princípio. O Aimoré e sua gente ensopada só acordaram no terço final da primeira etapa.

Em uma sequência de escanteios tiradas pelos braços elásticos e intermináveis de NIKOPOLIDIS, a pressão cresceu. Jésum quase fez ao girar dentro da área, que não era a sua, para gritos de UHHHHH dos capilés.

baldo4

Mas toda a RONDA feita pelos nativos em torno da área do guapo pelotense não resultou em gol. A tormenta prosseguiu, o FRUKI foi sorvido e o segundo tempo começou.

Com menos de um minuto, AMADINHO foi adentrando no forte leopoldense e chutou, Rafael fez grande defesa. Só que Leandro Vuaden expulsou Alex Hérber, do Aimoré, pelo fato de ter golpeado o atacante vermelho e preto antes da batida.

Sem um atleta, o Aimoré contando com Japa e Jean Paulo, em noite inspirada, acreditou que DAVA e foi ao ataque. Aos 7′, Luis Henrique foi derrubado na área por Fernando Cardoso. O ESTRELENSE marcou o penal.

Na cobrança, Alex bateu no canto direito e o guarda-metas projetou seus nove metros de altura para defender a INGRATA. O Aimoré, empurrado pelos INSANOS que tomavam ARAGEM e água na ESPALDA, seguia no abafa.

baldo6

Japa, após um bate-rebate, teve grande oportunidade. O nipônico bateu em diagonal e a ARDILOSA teimou em não entrar. Apesar de lançar 983 bolas à área Xavante, todas tiradas por Cirilo, Luiz Muller e Fernando Cardozo, o placar final foi de 0 a 0.

Festa dos visitantes que venceram o segundo turno e agora decidem o GRILLÃO contra o São Paulo em dois jogos. A primeira partida vai ser em Rio Grande, na quarta-feira e o segundo jogo ocorre no domingo, em Pelotas, na BAIXADA. Foi tanta festa que alguns passaram do LIMITE (nota do cancheiro capilé: não entrarei nessa discussão, vocês todos sabem o que aconteceu, se alguma(s) pessoa(s) merece(m) ou não levar algum tipo de punição, não é o Toda Cancha que vai julgar).

O Índio Capilé já iniciou sua remobilização, pois, na quinta-feira fará o primeiro enfrentamento contra o Riograndense, no Presidente Vargas, em Santa Maria. Esses dois jogos, o segundo será em SÃO LÉO, na DOMINGUERA, apontam quem será a equipe que ganhará o BRONZE e, com isso, o direito de também disputar a Série A pampeana em 2014.

Igualmente ansiosos para a próxima semana e com flechas apontadas aos céus,

Pedro Henrique Costa Krüger e Natan Dalprá Rodrigues

 (As fotos são de Carlos Insaurriaga do SÍTIO do Brasil de Pelotas)

 

 

 

Publicado em Aimoré, Brasil de Pelotas, Divisão de Acesso 2013, Série A2 2013 com as tags , , , , , , , , , , , , , , . ligação permanente.

7 Respostas a Há sinais de fumaça por toda parte

  1. Gustavo diz:

    Até que enfim um campeonato sem a dupla Caju para o Brasil levantar uma taça…ahahaha

  2. Marcos diz:

    A maior do interior voltou ”ACEITA”

  3. Era tudo que a rbs queria: o Xavante campeão da segundona e de volta à 1ª divisão. Agora, que era merecido era. Depois desses anos todos amargando a segundona e do jeito que foi o rebaixamento em 2009 era muito necessário uma história com final feliz. E sem espaço pro Novelletto e suas fórmulas mirabolantes. Foi no campo (piscina), foi na raça. Parabéns indiada xavante, acho mesmo que o lugar do Brasil é na primeira incomodando a dupla.

  4. Murilo diz:

    Brasil na primeira vai ser bom para todo mundo. Clubes que não arrecadam no público pagante, emissora, federação, clube rival da cidade e até os times da serra, pois é uma rivalidade que anda reforçando nos últimos anos, mesmo perdendo títulos pra dupla caju, o Brasil incomodou sempre o Caxias jogando em casa e o Juventude foi rebaixado à D graças à derrota em pleno Jaconi.

    Enfim, São Paulo e Brasil na primeira. As duas maiores torcidas que estavam na segundona. Mais que justo! Que bom que o sampa ganhou o primeiro turno, na real.

  5. Ricardo Pereira diz:

    Grande Xavante, voltando com justiça e atitude, trazendo de volta a grande massa xavante para os gramados da primeira divisão. Agora sim teremos clássicos empolgantes com estadios cheios. Parabéns pelo acesso com raça e determinação, a xavantada esta muito feliz e orgulhosa desse time de guerreiros. Abraço pra gauderiada.
    Ricardo Pereira 100% Xavante.

  6. Douglas Grená diz:

    Parabéns ao Brasil. Certamente o lugar de vocês é na primeira, apesar de eu ter restrições à uma certa babação de ovo da imprensa de Porto Alegre reconheço que trata-se de um clube de respeito e um grande rival do Caxias nos últimos anos. Que possamos nos encontrar novamente em 2014.

  7. Pingback: Olha nós aí! Na dureza da nossa pirraça, olha nós aí! | Toda Cancha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *