EL hat-trick LOCO

EL LOCO. Foto: Italo Santos

Jogando na Baixada, ontem à noite, 16, o clube dos Negrinhos da Estação venceu de forma ACENTUOSA a equipe do Grêmio Esportivo Bagé, comandada pelo MÍTICO e ETERNO BADIGOL. Éder Machado, três vezes, e Gustavinho foram os autores dos gols do Xavante: 4 a 0.

Na segunda-feira quente – à tarde – e fria – à noite –, o Grêmio Esportivo Brasil, rubro-negro, recebeu o Grêmio Esportivo Bagé, jalde-negro, pela Copa Regional Sul Fronteira. Na partida de ida, em Bagé, no estádio da Pedra Moura, a equipe comandada pelo CACIQUE Rogério Zimmermann venceu por 1 a 0, gol de William Kozlowski. Os rubro-negros trouxeram de canoa pelo rio Camaquã os três pontos e, portanto, podiam até empatar na Baixada que se classificariam à final.

Os XAVANTES jogaram por mais do que um simples empate. Logo no início da partida, o Brasil Luiz Muller; Wender (Tiago Rannow), Cirilo (Ricardo Bierhals), Fernando Cardozo, Rafael Forster (Nunes); Leandro Leite, Washington (Marcio Hahn), Cleiton, William Kozlowski; Gustavinho (Joelson) e Éder Machado viu o árbitro da partida não marcar pênalti a favor: Cleiton recebeu bom passe, tirou de Fernando Costa, mas foi derrubado por este. As três mil almas CHIARAM, mas nada adiantou.

O Brasil continuou em cima até que numa jogada sofreu a falta. Os jogadores do Bagé – Fernando Costa; Alex, Heberson (Gustavo), Rafael (Luis Fernando), Diego Gouvea; Agnaldo, Dieisson (Vinícius), Pedro Júnior, Altieri; Javier (Fernandinho) e Kesler (Tainã) –, irritados, foram reclamar com o árbitro que, para fugir das reclamações, deu um PARANAUÊ para trás misturado com uma espécie de Moowalker (ns).

Gustavinho, o índio FRANZINO e veloz, cobrou a falta e a pelota desviou no COCURUTU de algum dos bageenses e pegou o arqueiro no contrapé. Brasil 1, Bagé 0. O gol deu tranquilidade à equipe Xavante que começou a tocar a bola com uma qualidade que fez os índios das arquibancadas trocarem olhares desconfiados. Foi sensacional. A presença no campo de ataque era INDECENTE. Foi neste momento que entrou em cena EL LOCO Éder Machado. Este recebeu ótimo cruzamento e cabeceou com FÚRIA sem dar nenhuma chance ao arqueiro do time preto e amarelo. 2 a 0, Xavante. Fim do primeiro tempo.

Após o intervalo o panorama do jogo não mudou. Os índios voltaram determinados a não sofrer gols nem criar jogadas perigosas que pudessem prejudicá-los, afinal a cada vez mais real possibilidade de clássico Bra-Pel exigia todos os cuidados. No entanto, a equipe de Bagé chegou com grande perigo por volta dos 20 minutos, mas Kesler, mesmo embaixo dos paus, isolou a pelota, que ultrapassou o antigo (e desativado) placar eletrônico do estádio Bento Freitas.

Rogério Zimmermann resolve, então, colocar em campo o recém-contratado JOELSON, que estava no Porto-PE e foi emprestado ao time da Baixada até o final do ano com possibilidade de renovação até o fim do COSTELÃO 2014. É rápido e ágil à la Alex Amado – que se recupera de lesão e em breve retornará aos gramados. Quando essa dupla estiver junta fará inveja ao super-herói dos quadrinhos, Flash. Tentei imaginar as jogadas que virão, mas tudo foi tão rápido que enquanto líamos isso Éder Machado marcava mais um gol.

Éder Machado e JOELSON. Foto: Italo Santos

Porque EL LOCO recebeu cruzamento perfeito de Joelson, cabeceou e o goleiro defendeu; no rebate fuzilou ÀS GANHAS a meta adversária. Brasil 3, Bagé 0. A imposição continuava e os rubro-negros queriam mais. A flechada final veio novamente com Éder Machado, que entrou sozinho na área e tocou na saída de Fernando Costa. Índios Xavantes 4, Abelhas 0, placar final.

O Brasil está classificado para a final e enfrentará o seu, o meu, o teu maior arquirrival, o Esporte Clube Pelotas. Não há datas confirmadas, mas as possibilidades indicam os dois jogos em dias de semana – “maravilha”, hein? Apesar disso já se escuta a alcateia uivando ao longe, em direção à lua cheia; de outro lado se vê sinais de fumaça e se ouve o retumbar de tambores por entre as árvores. A batalha se aproxima…

Avante, Xavante! Tu carregas no distintivo o nosso SANGUE, a nossa RAÇA. Estaremos lá, mais uma vez.

Fotos de Italo Santos (assessoria G.E. Brasil) – muito obrigado!

Direto do estádio Bento Freitas, para o Toda Cancha,
Pedro Henrique Costa Krüger | @pedrohckruger

Publicado em Bagé, Brasil de Pelotas, Copa FGF 2013 com as tags , , , , , , . ligação permanente.

4 Respostas a EL hat-trick LOCO

  1. Enrique Xavante diz:

    Parabéns pelo belo texto,Pedro!Se Deus quiser sairemos campeões dessa copa,ano passado infelizmente não deu,graças ao Sr.Vuaden.O que seria um paranauê para trás misturado com um moonwalker?HUEHUEHEUEHUEHUEHUEHUE

  2. Lucas diz:

    Um paranauê para trás misturado com um moonwalker, indica que o árbitro de ontem seria o Margarida, disfarçado.

  3. pedrohckruger diz:

    #1

    Obrigado, Enrique! E o #2 Lucas explicou perfeitamente.

    Abraços.

  4. Marlene Dorneles diz:

    Parabéns, o texto da forma escrita está maravilhoso, diz bem o que foi o jogo.
    O final, melhor ainda: Avante Xavante! Tens no distintivo o nosso sangue a nossa raça! Maravilha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *