O ciclo é finito, mas a história e a gratidão são eternas

Marcio Hahn

Respeitado no interior, campeão Gaúcho com o Caxias em 2000 e com o Internacional em 2002, ídolo no Novo Hamburgo e bicampeão do interior com o Xavante. Hoje, no dia 3 de maio de 2016, Márcio Hahn encerrou a sua segunda passagem pelo Brasil após mais de 100 jogos com a camisa vermelho sangue. E tem, do mesmo modo que diz o hino rubro-negro, “o seu nome gravado na história”. 

Os jogadores chegam e vão embora, mas poucas partidas me deixaram tão tristes. O clube agiu do modo que achou melhor e provavelmente os 38 anos do meia tenham pesado nessa decisão. Não a questiono, inclusive a apoio, mas não comemoro.

Afinal, num mundo carente de pessoas de caráter, especialmente no ludopédio, Márcio Hahn é um achado. Dentro de campo, um grande jogador, cujo colecionou títulos, acessos e construiu uma rica história. Fora dele, um exemplar atleta profissional, familiar e querido pelas torcidas dos clubes pelos quais passou – e mais: até mesmo por aqueles que nunca tiveram o privilégio de vê-lo com a camisa do próprio clube.

foto por Max Rodrigues/arquivo pessoal

Márcio Hahn e Gustavo Papa ao lado de um pequeno torcedor rubro-verde. Foto: Max Rodrigues/arquivo pessoal

A primeira vez dele no clube dos Negrinhos da Estação ocorreu em 2010. De imediato, colocou a braçadeira de capitão no braço e fez um grande campeonato. Em 2013, no início da caminhada do índio Xavante que culminou – até agora – na Série B do Campeonato Brasileiro, o Hahn voltou.

Nunca o vimos negligenciar a sua carreira ou o clube. Nunca o flagramos desrespeitando a torcida, seja ela a favor ou contra. Da forma como encarava a camisa do Brasil, parecia até que havia sido revelado por aqui, oriundo dos campos de várzea do bairro Navegantes ou do Simões Lopes. Nada disso. O meia que marcou um dos gols que deu o título ao Caxias é natural de Torres/RS.

De qualquer forma, Márcio Hahn é, hoje, Xavante! A marca está na pele e não tem como sair. A energia emanada do gramado da Baixada o envolveu de tal forma que não é mais possível desvinculá-lo ou esquecê-lo. Obrigado por tudo, Márcio Hahn.

márcio-hahn
Obrigado pelos acessos, especialmente os nacionais, pelas duas taças de Campeão do Interior, pela garra e dedicação dentro de campo. A torcida Xavante o agradece, tenho certeza, por ter sido sempre gentil com todos, mas ESPORTIVAMENTE HOSTIL diante dos adversários no tapete verde. És um exemplo de ídolo do esporte, do futebol do interior, um ícone para todos os cancheiros deste espaço.

Obrigado, também, por ler o Toda Cancha.

B2nFRRlIAAEn1yO.jpg large

Fotografias por Elison Bitencourt, Max Rodrigues/arquivo pessoal, ilustração por Choer #51B

Grato por tudo,

Pedro Henrique Krüger | @pedrohckruger

Publicado em Brasil de Pelotas com as tags , , , , . ligação permanente.

5 Respostas a O ciclo é finito, mas a história e a gratidão são eternas

  1. Que mais ‘Márcios Hahns’ surjam no nosso futebol.

    Belo texto, PHCK.

    Saudações indígenas

  2. Régis diz:

    Mais uma lenda interiorana deixando os gramados. Obrigado Márcio Hahn!

    PS: mesmo não tendo jogado no meu time.

  3. Obrigado por agradecer por nós, Pedrão

  4. Gerson diz:

    Um exemplo de profissional e um ótimo jogador. Gostaria de vê-lo participando da comissão técnica do Clube (Xavante), pois tem carisma, é querido pela torcida é tem um futuro promissor como técnico de futebol. O Márcio Hahn é aquele jogador que todos gostariam de tê-lo em seu Clube. Por isso, somos gratos. Tudo do melhor na tua vida, cara!

  5. Nilvio Benitez Severo diz:

    Junto-me aqueles que reverenciam esse ótimo atleta e um grande profissional. Respeitava a disciplina, não fazia corpo mole e sempre se esforçou ao máximo com bom rendimento de seu futebol. Inúmeras vezes entrou em finais de jogo, ou quando a partida estava “enroscada” e nunca se queixou, era altamente disciplinado. Muito ajudou o Brasil. Pensava que quando se aposentasse ficaria junto a Direção Técnica, pois segundo consta, Rogério ouvia muito as ponderações desse jogador, quando o mesmo não estava participando do jogo propriamente dita.Segue tua trilha Márcio Hahn, pois cumpriste fielmente teu contrato e que tenhas sucesso ainda como jogador de futebol, ou em entra profissão que abraçares.Deixas saudades, parabéns.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *