Não nos tirem desse devaneio de certezas e pontos na cabeça, eu imploro!

02

Ah, o futebol…Essa cachaça que vicia os intelectos, almas e corações dos gajos e gajas. Como toda boa DROGA, o esporte bretão parece que um dia perderá seu efeito, sua importância, seu valor. Mas aí é que ele ressurge com surpresas, magia, caos e insanidade total. Talvez essa última frase reproduza o que pôde ser vivido no último domingo, no Estádio João Corrêa da Silveira, o Monumental do Cristo Rei, local onde o alviazul leopoldense obteve uma dramática, inacréditável e CABELUDA classificação à próxima fase da ENGARRAFADONA 2013.

Bato novamente na tecla que diz IMPENSÁVEL no que tange à classificação porque, senão vejamos, desde que confirmou a vaga ao TARSÃO PAGUE O PISO 2014, o Clube Esportivo Aimoré jamais conseguiu repetir o mesmo nível da segunda fatia da Divisão de Acesso 2013.

Como causas para este MALE podemos apontar desde a cabeça inchada pós-acesso, passando pela saída de algumas peças no elenco, chegando até a falta de SIMBIOSE entre o plantel que labuta próximo à Estação Unisnos do SURBÃO para com o técnico Gilmar Iser.

O empate absolutamente INSÍPIDO contra o rival anilado no Clássico do Vale e, anteriormente, a derrota para o São José deixaram a todos com um ESCARAVELHO atrás da orelha sobre o futuro da equipe na Copa Metropolitana. E como quem tem, tem medo. Já estava vindo de longe, creio eu que oriunda de MORRO REUTER, uma soturna nuvem de desconfiança até mesmo sobre como portar-se-ia a equipe indígena no Gauchão do ano da Copa do Mundo em solo da Ilha de Vera Cruz.

Talvez ouvindo as massas ou sendo guiado pelo fluxo da água do Rio dos Sinos, o COACH Iser mudou a formatação do time para o embate decisivo contra o escrete tricolor da capital. 4-4-2 foi a tática FINALMENTE escolhida. O zagueiro e emulador de lateral direito Rogério foi sacado, assim como Luanderson, este rapaz parece que não mantém relações CORDIAIS com o atual técnico aimoresista, pois nem relacionado para o jogo foi.

Em suma, dois zagueiros, dois laterais, dois volantes, dois meias (Almir de titular, tendo Mikael como parceiro) e dois atacantes. Essa RESOLUÇÃO visava o triunfo, afinal o único resultado que daria a classificação para LOS DEL CRISTO REY era a vitória. Sendo este confronto direto, o Grêmio-Poa veio ao relvado com nove tracinhos na tablatura, já o time de São Léo possuia exatos oito pontos, ou seja, quem vencesse teria a quarta e última vaga às semifinais para si e o outro tomaria um chá com bolachas FOMINHAS.

04

A BAILANTA iniciou com o time patrocinado pelo banco de TODOS OS GAÚCHOS – só que não – tomando as ações. Em uma bobeada geral da defesa Índia, TILICA bateu cruzado sem chance para o guapo. Estava aberta a contagem.

O SONO seguia imperando nos capilés, Mikael e LS9 demonstravam um pouco mais de querer. Após algumas tentativas do centroavante que atende também como filho pródigo do Vale dos Sinos. O sistema defensivo aimoresista chupou uma bala 7 Belo e novamente sucumbiu.

03

Faísca, atualmente o jogador mais MODORRENTO, uma figura que hoje lembra D. PEDRO II na época da proclamação da República, do futebol gaúcho, saiu jogando errado, Caio roubou a bola, essa ordinária, avançou e serviu Erick. O meia tricolor tocou na saída do guarda-metas cabeludo e anotou o segundo tento para os porto-alegrenses.

Nos 5′ que precederam o fim da primeira parte do match, houve um ensaio de bafo e uma melhora do alviazul. No intervalo, TIO ISER sacou os apagados Maxwall e Almir, trazendo à grama Murilo e João Paulo.

01

As alterações surtiram um resultado imediato. O GFPA recuou e no princípio da segunda etapa, Alex Hérber cruzou rasteiro e Murilo completou para as redes. O empate não demorou muito. Mikael, o MIKA de São Léo, cobrou um TIRO ESQUINADO e Luís Henrique cabeceou para dentro da guarnição. Primeiro gol do capita com a camisa barranquera.

Antes de prosseguir com a narrativa do jogo, tenho de parar e fazer algumas colocações. Tchê, 2013 é um ano totalmente singular na história do Aimoré. Devemos estar transitando em algum buraco nas dimensões, o espaço/tempo deve estar alterado, não há outra explicação plausível. Isso sem mencionar que concretizamos no corrente período anual, o fato de, em 263 dias, saltar da TERCEIRONA para a ELITE pampeana.

Passando pela campanha TOSCA do primeiro turno do GRILLÃO, transitando pela conquista do acesso, com um PEDÁGIO na murrinhice desta Copa Metropolitana até aqui. Tudo está sendo fruto de um grande devaneio, uma alucinação coletiva com efeitos reais. E o torcedor Índio Capilé não quer acordar, apesar de alguns leopoldenses ainda torcer o nariz para o clube da cidade, há aquela certeza DEMENTE de que vai dar.

Voltando ao jogo do domingo, a pressão aumentou, o time gremista não conseguia fazer nada além de defender. O apitante teve a capacidade de não marcar dois pênaltis claros para o time de Lucas Silva (conte-me uma novidade agora). Já estávamos com cerca de 40′, escanteio para o CEA, Mikael cobrou e quem meteu o CÔCO na redonda? Rafael, o goleiro. Léo defendeu. Nesse momento, como o próprio R1 disse depois, ele sentiu uma dor forte na CACHOPA, pois no jogo anterior, o chico havia sofrido um corte e levado 5 pontos um pouco acima da testa.

Aliás, arqueiro que leva pontos na cabeça é sinal de êxito, afinal, no ano passado, Marcelo Pitol levou pontos no CUCURUTO após levar uma paulada na batalha de Carazinho e agora, o NAVARRO MONTOYA do Vale dos Sinos também precisou de uma COSTURA.

Alguns momentos posteriormente, aos 38747464764 da parte derradeira, novo escanteio. A bola, essa ingrata, fugidia, sagaz, que como as prendas que ludibriam os corações dos VARÕES, podem ser desde amorosas a traiçoeiras, viajou, chegou até onde Padre Reus a conduzisse e foi SANTIFICADAMENTE ajeitada para que Rafael Dal Ri voasse em direção dela.

O TORNO com seus cabelos esvoaçantes foi forte e mortal, vencendo o guapo da capital e dando ao Aimoré a virada, a vitória e classificação para o G4 daqueles que andam de CENTRALÃO. O guardavalas HEAVY METAL, que ainda encontra tempo para estudar sobre Mandados de Segurança e pressuspostos processuais em suas aulas de DIREITO, ficou tão FORA DA CASINHA que não sabia nem como comerorar. Mas não importa, esse foi o primeiro golo de um portero com as vestes tribais. E, mais do que isso, premiou uma figura que desde que chegou ao Berço da Colonização Alemã fez questão de se identificar com o clube e com a cidade.

05

Pela frente, há o São José, nas famosas decisões de 180 minutos. O jogo decisivo é no próximo domingo lá na LOJA DE CD’s. Mas tudo passa e tudo passará (NED, Nelson) pela partida de hoje no Cristo Rei, às 20 horas. Diante dos seus, onde todos os milagres e as DAÇÕES possíveis têm ocorrido, os azuis precisam conquistar um resultado BACANA.

Novamente estarei refém das ondas do rádio para acompanhar a partida, com a certeza insana e absoluta de que vai dar. Se estamos dormindo, delirando ou nos jactando de um estado de loucura, que não saiamos daqui NUNCA MAIS.

O Aimoré jogou com: Rafael; Alex Herber, Jésum, Luis Henrique e Alex; Toto, Faísca, Mikael e Almir; Maxwall e Lucas Silva. Entraram: Murilo, João Pedro, Lukinas e Moacir. Técnico: Gilmar Iser.

Ouvindo PANTERA para entrar na mesma frequência daquele que guarnece a cidadela capilé,

Natan Dalprá Rodrigues

(As fotos são de João Miguel da Costa)

 

 

 

Publicado em Aimoré, Copa FGF 2013, Copa Metropolitana com as tags , , , , , , , . ligação permanente.

3 Respostas a Não nos tirem desse devaneio de certezas e pontos na cabeça, eu imploro!

  1. Franco Garibaldi diz:

    Acompanhei muito pelos teus relatos toda essa viagem à lua do Aimoré, da terceirona pra primeira em tão pouco tempo. Sonho com isso pro Ju em nível nacional (na real, se livrar da D e não ficar muito na C, chegando à B e ocasionalmente flertando com a A já tá de bom tamanho pra mim).

    No mais, gol de goleiro é do caralho! É o sinônimo mais evidente do desespero que tomou conta de um time. Mas falo desses gols assim, em escanteio, brigando com a zaga (nada dessas coxinhices de pênalti e falta).

  2. Dílson Osório diz:

    Uma narrativa épica para um momento apoteótico!…Grande registro para um grande momento da história do meu querido índio capilé!!!
    Obrigado, Dílson.

  3. Amaro Francisco Viero Silveira diz:

    GRANDE , ENORME PARTIDA E MONSTRUOSA CLASSIFICAÇÃO !!!!!!!!!!1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *