Quem vai nos ouvir?

Spray de Pimenta. Foto Italo SantosSábado, 11 de abril. Rio Grande/RS. No estádio Aldo Dapuzzo, casa do Sport Club São Paulo, o Grêmio Esportivo Brasil recebeu o Internacional de Porto Alegre e empatou em 1 a 1. Com o resultado, o Xavante sagrou-se bicampeão do interior – perderá apenas o título se avançar à final. Porém, não terei a honra de escrever somente sobre a campanha vitoriosa do rubro-negro. Durante o intervalo da partida, houve confronto entre torcida Xavante e Brigada Militar, e as informações veiculadas por boa parte da imprensa a respeito disso não condizem com os fatos.

O Brasil não joga no estádio Bento Freitas, sua casa, desde a partida contra o Flamengo pela primeira fase da Copa do Brasil, realizada no dia 25 de fevereiro deste ano. Em dois pontos diferentes, a arquibancada apresentou falhas estruturais. A direção pretende reconstruir a Baixada, mas enquanto isso não ocorre é preciso jogar em outras casas. O clube alugou e jogou cinco jogos na Boca do Lobo, estádio do maior rival, que mais tarde decidiu não aceitar mais o negócio. Por conta disso, o Aldo Dapuzzo foi locado e duas partidas nele foram realizadas – já contando a semifinal contra o Inter. Com exceção ao último jogo, nenhum problema foi registrado. Não houve violência nem depredação do patrimônio alheio. Pelo contrário, mesmo afastado do seu território, os índios Xavantes registraram a maior média do interior gaúcho. A Revista Placar foi mais além e, ao considerar apenas os quatro maiores estaduais do país (a saber: SP, RJ, RS e MG), informou que o Xavante tem a 13ª maior média, superando a casa dos 7 mil rubro-negros por rodada.

A partida contra o Internacional tinha tudo para ser especial. Há mais de 30 anos, o Brasil não chegava duas vezes consecutivas à semifinal do estadual. Além disso, um empate já garantiria o bicampeonato do interior. A vaga à Copa do Brasil do ano que vem também ficaria bem próxima. A invasão Xavante a Rio Grande também se repetiu. Festa completa. Enfim, um jogo histórico, à altura do que o Grêmio Esportivo Brasil representa para o futebol gaúcho.

Durante o intervalo, rubro-negros e colorados, separados por cordas, grade e policiais, trocavam ofensas. Quem está acostumado a ir a estádio de futebol sabe bem que essas situações são naturais e, na maioria das vezes, não passa disso. Em determinado momento, policiais foram em direção aos torcedores do time da capital e pediram a eles, imagino eu, para diminuírem o ritmo. Foi nesse mesmo espaço de tempo que os policiais do Batalhão de Operações Especiais (!) iniciaram uma ofensiva contra a torcida Xavante. Com cassetetes, as costas de diversos torcedores do Brasil tornaram-se alvos. Algumas pessoas reagiram frente à ação inesperada e desproporcional da Brigada Militar. Com a utilização de spray de pimenta e a explosão de duas bombas de efeito moral, a situação saiu de controle.

Uma menina, torcedora do Brasil, passou mal. Além de assustada com a situação, teve um ataque de asma em decorrência do spray de pimenta. Foi carregada por outro torcedor Xavante até a ambulância, que precisou sair do estádio. A imprensa chegou a noticiar que a menina saiu ferida pela própria torcida rubro-negra. Outros veículos afirmaram ainda que a jovem torcedora foi atingida por um tijolo arremessado pelos Xavantes. Horas mais tarde, essas versões foram desmentidas pela própria mãe da menina, nas redes sociais. O torcedor que a ajudou também se manifestou.

Como desfecho final, alguns torcedores do Brasil bateram em um homem da própria torcida. Não consegui confirmar o(s) motivo(s), porém adianto que nenhum conseguirá justificar as agressões e é sobre esse fato que devemos fazer a nossa autocrítica. Não podemos nos eximir dessa parcela de culpa, apesar de termos razão quanto ao início da confusão e à forma como ela foi relatada pela imprensa. As imagens dessa pancadaria generalizada foram usadas para apontar a causa de toda a confusão, quando na verdade foi efeito de uma situação que poderia ter sido evitada. As cenas ainda foram utilizadas em diversos materiais sensacionalistas para deleite de quem tem mais interesse em atacar a torcida do Brasil do que encontrar soluções para coibir a violência (policial ou não) nos estádios.

Infelizmente, a confusão não parou por aí. O jogador Paulão, do Internacional, foi flagrado atirando um objeto na torcida do Brasil. Vocês não viram em nenhum lugar algo sobre isso, certo? Os policiais do BOE que estavam dentro de campo também resolveram participar do fuzuê e soltavam, de vez em quando, os cães no alambrado, levando risco ao pessoal que gosta de assistir ao jogo por ali. Na tela, um torcedor do Brasil reagiu e foi preso. Detalhe que essa participação policial ocorreu na outra bandeirinha de escanteio, bem afastado da confusão exibida a exaustão pela imprensa.

objeto

A maioria das matérias veiculadas na televisão, rádio e internet, erraram em maior ou menor grau. Não estamos aqui para avaliar e encontrar as razões para uma cobertura tão medíocre e desinteressada. Não exigimos, todavia, a omissão dos nossos podres, pois nós mesmo já expomos alguns que presenciamos (relembre aqui e aqui), mas queremos e esperamos o compromisso com a verdade. Depois que as notícias com informações equivocadas chegam às pessoas, o estrago é praticamente irreversível. No caso da torcida do Brasil, o dano é ainda maior, tendo em vista o nosso histórico de comportamento, que tem mudado nos últimos anos para melhor; além da busca incessante dos rivais em desqualificarem a nossa torcida, já que na arquibancada não conseguem obter vantagem. E não para por aí: é a segunda vez em dois anos que boa parte da mídia “reorganiza” a ordem dos fatos sem se preocupar se essa “organização” vai alterar a forma como as confusões aconteceram e, principalmente, como se originaram.

Ano passado, já tivemos uma grande exposição negativa a nível nacional quando, na verdade, fomos os grandes prejudicados. O time Xavante jogava no Paraná, contra o Londrina, em partida válida pelas semifinais do Campeonato Brasileiro Série D. Já havíamos vencido o time paranaense, em Pelotas, por 3 a 1. No Estádio do Café, abrimos 2 a 0 de vantagem. Classificação à final mais do que garantida. Só que o time serie-ddo Brasil se viu envolvido numa grande confusão, tentou não reagir (até para não perder jogadores para a final) e foi, posteriormente, massacrado pela imprensa – com matérias desse nível – mesmo quando os responsáveis pela violência, no caso os dirigentes e funcionários do Londrina, espancaram um cinegrafista da RBS Pelotas – relembre com o texto “Quando o jornalismo apanha, dói em todos nós”. Para piorar, ainda fomos punidos pelo STJD e um time inteiro não pode jogar a segunda partida da final. Enfraquecido, não tivemos forças para superar o adversário e perdemos o título nos pênaltis.

Agora, contra o Internacional, em outra semifinal, a imagem do clube foi mais uma vez desgastada nacionalmente por uma confusão que a sua torcida não iniciou. Quanto a isso, o Portal Terra merece ser citado, pois foi o único a narrar fielmente o que aconteceu. Replicamos aqui, com grifos nossos, alguns trechos:

[…] A etapa complementar demorou para começar, pois uma confusão nas arquibancadas do Estádio Aldo Dapuzzo resultou em confronto de torcedores do Brasil com a Brigada Militar posicionada para a partida. Usando bombas de efeito moral e spray de pimenta, o policiamento feriu presentes e uma criança chegou a ser carregada até a ambulância que estava no local para ser atentida, após ter sido atingida pelos oficiais.

O árbitro Anderson Daronco foi obrigado a adiar o reinício da partida, pois a ação da Brigada não foi curta. Além de entrar em confronto indiscriminado com qualquer torcedor presente nas arquibancadas, a polícia pegou indivíduos específicos e os deteve, arrastando-os até fora do recinto.

Por fim, buscamos expor com este texto duas preocupações nossas: os (possíveis) danos ao clube e a violência no estádio, incluindo a violência policial. Quanto ao clube, já foi noticiado que o Procurador da Federação Gaúcha de Futebol (FGF), Alberto Franco, pode pedir que a próxima partida da semifinal seja sem torcida Xavante. Já falam também em possíveis perdas de mandos de campo. Enfim, apresentarão diversas sanções ao Grêmio Esportivo Brasil e à sua torcida sem a mínima apuração e resgate do que realmente ocorreu, ao invés de buscarem punições justas a quem realmente merece, incluindo os policiais do Batalhão de Operações Especiais.

Infelizmente, não é possível reverter o que foi noticiado por boa parte da imprensa esportiva. É provável que o clube vai ter que se esforçar para evitar as punições. Também não queremos que todos nos abracem emocionados pedindo perdão ou nos chamando de “coitadinhos”. Também temos a nossa parcela de culpa. Porém, este texto visa juntar imagens e depoimentos que corroborem a versão da torcida Xavante, que até agora não foi ouvida. Nós estamos dando voz a nós mesmos e, de certa forma, tentamos aqui resgatar um pouco da verdade que foi silenciada.

À torcida Xavante,

Pedro Henrique Krüger e Jéssica GEBhardt
Fotografias feitas por Italo Santos

Publicado em Brasil de Pelotas, Gauchão 2015 com as tags , , , , , , , , . ligação permanente.

19 Respostas a Quem vai nos ouvir?

  1. Leonardo de moura monks diz:

    Uma pena mas sempre é assim dois pessoa duas medidas. Tratamentos diferenciados são comuns no nosso pais. Polícia despreparada ou mau intencionada ??? I a FGF intäo ???

  2. Peri Xavante diz:

    Circula por ai, especialmente em páginas relacionadas ao ECP, que torcedores do Brasil foram detidos por prática de racismo… Existiu isso ou é mais uma DEVANEIO deles (assim como o “título” de 1911 e o contrato com a Adidas)?

  3. pedrohckruger diz:

    PERI,

    Não fiquei sabendo se alguém foi preso por conta disso, mas racistas têm em todo o lugar, Peri. http://www.todacancha.com/2015/03/18/os-negrinhos-da-estacao-sao-racistas/

    Mas não se preocupe: somos um clube formado por negros. Um orgulho para nós todos.

    Abraço!

  4. Bonifácio Sant' Anna diz:

    Estava a dez metros de onde começou tudo, e presenciei desde o início a confusão que começou por culpa da brigada militar, que espancou pelas costas um torcedor xavante, todo o resto foi indignação da torcida com tamanha violência, por sorte não foi além, pois tinham vários torcedores com vontade e condições físicas de partir para cima da BM.
    Infelizmente seremos punidos como já é comum, mas tenho certeza que não vai nos abalar, somos MUITO maiores do que isso, e por fim, que a dupla GRENAL vá para o inferno.

  5. Excelente texto Pedro…
    Infelizmente pra min, como um cidadão que cumpre os meus deveres ,e uma família que ensinou a cultivar a honestidade e a humildade a respeitar o proximo. Eu digo que “nao” existe mais a muito tempo, a credibilidade e muito menos a minha audiência para mídia com sinal aberto.

  6. eu sou o cara da foto… tava dando boa tarde pro pm e ele querendo me bater… que falta de bons costumes :(

  7. Carlos diz:

    Bom , como esse espaço é para discussões resolvi colocar a minha posição pois também estava presente. Não vamos acreditar em anjos, coelhos da pascoa e etc. Quem fica posicionado nas divisórias entre torcidas, não está nem um pouco preocupado com o objeto maior que é a disputa da partida de futebol. Agredir verbalmente os torcedores adversários é postura de pessoas de conduta duvidosa. Tinha muitos espaços para se posicionar para assistir o jogo.. Quem foi para aquele ponto do estádio é que queria confusão e com certeza arrumou. Sou xavante e fiquei com vergonha daquela marginália que não me representa. Sem falar na falta de respeito e ignorância que os jogadores do inter sofreram quando estavam atrás do gol fazendo aquecimento (Paulão, Anderson, Vitinho,etc). Ouviam de tudo, cusparada, etc. A brigada exagerou sim, mas se coloquem no lugar deles sendo pressionados e tendo que acalmar a torcida. Imagina o policial dizendo: filho senta ali, que vc está atrapalhando o espetáculo.Parece até piada.Porém quando o clima ficou calmo, e isso foi um absurdo, eles começaram a atiçar os cachorros contra o alambrado realimentando a confusão. Eles que deveriam dar exemplo e manter o clima de paz. Bom, mas vamos imaginar, se aqueles marginais ditos xavantes, que não são,tivessem ficado em casa… Nada disso teria acontecido e poderíamos até ter vencido o jogo pois temos time para isso. Abraço a todos.

  8. Rafael Cardoso diz:

    Parei de ler quando disseram que “não houve violência nem depredação do patrimônio alheio”. Todo estado viu que torcedores do Brasil arrancaram os postes da tela que separa o gramado e os utilizaram como lanças pra atacar os policiais. Na Boca do Lobo quebraram os banheiros. A BM é truculenta e sempre fica esperando por um motivo para sentar a lenha, mas sempre tem alguém que dá esse motivo. Todo mundo conhece a fama da torcida do Brasil e ela não veio de graça, já perderam muito mando de campo por causa de brigas e invasões. Em 2013 durante um Bra-Pel invadiram e nocautearam o bandeirinha. Onde passam tem sempre confusão. Vai ver que é só coincidência. Vai ver que estavam assistindo ao jogo ordeiramente e não deram nenhum motivo pra Brigada entrar em ação. A BM chegou batendo “do nada”? Volto a dizer, os caras arrancaram postes de metal do estádio para atacar os policiais, acham que eles vão se defender como? Usaram spray de pimenta e bomba de gás, qual a surpresa? Se tivessem ficado torcendo e cantando em vez de brigar e praticamente linchar um torcedor como mostram as imagens, não teria motivo para confronto com a BM. Parem de se fazer de vítimas, estão sempre metidos em confusão e depois se achando injustiçados.

  9. Paula Rabassa diz:

    Parabéns pelo belo texto.
    Sinto- me um pouco menos injustiçada, pois desde ontem tenho sofrido ao ver o escárnio midiático a que estamos sendo submetidos sem direito à defesa.
    Vou compartilhar mil vezes!!!!!

  10. #8

    Rafael, não sei pq parou de ler. Deixei claro: “COM EXCEÇÃO AO ÚLTIMO JOGO, nenhum problema foi registrado. Não houve violência nem depredação do patrimônio alheio”

    Abs

  11. Bruno Xavante diz:

    Os torcedores do Pelotas tomaram as redes sociais distorcendo os fatos e dizendo que a torcida do Brasil fez isso e aquilo. Esse aí falando que arrancamos os postes. De onde??? Bando de mentirosos que só querem manchar nossa imagem já que NUNCA SERÃO.

  12. Dada Vitoria diz:

    Vai ver que o rapaz estava lá pra ser tão convicto do que fala !
    Imagino que o banheiro ao qual se refere não seja aquela “patente” da entrada da Bento Gonçalves pois se for está equivocado, tenho fotos bem antigas que comprovam que sempre foi uma imundicia ! Engraçado que estão preocupados com a nossa confusão quando no mesmo dia ha comentários que estavam tentando “acasalar” nas maiores bancadas do mundo, ah retiro essa parte da maior bancada do mundo pois acabamos com esta mistica quando enfim uma torcida lotou a boquita… Lobinhos se preocupem com a segundona e deixem que dos nossos problemas nós cuidamos.

  13. leandro diz:

    Rafael tu é um cara de pau. Chamar aquilo de banheiro? E Pedro, o rapaz parou dw de ler pq nao sabe interpretação de texto.

  14. Caruccio diz:

    Sei o motivo da briga entre os torcedores, após a bomba jogada pela brigada, um torcedor foi atingido e outro ficou furioso, saiu de onde estava e foi em direção a brigada furioso, então naquela confusão, veio um torcedor do brasil tentar conter e acalmar… com nervos a mil… um furioso e o outro chegou pedindo p parar porem quase agredindo ele… acabou que brigaram e amigos acabaram defendendo um ou outro e deu nesta briga generalizada… culpa de quem??? da brigada que estava contando os segundos p bater nos torcedores desde o início do jogo. somos maiores q isso. abs

  15. Jg diz:

    Legal que se veja os 2 lados da moeda.
    Mas gostaria de ver a mesma Gana dos revoltados(revolta de certa forma justa) para que o Brasil puna a meia dúzia ou as poucas dezenas de vândalos que denigrem a imagem do clube e da torcida.

  16. wilson diz:

    Bom gostaria de começar dizendo que eu estava no estadio e estava bem onde aconteceu a confusão, e ao contrario do que o CARLOS escreveu eu estava ali não para xingar torcida adversária e sim pq sou Motorista de ônibus e levei uma das excursões e acabei entrando no estadio depois de haver começado a partida, a briga começou sim por xingamentos entre as duas torcidas, mas oque aqui ninguém comenta e que tivemos um ônibus apedrejado já na chegada ao estádio e que após a partida fomos novamente apedrejados tendo avarias em 3 carros da empresa, não sei se era torcedor colorado ou do SP de RG mas havia dois homens em uma moto na rua 1° de maio em RG apedrejando os ônibus, eu fui escoltado por cerca de 500 mts por torcedores que estavam no meu ônibus. Por favor quem não estava no estadio parem com o “achismo” pois só quem estava lá sabe oque realmente aconteceu.

  17. elias diz:

    Pelas comentários o problema é só a brigada militar. E querem ela nas ruas – Deus me livre, são perigosos hein Ô batista?
    O que a paixão faz na visão das péssoas.

  18. marcos diz:

    fala ai rapaziada amante do futebol, tava passando por aqui e dei uma olhada no que tinham escrito , vou começar falando que sou xavante e colorado, mais colorado , mas pra min o brasil poderia ter ganho o jogo e jogou melhor que o inter,,,, mas vamos para os fatos, eu estava na torcida do inter por que levei a torcida do inter em meu transporte pq trabalho com isso,, não tem cabimento alguém defender ums marginais, vandalos , loucos , cara eu estava entre as duas torcidas , eu li aqui absurdo sobre o que aconteceu, olha que não sou muito fã da brigada , mas falar que os caras abusaram,, pensem vcs como vi, tem um torcedor do brasil que apanhou , mas olha o brigadiano teve a maior paciencia do mundo antes de começar a agressão , o cara tava quase que guspindo na cara do brigada e o brigada não fazia nada, até achei estranho, ai tem uma hora que não dá mais,, ai o pau pega,, alguem aqui por exemplo falou que um deles tirou as calças pra mostrar a bunda a 2 metros de um brigadiano,,que um menino acho que no maximo ums 18 anos atirou um copo na cabeça do brigada,, e por que ninguem falou aqui que a brigada foi avançando contra a torcida , por que eles vinham em direção da torcida do inter e os brigadas pediam incansavelmente para recuarem ,, mas alguem recuou ,, não ,, ai o que fazer…eles tem que protejer quem está ali para ver o jogo,, não tem como falar,,, por favor afaste-se vc está passando o limite ,,,, vai falar assim com caras do jeito que estavam totalmente transtornados,,, atiraram uma pedra sim , na torcida do inter, foi a ums 2 metros de min , pegou na barriga de uma moça, logo em seguida o namorado, ou irmão não sei quis devolver a pedra ,, mas a propria torcida do inter não deixou para não causar, mais confusão ,,na rua , quando cheguei,, todos apavorados com a chegada da torcida xavante eu estava tomando mate, esperando para ir pro jogo e volta e meia vinha um morador falando ( chegaram os arruaceiros, ) será que ta todo mundo errado ,, e só a torcida do brasil pode fazer o que quiser,,,, claro que não,,, e quem acha que estou exagerando experimente falar com jeito,, com um daqueles que avançavam em cima da brigada ,, eu vi um torcedor que por acaso é meu amigo pedir calma ,, isso que ele é xavante crente,, sabe o que aconteceu , quase apanhou,,,,, então eu apesar de ser mais colorado,, gostaria que o brasil chegasse a final,,, mas tem que ser tomada uma atitude drástica contra o que acontece com uma minoria de marginais que se dizem ,, torcedores,,,a ( torcida do brasil , torcendo e show ) . mas tem que tirar esse pedaço podre pq fomos noticia emvarios lugares mas pelo lado mau .. abraço

  19. Pingback: O que deu errado em Caxias do Sul? | Toda Cancha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *