Lutando contra a banca

10460659_733470910049816_5868578070674632776_o

Cancheiro Wilian vibrando com a conquista da Terceirona 2014 (Acervo pessoal)

Tal qual fizemos na Divisão de Acesso, na Terceirona também teremos os PREVIEWS dos duelos das quartas-de-final e daremos um BRIEFING em três partes sobre os postulantes ao acesso à amada Segundona. Como em 2017 a dupla Gre-Nal marcou presença e mesmo com seus sub-23, foram superiores e como o Toda Cancha não se propõe a analisar as equipes portoalegrenses intrusas no torneio, contamos abaixo um resumo de Gaúcho e Rio Grande, que lutarão contra os gigantes da província.

SC Gaúcho

Página oficial da Barra Verde no Facebook

Página oficial da Barra Verde no Facebook

Time-base: Gustavo, Léo, Bruno, Ito (Baggio) e Kelvin; Ícaro, Cadu, William Zandoná e Adílson; Pedrinho (Ledesma) e Fischer.

Técnico: Diego Moraes

Trajetória: a primeira fase foi complicada para o Alviverde, que consolidou sua classificação na penúltima rodada em um grupo com sete clubes que continha seis vagas para a segunda fase. Com alguns reforços, o Gaúcho veio encorpado para a sequência do torneio e emendou uma sequência de vitórias na Arena BsBios, os únicos pontos perdidos em Passo Fundo foram no empate sem gols com o Grêmio.

O famoso incidente do vestiário pós-partida, pode ter influenciado a performance da equipe, que perdeu quatro jogadores importantes para a rotação do curto elenco do Periquito. Fora de casa, apenas derrotas! Ao longo da caminhada, o técnico Ricardo Attolini pediu o boné e concedeu lugar a seu auxiliar, Diego Moraes.

A quarta colocação no grupo reservou o adversário mais ingrato, o Internacional de Porto Alegre, que ainda não perdeu na Terceirona, venceu 22 dos 24 jogos. O temor (que consta em ata, inclusive) do presidente Gilmar Rosso se tornou realidade e o bravo Gaúcho terá a dura missão de superar o monstro da capital.

A primeira partida será no meio de semana, na Morada dos Quero-Queros, pois os times de Porto Alegre devem decidir todas as partidas fora de casa. A decisão deve ser no final de semana, quando a Arena do Gaúcho precisará pulsar na luta contra o impossível!

Ponto forte: Adilson, o maestro da equipe. Toda e qualquer jogada que preste passa por ele. O único veterano do Periquito do Boqueirão é o responsável por ser o ENGANCHE e a ilha de técnica na equipe aguerrida, porém limitada tecnicamente.

Ponto fraco: o goleiro Gustavo, que falha em quase todo jogo. Outro ponto que preocupa a fiel torcida Alviverde é o ataque, pois o goleador Fischer sofre com a falta de parceria ofensiva, que no ano passado contava com Edgar Alemão, hoje no Bagé.

Pode surpreender: Baggio, um zagueiro brioso que pode ser utilizado como atacante se o Gaúcho precisar guardar aquele tento chorado! O LIGEIRO Alisson Ledesma, um avançado jovem, pode ser o desafogo Periquito, contanto que esteja inspirado. O que não acontece corriqueiramente…

Previsão Alviverde: missão (quase) impossível. O time pode ir para o confronto descompromissado, por conta de alguns desentendimentos internos.

Régis Nazzi, com a colaboração de Douglas Kaminski.

SC Rio Grande

Foto: Torcedor Veterano

Foto: Torcedor Veterano

Time-base: Cristiano; Bruno Garrincha, Júnior, Léo e Bruno; Caio, João Pedro, Cabeça e Talyson; Leandro e Douglas.

Técnico: Marcelo Moreira

Trajetória: Rio Grande chega para os confrontos eliminatórios da Segunda Divisão 2017, após uma campanha de altos e baixos. Classificado na primeira fase apenas na última rodada com 17 pontos, acumulou cinco vitórias, dois empates e sete derrotas, ocupando a quinta colocação do Grupo A. Na segunda fase, apresentou um bom futebol, o que o credenciou as quartas de finais da competição com três rodadas de antecedência. Nesta fase, foram cinco vitórias, dois empates e três derrotas, ocupando a terceira colocação do Grupo C.

Ponto forte: o ponto de equilíbrio da equipe está literalmente nas mãos do goleiro Cristiano. O arqueiro é a base da equipe que conta sua experiência para levar o time formado na sua maioria por garotos da própria cidade, ao tão sonhado acesso para 2018.

Ponto fraco: a inexperiência do grupo de jogadores pode pesar contra a equipe tricolor. Apesar do “corpo” que a equipe vem ganhando durante o certame, muitos estão pela primeira vez participando de uma competição a nível estadual. A campanha fora de casa, apesar de duas vitórias nesta segunda fase (contra Novo Horizonte e Sapucaiense), preocupam a torcida, já que a maioria das derrotas se deu por uma diferença de dois gols ou mais. A falta de apoio da torcida veterana no Arthur Lawson também pode pesar contra uma possível classificação as semifinais.

Pode surpreender: o Grêmio de Porto Alegre não vem apresentando um bom futebol neste campeonato. Já o Sport Club Rio Grande, apesar de um ponto disputado em 12 contra o Internacional, demonstrou boa maturidade contra o time muito melhor preparado e estruturado, o tal que veste vermelho nos confrontos até aqui. O menino Cabeça é e referência técnica da equipe e pode ser o cara dos confrontos.

Previsão Veterana: contra um dos maiores clubes do estado, apesar de ser o time Z, a balança sempre favorecerá ao clube com maiores “vantagens”. Muitas pessoas já dão como certa a classificação do Grêmio para a próxima fase. Mas acredito que o Rio Grande pode – e irá – surpreender o tricolor de Eldorado do Sul. Um empate, e o vovô do futebol brasileiro estará vivo, mesmo que encontre outro gigante pela frente.

Wilian Luz

Publicado em Gaúcho de Passo Fundo, Rio Grande, Terceirona 2017 com as tags , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *