Guia do Gauchão 2018 – Parte II

tumblr_oy4ikzGQBo1rxrwn5o1_1280

Caxias x São Luiz – Gauchão 1999. Fonte: https://futebolgaucho.tumblr.com

Seguimos com a segunda e DEFINITIVA parte do Guia do Gauchão 2018. Chegou a hora de VERIFICARMOS como Caxias, São José, São Luiz, o incaível Veranópolis e o atual campeão Novo Hamburgo se ALISTAM para a competição. Não te mixa e te gruda, xiru!

Logo Caxias

S.E.R. CAXIAS

Sob a batuta de Luis Carlos Winck o Grená chega à temporada 2018 para dar sequência no trabalho do ano anterior. Apesar do técnico ser o mesmo, o elenco sofreu grande MUTAÇÃO em relação ao grupo de jogadores de 2017. A destacar a chegada do experiente goleiro Gledson, de 34 anos, as chegadas dos laterais Igor Bosel, ex-Londrina e Julinho, ex-Figueirense. Para o meio campo Rafael Gava, ex-Londrina e Guto Dresch, ex-São Paulo/RG. Para o ataque desembarcou o destaque anilado campeão gaúcho do ano passado, João Paulo, a esperança de TENTOS ao Grená da Serra.

Entre jogo-treino e amistosos a preparação da SER Caxias se deu da seguinte maneira: vitória por 2 a 0 contra o Sindicato dos Atletas, vitória por 4 a 3 frente ao quadro catarinense do Tubarão, OXO em Veranópolis contra o VEC e revés em casa frente ao time do São José-POA.

A SER Caxias estreará no certame em casa, contra o atual campeão Novo Hamburgo, quarta-feira, dia 17 às 20h30.

Time-base: Gledson; Igor Bosel, Junior Alves, Jean e Julinho; Marabá, Gilson e Rafael Gava; Daniel Cruz, Túlio Renan e João Paulo

Técnico: Luiz Carlos Winck

Cancha: Centenário (22.000 lugares)

Fornecedor esportivo: Falcon

Em 2017: 3° lugar

Melhor campanha histórica: campeão em 2000.

Novo Hamburgo

E.C. NOVO HAMBURGO

Diferente de outros anos, o Novo Hamburgo prezará pela continuidade de um trabalho, tendo como claro objetivo o acesso à Série C ao final da temporada. Com um calendário cheio, com Copa do Brasil, Gauchão, Recopa Gaúcha e a própria quarta divisão, todos os contratos foram assinados até o mês de setembro. Uma organização que começa fora de campo e se estende até ele. O retorno de Beto Campos e a manutenção de vários atletas daquele time campeão, como a permanência do ídolo e capitão Preto, além da volta de Juninho, Branquinho, Tiago Ott, Júlio Santos, Renan, Conrado são a prova disso.

O grupo, que vem tomando forma aos poucos, apresentou-se em 16 de novembro de 2017, após o retorno do técnico campeão, que estava no Criciúma. Nesse período ‘pós-título’, Beto também treinou o Náutico. Mas a vida a vida na Terra só é possível graças aos ciclos de energia que abastecem o planeta. E no futebol não é diferente. O reencontro com o Anilado acontece nesta quarta feira, 17, contra o Caxias, no lugar que nos arrepia só de escutar o nome: o Estádio Centenário. Lá, exatamente naquela arquibancada obscura, onde o saudosismo se mistura à dificuldade de enxergar a bola pela iluminação deficiente, no exato lugar em que assistimos a maior epopeia do futebol e podemos, assim, soltar um grito que estava preso há 106 anos: o de Campeão Gaúcho.

A equipe

A espinha dorsal vai se alinhando, conforme os ajustes finais vão acontecendo. Indispensáveis atletas como Preto e Juninho ditarão a meia cancha. A liderança de Júlio Santos, zagueiro xerife que voltou depois de passar meio ano no Boa Esporte, e culmina num setor defensivo que deverá apresentar solidez. A arma velocista do time será Branquinho, que retorna ao Vale do Sinos por empréstimo, junto ao São Bento de Sorocaba, após o acesso à Série B. Outro campeão que volta é Assis, lateral-esquerdo, que estava no plantel do Paraná Clube que voltou à Série A e disputará posição com o lendário Xaro na banda canhota, que chegou no fim do ano passado. Se o Noia, por meio de Everton Cury não conseguiu trazer de volta João Paulo, para seu lugar teremos Flávio Torres. FT9 possui boa estatura física, boa imposição em jogadas aéreas, acrescentando muito à zona ofensiva do Noia. Além disso, ele terá a sombra de Edson Reis, que veio da SER Caxias.

Quem também chegou para integrar o grupo e tem totais condições de vestir a camisa ‘5’ de cabo a rabo, é o volante Diogo Oliveira, campeão brasileiro com  Fluminense em 2011, e com passagens por clubes como Grêmio, Figueirense e URT. Oliveira se soma aos dois volantes campeões gaúchos: Tiago Ott e Renan, que voltaram ao ECNH para a disputa da temporada 18. Outro que vem para brigar por um lugar na equipe principal é Zotti, meia, canhoto, galego e de boa técnica. Para a lateral-direita, chegou o experiente Bindé, ex-São José. Poderá ser um coringa de Beto.  Se dará certo? Não sabemos. O futebol é imprevisível e essas coisas precisam de tempo. Tempo que não volta para trás.

Base: O clube tem mudado a sua forma de enxergar a base. Inclusive, recentemente, alguns assinaram contrato com o profissional. São eles: o goleiro Arthur de Marco, de 17 anos; o zagueiro Lucas Wingert, de 19; os meias Filipe Fraga, de 17 e Rodrigo Cachopa, de 20; além do atacante Rafael, de 17 anos

Time-base: Max; Bindé, Talis Anacleto, Júlio Santos e Assis; David, Diogo Oliveira, Preto, Juninho e Branquinho; Flávio Torres.

Técnico: Beto Campos.

Cancha:  Estádio do Vale (4 mil lugares)

Fornecedor esportivo: Dresch

Em 2017: Campeão.

Melhor campanha histórica: Campeão em 2017.

SÃO LUIZ

E.C. SÃO LUIZ

Atual campeão da Divisão de Acesso, o alvirrubro da Colmeia do Trabalho busca fazer tudo nos conformes. Após três certames afastado da elite, o São Luiz busca fazer tudo certinho para evitar um descenso logo após o retorno.

O comando da equipe ficará a cargo, novamente, de Paulo Henrique Marques. Todavia, a palavra REMODELAÇÃO é o mantra em Ijuí. A direção do SAINT LOIUS pensou na cancha também e tratou de trocar todo o gramado do 19 de outubro.

Dentro de campo, a equipe conseguiu segurar em Ijuí nove atletas que disputaram a Divisão de Acesso, o que permite a torcida, direção e demais envolvidos, pensar em uma classificação para a segunda fase em vez de só brigar pela permanência na divisão gloriosa do futebol da terra de São Pedro.

Entre as caras conhecidas dos amantes do futebol gaúcho, destaque para o goleiro Jonatas, o zagueiro Tairone, o meio campista Rudiero e o atacante Michel, goleador do Gauchão em em 2015 com 11 gols pelo Passo Fundo

A preparação do São Luiz iniciou em 23 de novembro, totalizando 48 dias de preparação. Paulo Henrique Marques observou os comandados em 5 amistosos, sendo 3 vitórias (Concórdia-SC, Cruzeiro e Sindicato), 1 empate (Concórdia-SC) e 1 derrota (São José). A estreia ocorre contra o Grêmio em casa, dia 17, às 21h45min.

Time-base: Jonatas, Maicon, Tairone, Thalheimer e Márcio Goiano; Rudiero, Jeferson Prill e Luiz Carlos; Gustavo Xuxa, Michel e Éder.

Técnico: Paulo Henrique Marques

Cancha: 19 de Outubro (5 mil e 500 lugares)

Fornecedor esportivo: Weefe

Em 2017: Campeão da Divisão de Acesso 2017. Não disputou a última edição do certame.

GUIA DO GAUCHÃO 2012: E. C. São José

E.C. SÃO JOSÉ

Após um 2017 absolutamente AGITADO e proveitoso, a última coisa que o São José quer para 2018 é calmaria. Após chegar às quartas de final tanto do Gauchão quanto da Série D, a equipe alviazul da capital pampeana obteve o título da Copa Paulo Sant’Ana.

Aliás, após a conturbada saída de China Balbino no início de LA COPITA, Rafael Jacques, que já labutava no ZECA nas categorias de base foi guindado ao posto de COACH, para o qual será mantido nesta edição do SARTORÃO.

No elenco, carimbos é o que não faltam (ns). Dudu Mandai, Felipe Guedes, Clayton e Rafinha são sinônimos de São José. Nada que supere o GOLEIRO ARTILHEIRO Fábio Rampi, ídolo absoluto daqueles que são adeptos do time do CARPETÃO. As maiores apostas no que diz respeito às contratações recaem sobre os experientes Porcellis e Teco.

A maior boa nova de 2018 para o Zequinha é a recuperação do zagueiro Wagner, devidamente curado após um câncer (maior notícia), o atleta deve estar apto plenamente para o Gauchão no transcorrer do certame.

Na pré-temporada, vitórias por 2 a 1 contra o São Luiz e por 1 a 0 perante o Caxias. Ainda houve um empate por 0 a 0 contra o São Paulo. O objetivo do Zeca é dar um BIZU numa das vagas à Copa do Brasil 2019, pois, o clube já está garantido na Dzona da massa em 2018. Como incomodar é uma tônica do time da Zona Norte de Porto Alegre, tudo é possível.

Time-base: Fábio; Márcio Lima, Rafael Goiano, Teco e Dudu Mandai; Felipe Guedes, Everton Alemão, Clayton e Rafinha; Matheuzinho (Márcio Jonatan) e Porcellis.

Técnico: Rafael Jacques.

Cancha: Estádio Passo D’Areia (12 mil lugares).

Fornecedor esportivo: Mega Sport.

Em 2017: 8º colocado.

Melhor campanha histórica: Campeão do interior em 2016, quando obteve a 4ª colocação.

Veranopolis-ECRC

E.C.R.C. VERANÓPOLIS

Ano novo, vida nova e time…repleto de antigos conhecidos da torcida Pentacolor. Para 2018 o VEC conta com 12 atletas, mais o técnico, que já vestiram sua camisa em anos anteriores.

Entre eles, é claro, está o interminável e intransferível Eduardinho, que vai para a sua nona temporada e acumula mais de 150 jogos oficiais como jogador Pentacolor. Este descobriu o segredo da longevidade da cidade. Além dele, Reynaldo, Anderson, Romano, Jadson, Vinicius Bovi, Léo Dagostini, Matheus Lagoa, Lucas Frizon, Gean Correia, William e Juba completam o time dos que já vestiram as 5 cores anteriormente. Julinho Camargo, o técnico para 2018, é outro veterano de Antônio David Farina. Este será o seu quarto Gauchão pelo Veranópolis.

Das caras novas, destaque para Felipe Mattioni, por seu currículo (Grêmio, Milan e Mallorca) e – SPOILER – por ter se mostrado homem de confiança do técnico Julinho nos amistosos. Isso porque ele atuou como ala, lateral e até volante durante a preparação, além de revezar as cobranças de bola parada com Romano. O Veranópolis ainda tem em seu elenco o zagueiro Rafael Bonfim, ex Coritiba e Atlético-GO; os volantes Bertotto e Jair, da base colorada e Fabrício Lusa, ex Bahia e Juventude; os meias-atacantes Gabriel Silva, emprestado pelo Flamengo e Talles Cunha, ex Inter e Ypiranga; e o atacante Wesley, ex Grêmio, Cruzeiro-RS e Goiás.

Seis amistosos ocorreram. Foram 3 vitórias (3×0 no Pradense, 6×0 no combinado local de Barra do Ribeiro e 1×0 no Avenida), 2 empates (0x0 contra São Paulo-RS e Caxias) e 1 derrota (1×0 para o Novo Hamburgo).

A busca veranense é de mais um Gauchão digno e competitivo. Segue o discurso de garantir a permanência na primeira divisão estadual e, quem sabe, se os resultados e o futebol praticado permitirem, alcançar feitos maiores.

Time-base: Reynaldo; Felipe Mattioni, Léo Dagostini, Rafael Bonfim e Romano; Fabrício Lusa, Jair e Eduardinho; Talles Cunha, Juba e Wesley.

Técnico: Julinho Camargo.

Cancha: Antônio David Farina (4 mil lugares).

Fornecedor esportivo: Lupisport.

Em 2017: 5º colocado.

Melhor campanha histórica: 3º em 1997, 1998 e 2012.

Participaram da confecção da segunda parte do Guia: Kauê Monteiro, Jauri Belmonte, Cássios Diogo Schaab, Natan Dalprá Rodrigues e Pietro Primieri.

 Aguante!

Publicado em Caxias, Gauchão 2018, Novo Hamburgo, São José, São Luiz, Veranópolis. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *