Empate na Boca do Lobo. Decisão na Baixada

Foto: Italo Santos

Mais uma vez ficou tudo igual no Bra-Pel do último sábado (2), no Estádio da Boca do Lobo. Ambas as equipes não marcaram GOLO na partida válida pelo primeiro jogo da final do returno da Copa Sul Fronteira.

A equipe Xavante, no primeiro tempo, foi mais perigosa e deu trabalho ao goleiro Paulo Sérgio. No início do jogo, o CARA DA RAÇÃO Rafael Forster (ns) cobrou falta e colocou a GORDUCHINHA na área. E aí, a polêmica: Ricardo Bierhals foi agarrado por Bruno Salvador e não conseguiu a conclusão para o gol. O árbitro mandou seguir o baile, deixando os torcedores enfurecidos e sua mãe desmoralizada. O rubro-negro seguiu no ataque e Cleiton deu um OLÉ no meio-campo, deixou o marcador áureo-cerúleo para trás, avançou com a bola e bateu para o gol, porém esta se perdeu pela linha de fundo.

O Brasil se mantinha com uma boa troca de passes no meio-campo até que GOELSON (ns) arrisca de longe, mas a pelota voou por cima da trave áureo-cerúlea.

Foto: Elisson Bitencourt

O Lobo até assustou num lance que fez A MURALHA Luiz Muller se destacar no jogo. O camisa 9, Gilmar, invadiu a área e o goleiro Xavante se jogou aos pés (ns) do jogador do Pelotas impedindo a conclusão. No fim da primeira etapa da peleia, o Pelotas teve mais uma chance. Jefferson chutou forte, no meio do gol, mas, novamente, Luiz Muller fez espetacular defesa.

No início da segunda etapa do jogo, Wender, que completou a centésima partida com a camisa rubro-negra, cobrou lateral e colocou a bola dentro da área do time da casa. A zaga do Pelotas foi eficaz e desviou, mas sobrou para o baixinho e veloz Alex Amado, que chutou forte e mandou a bola pro alto sem dar muito trabalho ao arqueiro amarelo.

O clima ficou TENSO após a expulsão do zagueiro rubro-negro, Fernando Cardozo. O camisa 4 xavante aplicou um carrinho forte em Bruno Coutinho e o árbitro AVERMELHOU o jogador rubro-negro.

O Pelotas estava com um jogador a mais e foi pra cima. Porém, Cleiton foi atingido por uma BAITA cotovelada do zagueiro Pedrão. Novamente Daronco tira o cartão ROJO do bolso e expulsa o jogador do Lobo. Tudo igual em campo, tudo igual no placar.

O Brasil poderia marcar mais um gol e aumentar com vitória o saldo de 15 anos de más lembranças a uma geração inteira que não viu vitória em casa: Ricardo Schneider, após cobrança de falta de Edu Silva, subiu alto, cabeceou, mas a bola parou na trave do goleiro Paulo Sérgio. A flechada fatal ficou para mais tarde.

Fim da partida e dos primeiros 90 minutos da decisão do segundo turno da Taça Sul Fronteira. O último confronto será no estádio Bento Freitas, aquele que irritou Zagallo, na próxima terça-feira. Se o Lobo vencer, leva tudo. Se o Xavante derrubar o bichano invasor, obriga mais dois clássicos para definir o campeão da taça.

Rivalidade boa. Vale taça e é Bra-Pel. A partir das 20h30, na Baixada, e com torcida, finalmente.

Foto: Elisson Bitencourt

Fotos de Italo Santos (assessoria GEB) e Elisson Bitencourt (Rede Esportiva).

À espera de vingança,
Jéssica Gebhardt e Pedro Henrique Costa Krüger

Publicado em Brasil de Pelotas, Pelotas com as tags , , , , . ligação permanente.

Um comentário em Empate na Boca do Lobo. Decisão na Baixada

  1. Olhando o Tobogã, sou obrigado a perguntar: ‘Inha, Inha, Inha, cadê a torcidinha?’

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *