Amor e morte!

guara

Parabéns ao insólito da geral!

FINALMENTE! Depois do pedido de anulação do jogo contra o Tupi de ressaca, e da desistência do Rossonero Pampeano, veio a estreia, diante dos (poucos) seus. O inimigo era o 15 de Campo Bom, antiga pedra no sapato, que agora retornou.

Felizmente meu curto regressos de férias de afazeres acadêmicos me possibilitou acompanhar a peleia contra um antigo rival, os responsáveis pelo fim do sonho do esquadrão de 2003. Não esqueci do garrão de Adão nas ARTÉRIAS do goleiro André, dez anos atrás. Proposital ou não, o fato é que acarretou no ingresso do inseguro arqueiro Giovani. posterior queda de rendimento, pressão, demissão de Mano Menezes e queda da liderança para a sexta posição!

Chocomate

rangel

Goleada? Positivo!

No início do jogo, o Guarani mostrou a que veio. Um time sereno e experiente soube como atacar o precipitado e jovem AMARILLO. O jogo estava truncado. De acordo com o Instituto Datafoda-se de observação ocular, tivemos uma falta a cada 28 segundos nos primeiros 10 minutos. Em uma delas, Chiquinho alça na área, e Rangel TESTA para as redes, aos sete minutos.

Em seguida, falta frontal para o 15. Rrrrrrrrrrrrrrrrrrrronaldinho cobra e Rodrigo faz uma PLÁSTICA defesa. Os amarelos avançavam sem o mínimo perigo. Entretanto, o Rubro-Negro chegou lá de novo. Clodoaldo avançou pela direita e cruzou para Luan, que levou um abraço de urso! Penalidade que Rafael Bitencourt conseguiu TIRAR do pequeno Gott!

bitencourt

Cadê a Tribo?

Com 15 minutos o placar marcava 2×0 Guarani. Mesmo assim os índios seguiram em frente. Aos 21, Clodoaldo fez a festa na área e arrematou. Mesmo sendo fraco, o arqueiro campobonense aceitou! Goleada antes da metade do primeiro tempo e mexida no escrete inimigo.

E ela aumentou! Éder Lazzari lançou com categoria para Chiquiño que fuzila cruzado, Gott espalma nos pés do matador Luan, e ali amigo, ele não perdoa. Esse tento o deixa vivo na briga pela artilharia, que será injusta sem o Milan para enfrentarmos. Com 40 minutos os 4×0 deixaram todos eufóricos com a chance de uma goleada ainda mais elástica!

O mistério

Depois do pastel com refri, apenas os visitantes voltaram ao jogo. O matador Luan foi trocado por Rodolfo, num movimento que ainda não entendi. Assim como não compreendi a DISPLICÊNCIA rubro-negra no segundo tempo. O 15 ameaçava a meta de Rodrigo com uma frequência surpreendente. Claro que não era aqueeela coisa que se diga, minha nossa, como assustaram.

Aos 13 minutos, lance de CONTATO na área Índia e castigo máximo assinalado para o tricolor metropolitano. Na cobrança, Jorter tira do guarda-metas e marca o gol de honra. Logo em seguida, falta para os tricolores. Após rebuliço na área, LA MANO DE BRITO toca para as redes!

Chicão colocou Alexandre e Ceará nas vagas de Rafael Bitencourt e Clodoaldo. Surtiu pouco efeito. Embora tenha ficado claro que Alexandre é o melhor complemento para Rafael Bitencourt. Chiquinho é semelhante a ele, portanto, banco! O homem é a personificação do Santa Cruz, pois só joga bem quatro meses por ano!

Houveram dois lances curiosos. O primeiro foi a arrancada de um CUSCO pela ponta direita, mas não lançaram-no e ele acabou saindo chateado! O outro foi um recuo de bola da zaga quinzista que resultou na defesa do goleiro. REBULIÇO na área, até o MASSACOTE do 15 na barreira. Porém, a barreira fez COVER do Rogério Ceni.

DSC_0027

O Índio chegou com perigo com o parceiro de ET, que parou em Gottfried, nome mais SONORO do campeonato. Mesmo buscando jogo, a limitação visitante era visível, e sequer assustaram. Exceto por uma falta que foi parar longe do gol. O pequeno Gott foi à área, e a bola não chegou nele.

Fim de jogo e missão cumprida. Mesmo sem ritmo de jogo a vitória veio, mostrando o óbvio, Alex Klafke tem sido um BAITA preparador e temos um dos melhores elencos do campeonato, talvez o melhor. O elenco está pronto para subir. O grupo merece o acesso, o povo de Venâncio Aires não!

Aonde estão?

Agora vamos todos a Rio Grande! Peraí… Tivemos no máximo 150 pessoas no Edmundo Feix numa tarde de domingo. Era isso mesmo. Triste demais para um time de ótima campanha que mesmo assim está desamparado.

No fundo o venâncioairense é um mal-acostumado. Depois de 15 anos na elite do Costelão, jogar a Terceirona desanima. A Assoeva jogando elite estadual e nacional colabora para o quadro, virando escape para o mateiro que acredita que a grandeza é maior que o ideal. Mais uma razão para sairmos do buraco e mostrarmos ao povo que vale a pena acompanhar o que é realmente seu!

Estádio Edmundo Feix – Venâncio Aires

Guarani – VA 4 x 2 15 de Novembro

Golos: Rangel (7’1T), Rafael Bitencourt (15’1T), Clodoaldo (21’1T) e Luan (40’1T); Jorter (13’2T) e Brito (24’2T)

Guarani-VA: Rodrigo; Betinho, Márcio Nunes, Vinícius Masiero e Alê; Rangel, Éder Lazzari, Rafael Bitencourt (Alexandre) e Chiquinho; Clodoaldo (Ceará) e Luan (Rodolfo) . DT Chicão

15 de Novembro: Gott; Itaqui, Serjão, Gamarra e Rodrigo; Ruan (Bicaco), Márcio, Brito, Ronaldo e Jorter; Léo (Wagner) DT: Alexandre Melo dos Santos

Fotos: Folha do Mate

Temporariamente em casa;

Régis Nazzi

Publicado em 15 de Novembro, Guarani-VA, Terceirona 2013 com as tags , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *