Finalmente 17!

4

Com Aldo Dapuzzo lotado, São Paulo da show e garante permanência no Costelão. (FOTO: Daniel Corrêa)

O número mágico foi alcançado. Depois de 14 rodadas, o São Paulo enfim conquista seu 17º ponto e garante permanência no Costelão em 2015. Com uma campanha repleta de altos e baixos, o rubro-verde ACHOCOLATOU o Cruzeiro e exorcizou o fantasma de La B, de bônus levou a chance de conquistar a última vaga no grupo B para os matas. 

1

Nata empata a peleia e tranquiliza os rubro-verdes. (FOTO: Daniel Corrêa)

Com mais de 6 mil pessoas no Aldo Dapuzzo, os comandados de Toquinho encagaçaram a torcida logo aos 8 minutos quando sofriam o primeiro gol da partida. Na bola aérea – única e principal alternativa do Cruzeiro durante todo o jogo – Reinaldo cabeceou sem chances para Pablo. Aquele mini-ataque-cardíaco clássico assolava os corações dos rubro-verdes presentes e deixava os cerca de 12 torcedores estrelados anestesiados de tanta felicidade. Apesar da dianteira no placar ser dos visitantes, era o São Paulo quem criava chances. Tanto que, pouco tempo depois, Nego recebe lindo lançamento de Vasconcelos e é jogado para fora do campo pelo zagueirão. Penal. Nata pediu para bater e num chute mascado converteu a cobrança. O caldeirão explodia! A certeza que a virada seria questão de tempo tomava o lugar da apreensão de antes.

O destino tratou de ser justo com o camisa 10 rubro-verde. Empilhando grandes atuações desde a derrota para o Pelotas, o meia Murilo marcou um golaço que até o Toquinho assinaria. Depois de carimbar o poste na partida contra o Novo Hamburgo, o pensante do time do rubro-verde está sendo procurado pelo Ibama por motivos de:  matou a coruja.  Na gaveta! Tchau, fantasma!

2

Murilo mete na ASA e corre pro abraço. Leão 2×1. (FOTO: Daniel Corrêa)

Ainda no primeiro tempo, Gillian, na sua primeira atuação de encher os olhos do torcedor, dançou o lepo lepo na frente do marcador e colocou na cabeça do matador Carlos Alberto. O camisa 9 só teve o trabalho de escorar de cabeça para o gol vazio. 3×1 era demais para aqueles que entravam na rodada pretendendo vencer por meio a zero. O churrasquinho da tia no intervalo nunca teve tanto gosto de rês. E parecia Friboi. rs

No segundo tempo o panorama se alterou, um São Paulo mais reservado e apostando nos contra-ataques e um Cruzeiro carregando o lema do “perdido por um perdido por dez”. Sem muita criatividade ofensiva, os visitantes chegavam nas constantes faltas marcadas pelo arbitro Marcio Chagas – que mais uma vez foi aplaudido antes e depois da partida. Os lisos avançados do estrelado tocavam o terror pelas laterais do campo e a medida que as faltas eram marcadas a força aérea era convocada, mas nós tínhamos o antídoto: SAN PABLO. O goleiro rubro-verde destaca-se pelo reflexo e elasticidade em muitas defesas neste Costelão, mais uma vez foi fundamental para a vitória do Leão.

No golpe fatal, Gillian foi premiado com belo passe de Correia e concluiu sem chances para o arqueiro Fábio. Estava morta a viúva. Que vestia branco e azul, mas com alguns adornos áureos e cerúleos. Finalmente: 17.

3

Toquinho tem 75% de aproveitamento na casamata do Leão. (FOTO: Daniel Corrêa)

Aos comandos de Toquinho, o São Paulo conquistou seu nono ponto em doze disputados. 75% de aproveitamento, 100% no Dapuzzão. O material humano é o mesmo, mas a VIBE é outra. Conhecedor da linguagem dos boleiros, humilde e inteligente, Toquinho conquistou jogadores, direção e, principalmente, torcida. Na verdade, RECONQUISTOU a massa. Com mudanças simples, buscou o melhor de jogadores que nem titulares eram. O Leão do Parque agora tem um camisa 10 (Murilo), tem um centroavante (Carlos Alberto), laterais estupendos no apoio e na marcação (Nego e Correia), sem falar no sistema defensivo que, fora o apagão nos minutos iniciais no Centenário, mostra-se compacto e eficiente. Enfim, com o mesmo material, mas com outra pegada, Toquinho conseguiu… de novo.

No lugar dele, eu daria aulas de futebol no táxi para treinadores cobrando bandeira dois. (ns)

Domingo o São Paulo joga pela sorte. Joga por uma vitória que pode levá-lo de “um dos certos entre os rebaixados” para “classificado para os matas”. De fato, apenas que a manutenção na primeira divisão passou longe de pontos perdidos pelos demais, até porque também não cairíamos sem as perdas. Passou, na verdade, por uma direção que com todos os defeitos que possa ter, batalhou dia e noite para dar condições ao Leão de um campeonato ao menos digno de sua história. Até mesmo um empate pode nos levar ao Beira-Rio na próxima semana, caso o Cruzeiro perca seu jogo para o São Luiz. Se deixarem o Leão passar, aguentem! ns

Seja qual for o resultado, temos apenas uma certeza: em 2015 o Leão ta aí, de novo.

 

Pedindo contrato vitalício para o Toco,
Matheus Almeida

Publicado em Cruzeiro, Gauchão 2014, São Paulo-RG com as tags , , , . ligação permanente.

Um comentário em Finalmente 17!

  1. Célia diz:

    Este toquinho é um dos maiores treinadores do RGS, e agora na primeira divisão não tenho dúvidas vai decolar, e como sempre o Sampa apesar das dificuldades vira o centro do Campeonato com sua torcida e um time de muita qualidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *