Vencendo, convencendo e pedindo pra São Pedro colaborar mais

galeria404_8739

Após uma primeira rodada de muita água e coisas deixando a desejar, o Periquito Santacruzense voou até Gravataí para encarar o Cerâmica na última quarta-feira. Não teve jeito de enganar São Pedro e a chuva apareceu por lá também (ns). Estádio praticamente vazio, água caindo de balde e um adversário forte, foram essas as condições que os homens de verde e branco encontraram ao adentrar o gramado do Vieirão.

Com um meia e o lateral direito expulsos na PELEIA anterior, Amarante teve que improvisar, colocando Wellington no meio e Filipe Rubim, lateral esquerdo na lateral direita. Torcedores já rezavam pra que ele não tivesse que trabalhar muito por lá, a direita só pra subir no ônibus e olhe lá. O home de preto apitou e a bola rolou! Mentira, ela ficava presa nas poças de água a todo momento.

galeria404_8749

Nenhum torcedor pode gabar-se de superioridade dentro das quatro linhas no primeiro tempo, o jogo foi lá e cá. Duas equipes mostrando o motivo de serem candidatas ao tão querido acesso, subindo forte ao ataque e obrigando as defesas a trabalhar duro. Assim a peleia seguia e a água não dava trégua, até que em uma subida ao ataque, a defesa anfitriã deu rebote e Maurício que não tinha nada a ver com isso dominou a bola, infiltrou na área e ele, o autor de TODOS (dois) gols do Avenida até agora, balançou o barbante! Fernando Gaúcho abriu o marcador quando o árbitro já pensava nos seus quinze minutos de descanso.

De volta em busca de uma pneumonia (ns), as equipes vieram mais violentas pra segunda etapa. Foi um festival de faltas e boas investidas ao ataque. Os visitantes mostraram que o QUARTETO MÁGICO pertence ao Avenida esse ano, Maurício, Clodoaldo, Miro Bahia e Fernando Gaúcho jogaram com um entrosamento bom demais. Foram chances claríssimas de gol, mas o Cerâmica deve ter diminuído o tamanho das goleiras e a bola insistiu em não entrar.

O Cerâmica acordou e subiu ao ataque com certa frequência, mas o Avenida tem Daniel no gol. Daniel fez defesas que salvaram o Periquito. O baile seguiu assim todo o segundo tempo, testando os corações de todos. Até que o técnico Régis Amarante ficou brabão, invadiu o campo e conseguiu uma expulsão. Saindo de campo por livre e espontânea obrigação, quem comandou a equipe da beira do gramado foi o camisa 9, Fernando Gaúcho que havia saído pra dar lugar ao garoto Luan.

Assim findou-se a peleia. Avenida manteve o histórico de expulsões no campeonato, mas dessa vez com vitória. Vitória de placar mínimo, mas o que importa é o que interessa e os três pontos estão computados, assim como a aprovação da atuação do time e a lidarança do grupo. Pelo lado do Cerâmica, foi a estreia em casa e com derrota.

De volta ao aconchego dos Eucaliptos (?) o Avenida trabalha pra mais um jogo fora, e longe. Mas longe mesmo. No sábado, o Periquito voa até Vacaria para enfrentar o Glória, que empatou em casa na quarta com o Panambi, por 1 x 1.

Tomando dois banhos de chuva por semana com o Avenida,

Sabrina Heming

Publicado em Avenida, Cerâmica, Divisão de Acesso 2014, Série A2 com as tags , , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *