Após 9 anos, o “Leão Voltou”

1
O Esporte Clube Palmeirense vive neste momento talvez seu momento de maior comoção popular, a mobilização de sua torcida é gigante e dá forças aos responsáveis pelo clube para seguirem adiante com o sonho do acesso.

Durante 9 anos não se via aquelas filas enormes no Estádio Luciano Ferreira Martins, os fogos que anunciavam o jogo do “Querido” já não eram mais soltados, o avô não levava seu neto ao “campo” para ver o Palmeirense e lá contar do passado glorioso que ele viveu.

Foram tempos difíceis, onde nossas jovens promessas locais tiveram seu sonho do futebol de campo abortado e nosso estádio ia se deteriorando a cada dia, a dor em seus torcedores ao ver um muro caído ou o gramado abandonado era forte demais.

O destino fez com que pessoas honradas dessem início a nova era do nosso clube, as dificuldades financeiras são enormes, o grupo é de jovens valores que abraçaram a causa e sabem que a comunidade está com eles para o que der e vier e jamais irá abandoná-los, essa força criou uma sintonia que culminaria na tarde épica desta última quarta-feira…

Nosso rival era o tradicional Grêmio Bagé que em um lance de rara felicidade e sorte teve a audácia de sair vencendo um jogo que era nosso, nós merecíamos uma vitória no retorno ao nosso segundo lar, mal sabíamos da dramaticidade que a tarde iria nos proporcionar, a pressão era gigantesca, nossos alas Wilian e Ganzer passavam com uma facilidade absurda pelos defensores do adversário e nossa dupla de ataque Anderson e Felipe sofria com o bom goleiro Fernando Costa. O primeiro tempo se encerra com a certeza que a virada era possível.

Porém, sabemos como são jogos da Segundona Gaúcha e a cada tiro de meta ou lateral nosso adversário demorava uma eternidade e isso ia irritando torcida e jogadores.

Até que Anderson, o grande Anderson que em 2001 foi o “craque” do Leão na campanha do título da Série B recebe na área, gira como um legítimo pivô de futsal sobre o zagueiro e bate forte, a bola encontra o poste e no rebote, o oportunista e matador Felipe empata a partida.

Após isso, foi um massacre e o Palmeirense teve, nos pés de Ganzer, a chance da virada em pênalti bem marcado pela arbitragem.

Na cobrança, apesar de um chute potente e rasteiro, o excelente Fernando fez a defesa, ali os torcedores comuns, aqueles de alma pequena e que não sabem o que é ser Palmeirense iriam abandonar e se contentar com um simples empate, mas não foi e nunca seria o caso da fanática e apaixonada torcida do Leão das Missões que em momento algum deixou de acreditar…

Eram 46 minutos jogados, quando o jovem prata da casa Fazor dá um chute despretensioso e o goleiro Fernando põe a bola para escanteio, era o último lance, sabíamos que era aquele momento.

Quis o destino que Ganzer, aquele que havia perdido o pênalti, tivesse a sorte e enorme competência de, por meio de um toque magistral, encobrir o arqueiro jalde-negro e fazer o Luciano Ferreira Martins explodir de emoção, idosos erguiam seus radinhos de pilha emocionados, saudosistas gritavam “eu sabia, eu sabia” e a grande maioria apenas se abraçava e olhava encantada aos céus agradecendo essa dramaticidade.

Tinha que ser assim… A tarde épica do retorno merecia um desfecho sensacional que jamais sairá da memória da torcida deste gigante das Missões que retornou forte e em busca  do acesso.

Deive Gessinger

Foto: Jornal A Madrugada

Publicado em Bagé, Palmeirense, Segunda Divisão 2013, Terceirona 2013 com as tags , , , , , , , , . ligação permanente.

2 Respostas a Após 9 anos, o “Leão Voltou”

  1. Ataide diz:

    OOOO .. O LEÃO VOLTOU , O LEÃO VOLTOU !!!

  2. Cassiano diz:

    Show de bola o texto e a vitoria do palmeirense emocionante acompanhar a volta do querido domingo tem maisssssssss

    o leao voltouuuuuuu

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *