Outra vez, o quase

avenida_1

2013 prometia ser o ano da consagração do Avenida, afinal, seria o ano do início da obra de uma arena multiuso para mais de 30 mil lugares no local dos Eucaliptos. Porém, como já era de se esperar, a história não passou de uma doce ilusão.

Envolto por muito tempo nesse delírio, o Avenida acabou de mãos abanando e chegou a cogitar publicamente não participar do GRILLÃO em 2013, por falta de apoio financeiro, sendo inclusive uma das equipes que só garantiu sua presença após a data limite estabelecida. Porém, o clube confirmou a sua participação na sua primeira Divisão de Acesso após o rebaixamento de 2012 e montou um elenco experiente para a competição, contando com o retorno de jogadores que garantiram o acesso ao alviverde há dois anos.

O Periquito Santacruzense planejou voar alto em 2013. Começou a preparação pra Divisão de Acesso ainda no final de 2012, o  técnico Hélio Vieira queria uma equipe preparada pro PEGA e pra subir sem choros no ano do centenário do rival. Teoria muito bonita, mas esqueceram de avisar isso aos homens que fardariam o uniforme verde e branco.

Sem choros e num sol ESCALDANTE, o Nida fez o primeiro amistoso na metade de fevereiro contra a Associação Cachoeira, com equipe completa e o estreante Nunes (que chegou pra ser um dos maiores reforços da equipe), o Periquito foi pra cima dos visitantes e sem choro aplicou o 5 x 0. Depois de uma possível animação dos alviverdes, houve uma derrota em um amistoso contra o Aimoré longe do ninho por 4 x 0 e outro em casa para o Riograndense por 4 x 1.

PAUSA PARA OS CLÁSSICOS

1471329_679580772081987_538992480_n

De asas baixas após as duas derrotas bisonhas nos últimos amistosos, o time foi a campo na segunda de noite pra jogar o primeiro clássico Avecruz do ano. Seria um na segunda e um na sexta, valendo a taça da “Copa Centenário” que fez alusão ao centenário do maior rival.

Não bastasse ser na segunda-feira e estar chovendo, o Santa Cruz ainda saiu na frente com gol de Léo Maringá. Mas o Periquito mostrou que no seu ninho, Galo não canta e o canhotinho mágico Alexandre estufou a rede duas vezes virando o jogo pros donos da casa. Final de peleia com o marcador em 2 x 1 e o Avenida vencia um clássico depois de anos.

Na sexta-feira, a peleia foi nos Plátanos e dessa vez quem mostrou que no rinhadeiro é o Galo que canta, foi o Santa Cruz. O alvinegro venceu a peleia pelo mesmo placar e a taça seria decidida nas penalidades. E assim foi, um erro de cada lado nas cinco primeiras e nos matas, Jhone desperdiçou para os avenidenses. A taça centenário foi para o dono do centenário.

Servindo de consolo: ganhamos um clássico.

VOLTAMOS AO GRILLÃO

O ano começou de fato na estreia contra o Gaúcho de Passo Fundo diante do povo santacruzense. O alviverde teve a HONRA de levar o primeiro gol da competição e não poderia ser de outra pessoa se não do INFINDÁVEL Sandro Sotilli, mas a virada foi alcançada aos CINQUENTA minutos da segunda etapa. A primeira vitória foi cravada. Depois foram dois jogos fora de casa, vitória diante do Guarany em Camaquã e empate diante do Ypiranga no Colosso da Lagoa.

tc3

Até então, a equipe seguia na segunda colocação da chave, atrás apenas do São Paulo que seguia com 100% de aproveitamento na competição. De volta ao ninho, em uma fria noite de segunda (literalmente) os NIDENSES  estavam novamente diante da torcida, agora para enfrentar o União Frederiquense. Os visitantes chegaram sem cerimônia e foram para o intervalo com o 2 x 0 no placar, porém no segundo tempo, o recém chegado para assumir a camisa 9, Gavião, marcou duas vezes (o que deve ter sido  45% de todos os gols dele na temporada por aqui) e assegurou a manutenção da nossa invencibilidade na competição.

Se achando um Periquito de ferro (?) e em busca de mais um resultado positivo, o comboio GREEN AND WHITE foi até Santa Maria para enfrentar o Inter-SM. Peleia em horário bagaceiro, as onze da manhã e com um sol torrando o porongo de quem se deslocou até a BOCA DO MONTE. Mostrando que não estavam acostumados a estar NA LIDA nesse horário, o time não jogou pelo almoço e com um homem a menos, chegou a primeira derrota na competição.

Mas o dia ainda reservou para o torcedor Avenidense uma “alegria”, na mesma tarde o F. C. Santa Cruz teve sua queda pra Divisão de Acesso 2014 decretada.

tcg

De volta ao ninho e em um jogo conturbado, chegou mais um empate na conta, dessa vez diante do Brasil de Pelotas. Outra vez em casa, o Nida venceu o Glória de Vacaria e a decisão da vaga pros matas seria longe pero no mucho, em Rio Pardo, diante do Riopardense. A vitória aconteceu, porém o saldo magr de 1 x 0 não classificou o Periquito, que ficou atrás do São Paulo no saldo de gols. Duas semanas de folga forçadas e o foco no segundo turno.

tc1

O Avenida voltou com tudo pro segundo turno e patrolando os adversários, né? Não.

Na primeira tenteada do segundo turno, embora dentro das quatro linhas o desempenho tenha sido, em sua maior parte bom, o ataque novamente foi típico de levar umas três relhadas no fim do jogo. Assim, deu-se a primeira derrota no segundo turno diante de outro Periquito, em Santa Maria. Mas o pior ainda estava por vir, alguns dias depois e dessa vez diante da sua gente, o Avenida fez o maior fiasco do ano e perdeu pro Santo Ângelo em uma partida que dava pra ter ganho, analisando o contexto geral. Só esqueceram de avisar os jogadores que eles deveriam mostrar vontade em campo, no mínimo.

A fase era ruim e pra tentar consertá-la, Beto Campos assumiu o lugar de Hélio Vieira no comando da equipe. Logo no primeiro jogo e com algumas mudanças no esquema da equipe, houve o triunfo diante da SER Panambi, na Capital das Máquians. Ela, a esperança, estava voltando. A tão sonhada vitória que o torcedor alviverde esperava há tempos em casa, veio sem demora.

O visitante foi o Aimoré e numa partida em que o camisa 6 dos visitantes conseguiu colocar a bola pra fora do estádio, com um chute, Beto Campos conseguia manter os 100% de aproveitamento no comando do time.

Faltando três rodadas para o fim do segundo turno, era chegada a vez do Avenida receber o Farroupilha em seus domínios. O QUERIDO fantasma veio devagar quase parando e sem muito choro, mais um êxito tranquilo e o sonho da classificação se tornava cada vez mais real.

Empolgados com a nova fase da equipe, os cueras de verde e branco foram até a serra para alinhar perante o Brasil de Farroupilha. Mas parece que o vinho azedou por lá e numa partida com gol contra e penalidade desperdiçada, Beto Campos conhecia sua primeira derrota no comando da equipe. Na última partida da primeira fase, o adversário recebeu o campeão do primeiro turno em Santa Cruz do Sul e os Leões do Parque levaram a melhor . Mas a classificação veio mesmo assim, a última vaga da chave chegou entre um solavanco e outro, sendo o Xavante, o bravo combatente inimigo nas quartas de final.

tc

A primeira partida dos MATA OU MORRE foi numa noite típica de inverno da Terra do Fumo, o vento gelado e alguns pingos de chuva, mas nada que afastasse o torcedor das arquibancadas. E com gol de Carlos Alberto aos 40 minutos do segundo tempo, os avenidenses ficaram com a vantagem para o jogo de volta.

Quatro dias depois se iniciava o confronto no Bento Freitas e foi um baile. O Brasil de Pelotas foi pra cima desde o primeiro momento e o 5 a 1 foi colocado no marcador com uma calma, sem descrição. Para os alviverdes, foi a sacramentação da eliminação no GRILÃO, e mais uma vez o quase apareceu. O quase que já havia dado o ar da graça em 2012, quando a equipe foi rebaixada no saldo de gols.

E agora? Agora é hora de acolher os carijós na Divisão de Acesso em 2014.

SUB 19

tc4

Pra quem achou que não haveria mais futebol em Santa Cruz do Sul no segundo semestre, o Avenida foi lá e calou a boca. O Periquito participou da Copa FGF Sub 19, mesmo sem muita preparação e com uma equipe teoricamente inferior, fez uma boa campanha e chegou até as quartas de final da competição, conseguindo a vaga pro Gauchão de Juniores Série A no próximo ano.

Querendo mais em 2014,

Sabrina Heming

Publicado em Avenida, Copa FGF Sub-19, Divisão de Acesso 2013 com as tags , , , , , . ligação permanente.

Um comentário em Outra vez, o quase

  1. Rafael Augusto Machado diz:

    Eu nunca tinha visto um torcedor do F.C. Santa Cruz. Será que isso existe mesmo? Avenidenses de Caxias do Sul presentes!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *